Câmara dos Representantes aprova fundo para muro na fronteira dos EUA com México

Office of the Speaker / Wikimedia

Donald Trump cumprimenta o presidente da Câmara dos Representantes, o republicano Paul Ryan

A Câmara dos Representantes aprovou na quinta-feira financiamento para a construção do muro na fronteira dos EUA com o México, que provavelmente será rejeitado pelo Senado, mantendo-se o risco de paralisação parcial da administração federal.

A Câmara dos Representantes, ainda controlada pelos republicanos, autorizou um pacote de 5,7 mil milhões de dólares (cinco mil milhões de euros) para viabilizar o muro desejado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, mas persiste a possibilidade de que mais de 800 mil trabalhadores federais sejam obrigados a folgar ou a trabalhar sem remuneração se a resolução não for alcançada antes que o financiamento expire à meia-noite de sexta-feira.

A gestão desta crise deverá ser um dos atos finais da maioria do Partido Republicano antes do controlo da Câmara dos Representantes passar para os democratas em janeiro.

O Congresso parecia ter encontrado um consenso para financiar o Governo, mas esta quinta-feira tudo mudou quando Trump assegurou que não assinaria a lei sem o financiamento. “O Presidente tem sido claro desde o início: ele quer algo que dê segurança às fronteiras e não vai assinar nada que não garanta isso”, disse a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, antes da votação.

A medida, que inclui um pacote de ajuda a desastres (de quase oito mil milhões de dólares), que muitos legisladores pretendem que seja destinado para responder a catástrofes causadas por furacões costeiros e incêndios florestais na Califórnia, vai agora para o Senado, enfrentando a forte oposição dos democratas.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, alertou os senadores de que estes talvez precisem de regressar a Washington para uma votação ao meio-dia de sexta-feira.

Muitos senadores já tinham deixado a cidade para gozarem os feriados, depois do Senado ter aprovado um projeto de lei apoiado pelos dois partidos na quarta-feira. O projeto de lei permitia manter o Governo provisoriamente financiado, com fundos destinados a garantir a segurança na fronteira nos montantes atuais (13 mil milhões de dólares), mas sem reservar dinheiro para o muro.

Donald Trump chegou a dizer que teria “todo o orgulho” em paralisar o Governo, se não conseguisse as verbas para a construção do muro, que considera essencial para assegurar a proteção da fronteira, contra imigrantes ilegais e tráfico de droga.

O Presidente norte-americano também avançou com a possibilidade de usar dinheiro remanescente do acordo comercial com o México para garantir a construção do muro, mas voltou esta semana à tese de que deve ser o Congresso a facilitar a obtenção da verba.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. 5,7 mil milhões para um muro enquanto acaba com o Obamacare e põe milhões de americanos sem acesso a cuidados de saúde básicos!…
    Merica!…

RESPONDER

Já há rascunho do acordo da COP25 (mas nada está ainda totalmente fechado)

Esta segunda-feira arranca a semana decisiva, depois de uma semana de trabalho técnico ara definir as linhas que vão dar origem ao documento final da 25.ª Convenção das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas …

Novos escalões de IRS só serão criados "a meio da legislatura"

Esta segunda-feira, o Governo disse aos parceiros sociais que só deverão acontecer "mexidas no IRS", nomeadamente a criação de novos escalões, a meio desta legislatura. O Governo de António Costa confirmou aos parceiros sociais que a …

Navios em Portugal poluem tanto quanto as oito cidades com mais carros

O transporte marítimo deve integrar o regime de comércio de licenças de emissão da União Europeia (UE), defendeu, esta segunda-feira, a associação ambientalista ZERO, exigindo limites de emissão de dióxido de carbono (CO2) para navios …

Já são conhecidos os nomeados aos Globos de Ouro. Netflix lidera com "O Irlandês" e "Marriage Story"

A cerimónia de entrega de prémios realiza-se a 5 de janeiro de 2020 no hotel Beverly Hilton, em Los Angeles, e será apresentada por Ricky Gervais. Já são conhecidos os nomeados à 77ª edição dos Globos …

Falhas na formação de médicos levam ministra a criar grupo de trabalho

A ministra da Saúde determinou a constituição de um grupo de trabalho para criar um manual de regras e procedimentos para a avaliação das capacidades de formação de médicos no SNS, depois de falhas apontadas …

Surto de sarampo leva Samoa a fechar escolas e serviços. Ativista anti-vacinação detido

Com o objetivo de conter o surto de sarampo que já matou 60 pessoas, o governo de Samoa está a pedir à população que coloque uma bandeira vermelha em frente às casas nais as pessoas …

Poluição do ar leva Sarajevo a cancelar todos os eventos públicos

As autoridades bósnias consideram que a poluição na capital do país, Sarajevo, atingiu níveis perigosos nos últimos dias. Perante a densa nuvem de nevoeiro que paira na cidade, o governo regional decidiu cancelar todos os …

A banana colada à parede que custou 108 mil euros foi comida

A banana mais cara do mundo, presa a uma parede com fita adesiva, foi descascada e comida por um artista que visitava o stand da galeria Perrotin, na feira de arte contemporânea Art Basel, nos …

Empresas norte-americanas reforçam domínio na venda global de armas

O Instituto Internacional de Estudos de Paz de Estocolmo (SIPRI) revelou esta segunda-feira que as empresas norte-americanas aumentaram o domínio no comércio global de armas em 2018, para 59% do volume total entre as 100 …

Faltam medicamentos para doenças crónicas nas Farmácias (e ninguém sabe porquê)

Há medicamentos para doenças crónicas que estão, constantemente, em falta nas Farmácias Portuguesas. Uma situação preocupante, sobretudo para os pacientes que deles precisam, e que não tem uma explicação. A Associação Nacional de Farmácias está …