A era das calculadoras gráficas excessivamente caras pode estar prestes a chegar ao fim

Com o surgimento de novas alternativas grátis, as calculadoras gráficas excessivamente caras podem estar prestes a ver o seu império arruinado.

Quase todos os pais sabem o que é a chatice de ter de comprar uma calculadora gráfica para as aulas de Matemática dos filhos. Os preços são exorbitantes e podem ir dos 100 até mais de 200 euros. A Texas Instruments e a Casio têm quase um monopólio das calculadoras gráficas, colocando preços altos para uma tecnologia que não o justifica.

Com um design dos anos 80 e uma tecnologia dos anos 90, os preços a rondar os 100 euros começam a esgotar a paciência dos pais, que se vêm obrigados a comprá-la para os filhos. Contudo, como noticia o The Hustle, o império destas empresas pode estar prestes a ruir, já que novas alternativas estão a surgir. A calculadora TI-84 provavelmente não deve ser estranha tanto a pais como a filhos.

Num mercado avaliado em mais de 300 milhões de dólares, a Texas Instruments detém cerca de 80% dele. E como conseguiram isto? Uma das formas foi estabelecer parcerias com grandes empresas de livros didáticos, que integraram exercícios específicos da TI.

Com a ameaça de novas aplicações para telemóvel, o ProPublica relata que a Texas terá pago a lóbistas para pressionar o ministério da Educação norte-americano, de forma a manter as calculadoras Texas Instruments como opção nas escolas.

“Muito do sucesso das calculadoras gráficas da TI foi devido a lobby agressivo para determinadas políticas. Eles fizeram isso para que o tipo de coisas que você poderia levar para um teste fossem essencialmente limitadas aos dispositivos deles”, disse uma fonte na área da educação ao The Hustle.

A TI-84, um dos seus modelos mais famosos, foi lançada em 2004 por um preço de 110 euros. Agora, 15 anos depois, o preço praticamente mantém-se o mesmo. De acordo com o The Washington Post, o preço para produzir uma destas calculadoras é de apenas uns meros 15 a 20 dólares.

Todavia, novas tecnologias grátis e iniciativas inovadoras podem destronar a empresa americana do topo da cadeia alimentar.

“Muitas famílias simplesmente não podiam gastar 100 dólares numa calculadora”, disse Eli Luberoff, licenciado em Matemática na Universidade de Yale. “E isso estava a criar um enorme desequilíbrio no acesso às ferramentas de matemática”.

Como solução, Luberoff criou uma aplicação grátis de uma calculadora gráfica para computador e smartphone, chamada Desmos. Hoje em dia, nos Estados Unidos, são mais de 40 mil alunos e professores que a usam.

“O nosso modelo de negócios é exatamente o oposto da Texas Instruments. O modelo deles sempre é dar a tecnologia gratuitamente às empresas de livros didáticos e forçar as famílias a comprá-la por um preço premium. O nosso modelo é dar a tecnologia gratuitamente aos estudantes e cobrar às empresas de livros didáticos para a incluírem”, explicou.

Ainda assim, Luberoff conta que tem sido um tarefa árdua convencer alunos e professores — habituados à TI — a fazer a transição para a Desmos.

“Você está a tentar convencer os professores que ensinam com TI há 20 anos a tentar algo novo. Já é difícil o suficiente ser professor sem lidar com mudanças tecnológicas, mas a maioria reconhece que a nossa ferramenta é mais justa. É uma tecnologia moderna. É o que as crianças usam agora”, disse ao The Hustle.

Aos poucos, os dados apontam que as vendas da Texas Instruments têm vindo a cair ao longo dos anos. Não só porque são procuradas outras alternativas, mas também porque as pessoas deixam de as comprar e usam modelos antigos de familiares ou compram-nas em segunda mão online.

“Há 15 anos, a TI-84 era um dispositivo incrível, com um enorme benefício para professores e alunos”, disse Luberoff. “Agora, é hora de o império ceder”.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Só há um problema. Não se pode utilizar smartphones nos testes e exames. Logo, as Casio e as TI vão continuar a ser usadas nas escolas.

RESPONDER

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …

Há mais pessoas em quarentena do que vivas durante a 2ª Guerra Mundial

Um terço da população mundial - 2,6 mil milhões de pessoas - está em quarentena. São mais seres humanos em isolamento do que aqueles que estavam vivos para testemunhar a 2ª Guerra Mundial. Na terça-feira, o …

Biblioteca virtual no Minecraft dá voz a jornalistas censurados de todo o mundo

Enquanto governos de todo o mundo reprimem a liberdade jornalística e censuram a sua imprensa nacional, a Reporters Without Borders está a trabalhar para chegar ao público através de um canal improvável: uma enorme biblioteca …