A Terra teve um campo magnético primitivo (e é mais forte do que se pensava)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, encontrou evidências que sugerem que o campo magnético primitivo que se formou à volta da Terra é mais forte do que os especialistas pensavam.

A nova análise, cujos resultados foram esta semana publicados na revista científica PNAS, sugere que a Terra possuía um campo magnético há 4,2 mil milhões de anos, sendo este especialmente forte entre 4,1 e 4 mil milhões de anos.

Nesta altura, sustentam os cientistas, o “escudo magnético” da Terra era gerado por reações químicas no interior do planeta, que acabaram por arrefecer após a sua formação.

O processo que alimentava o campo magnético primitivo é diferente do de agora: atualmente, o campo magnético é gerado pelo movimento no núcleo de ferro líquido da Terra; este campo é invisível, mas crucial para a vida na Terra, uma vez que protege o nosso planeta de partículas perigosas oriundas do Sol.

“Acreditamos que o campo magnético preservou a habitabilidade planetária em dois momentos-chave da história da Terra: o Hadeano e o mais recente Ediacarano, há cerca de 565 milhões de anos, quando o campo magnético entrou em colapso quase completo antes do início do crescimento do núcleo interno”, explicou John Tarduno, o cientista que liderou o estudo, citado pelo portal Newsweek.

“A nossa hipótese sustenta que o campo era inicialmente forte, mas, ao longo de mil milhões de anos, tornou-se gradualmente mais fraco à medida que o dínamo se tornou menos eficiente. Depois, o núcleo interno começou a crescer e o campo voltou a ganhar força. Atualmente, estamos a recolher dados de fontes em tudo o mundo para rastrear esta história”, revelou o especialista.

De olhos postos na habitabilidade de outros mundos

A investigação, além de trazer novas informações sobre o “escudo” magnético da Terra, pode ajudar a comunidade científica a perceber se existem outros planetas no Sistema Solar com condições para abrigar vida. “Esta investigação diz-nos algo sobre a formação de uma planeta habitável“, diz Tarduno, citado pelo portal Phys.org.

O especialista recorda a teoria que defende que Marte, tal como a Terra, já teve um campo magnético no início da sua história planetária. No entanto, o campo do Planeta Vermelho entrou em colapso total, não sendo capaz de gerar um novo.

“Assim que Marte perdeu a sua ‘blindagem magnética’, perdeu a sua água (…) Mas ainda não sabemos porque é que o campo entrou em colapso. A ‘blindagem magnética’ inicial é realmente importante, mas também estamos interessados na sustentabilidade de um campo magnético. Este estudo fornece-nos mais dados para descobrir o conjunto de processos que mantêm o escudo magnético da Terra”, rematou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ministério da Saúde indiano sem dados sobre médicos que morreram de covid-19. Associação fala em 382 óbitos

Depois de o Ministério da Saúde indiano ter afirmado esta semana que o não dispõe dos dados sobre os profissionais de saúde que morreram devido à covid-19, a Associação Médica do país publicou uma lista …

Chega apresenta proposta que prevê castração química para pedófilos

O projeto de revisão constitucional do Chega, entregue hoje no parlamento, prevê a remoção dos órgãos genitais a criminosos condenados por violação de menores, algo que em si mesmo encerra dúvidas de conformidade com a …

Fluminense: as derrotas pós-Evanilson e as quatro ausências de Fred

O reforço do FC Porto deixou a equipa brasileira que, desde essa transferência, contabiliza mais derrotas do que vitórias. A instabilidade de Fred não ajuda. Portugal continua mais atento ao Flamengo do que ao Fluminense, mesmo …

MP suíço pede 28 meses de prisão para presidente do PSG e 3 anos para Valcke

O Ministério Público suíço pediu, esta terça-feira, uma pena de 28 meses de prisão para Nasser Al-Khelaïfi, presidente do Paris Saint-Germain, e de três anos para Jérôme Valcke, antigo número dois da FIFA. Trata-se dos primeiros …

Empresa japonesa cria lâmpada UV inócua para humanos que inativa coronavírus

Uma empresa japonesa desenvolveu uma lâmpada de radiação ultravioleta que inativa o novo coronavírus, recorrendo a um comprimento de onda que um estudo científico diz ser inócuo para os seres humanos. A lâmpada Care 222 foi …

Trump pede à ONU atribuição de sanções à China por ter "ocultado factos relevantes"

O Presidente dos EUA, Donald Trump, exortou hoje as Nações Unidas a “pedirem responsabilidades à China” pela sua atuação na fase inicial da expansão da pandemia de covid-19. Na sua intervenção durante o debate geral da …

Há um "clima de medo e insatisfação" nas Forças Armadas, diz Associação de Sargentos

O presidente da Associação Nacional de Sargentos (ANS), Lima Coelho, disse à Rádio Renascença que se vive um "clima de medo e insatisfação nas Forças Armadas", que inclui ameaças, avaliações injustas, demora excessiva das reclamações …

Teletrabalho e questões ambientais são prioridade para o PS no início da sessão legislativa

A líder parlamentar do PS afirma que duas das principais prioridades da sua bancada no início da presente sessão legislativa vão passar pela regulamentação do teletrabalho e pela aprovação de uma lei de bases do …

Justiça alemã abre novo inquérito contra suspeito do desaparecimento de Maddie

A justiça alemã abriu um novo inquérito contra o principal suspeito do desaparecimento de Maddie McCann, relativo à violação de uma jovem irlandesa, em 2004, anunciou, esta terça-feira, o procurador de Brunswick. "Posso confirmar que investigamos …

Mais de metade dos portugueses acredita que os fundos europeus vão ser mal geridos

Mais de metade dos portugueses (60,6%) acredita que os fundos europeus que Portugal vai receber para fazer face à pandemia vão ser mal geridos, revela uma sondagem da Intercampus para o Jornal de Negócios e …