Segunda noite consecutiva de destruição e vandalismo em Lisboa

Mário Cruz / Lusa

A direção nacional da PSP contabilizou 24 ocorrências relacionadas com o incêndio de caixotes do lixo na Grande Lisboa e em Setúbal, entre a noite de terça-feira e as cerca das 02h30 desta madrugada.

Numa atualização dos registos, fonte da direção nacional indicou à Lusa que na Bela Vista, no concelho de Setúbal, houve oito ocorrências com caixotes do lixo incendiados, enquanto em Massamá e em Queluz, no concelho de Sintra, distrito de Lisboa, ocorreram seis incidentes semelhantes.

No concelho de Loures, no mesmo distrito, houve ainda uma tentativa de incendiar um automóvel, mas a resposta das autoridades impediu que os danos fossem relevantes.

Não há registo de feridos ou de outros estragos, assim como não há detidos devido aos incidentes desta noite, que se registaram a partir das 22h00 de terça-feira. Pelas 01h30, a PSP indicou que o policiamento tinha sido reforçado na Bela Vista e na área de atuação da divisão de Sintra.

Os focos de incêndio, referiu a fonte da direção nacional, foram observados “pontualmente, em ruas diferentes”, sem que houvesse “ajuntamentos, manifestações”. Em alguns casos, foi a própria PSP a apagar o fogo, noutros foi necessária a atuação dos bombeiros.

A polícia tinha já dado conta, na terça-feira, de um reforço do policiamento com elementos da Unidade Especial de Polícia na Bela Vista e em algumas zonas de Loures e Odivelas, após incidentes registados durante a noite, com o lançamento de cocktails Molotov contra uma esquadra e o incêndio de caixotes e de várias viaturas.

Em comunicado, a PSP informou que continua as investigações a estes incidentes, “nada indiciando, até ao momento, que estejam associados à manifestação” de protesto contra uma intervenção policial no bairro da Jamaica, no Seixal.

Após a manifestação em frente ao Ministério da Administração Interna na segunda-feira, em Lisboa, quatro pessoas foram detidas na sequência do apedrejamento de elementos da PSP por participantes no protesto, convocado para dizer “basta à violência policial” e “abaixo o racismo”.

Este protesto ocorreu um dia depois de incidentes em Vale de Chícharos, conhecido por bairro da Jamaica, entre a PSP e moradores, de que resultaram feridos cinco civis e um polícia, sem gravidade. O Ministério Público e a PSP abriram inquéritos aos incidentes no bairro da Jamaica.

Os quatro manifestantes detidos em Lisboa vão ser julgados sumariamente no dia 7 de fevereiro.

// Lusa

PARTILHAR

17 COMENTÁRIOS

  1. Resultado do comportamento “normal” dos chamados ciddaões exemplares que acusam a polícia de os maltratar… pois é… e els podem destruir tudo em nome da educação e do seu bem querer no país que os acolhe… Valha-nos Deus…

    • ainda hoje o jornal PUBLICO, afecto ao bloco de esquerda, está cheio de artigos a apoiarem os selvagens que querem pôr o país a ferro e fogo
      a culpa não é da Jamaica mas de quem os manobra
      o agitador profissional parece que recebe 2.500 euros mensais do BE

  2. espero bem que as meninas e meninos da extrema esquerda que têm andado a deitar gasolina para a fogueira venham a ser responsabilizados a par desta gente tão civilizada.

    • B.E. com meninas e meninos!!! Eu direi gentalha de género alterado. Mas no dia que um dos protegidos desta cambada enfiar a um deles ou delas um arraial de porrada aí direi força na canjica pois só se perdem as caiem no chão. Mas estou em crer que o mais certo é eles enfiarem-lhe uma coisa diferente .

  3. Em França [P.F. nãonfundir com os coletes amarelos!] já tem havido pior! Têm espancado polícias com ferros e incendiado carros de patrulha com agentes lá dentro!
    Aguardemos a evolução de mais este «presente» da JERICOnsa!

  4. Isto é apenas um treino de turras, possivelmente estarão a treinar para ir impor mais uma ideologia comuna nalgum país africano se é que haverá algum com falta dela, depois restar-lhes-há fugir novamente porque a situação ficará insuportável.

  5. Estou acompanhando a situação no vosso país.
    A esquerda tem o mesmo comportamento em qualquer lugar.
    Tivemos no Brasil as mesmas atuações e ainda pior, professores doutrinaram jovens que não tem interesse em buscar a verdade.
    A modia não nos conta a verdadee são os grandes produtores das intrigas. Cuidado povo português, olhos atentos ao governo com o rigor da fiscalização, se deixar passar muito tempo pode ser tarde, vide exemplo do nosso país vizinho a Venezuela.

  6. Em Angola a comunidade portuguesa é duas vezes maior que a a comunidade angolana em Portugal… em Angola os “abençoados” têm o do melhor, já o contrário não é verdadeiro…. enfim!

    • Mas se calhar, os portugueses em Angola, estão lá a trabalhar (e a viver civilizadamente), já boa parte dos angolanos em Portugal é o que se sabe…

    • Em vez de se queixar, que o Estado Angolano eduque os angolanos para fazer o trabalho que os portugueses estão a fazer em Angola, e assim já não precisavam dos portugueses para nada … só com o dinheiro que a família Dos Santos gastou em relógios e outras coisas, dava para isso e para muito mais.

      E por muito má que seja a vida dos angolanos em Portugal, ainda é muito melhor do que estivessem em Angola, por isso é que eles não se vão embora … e em Angola não se podem queixar de racismo.

  7. Os portugueses estão REVOLTADOS com tanta CORRUPÇÃO IMPUNE. Uns roubam Milhares de Milhões a PORTUGAL e não lhes acontece nada. Os outros – o povo português humilde – pagam, sem escolha, mesmo os que ganham 600€ por mês. Isto vai ter um fim meus caros.

Responder a Eu! Cancelar resposta

Trump obriga grupo chinês a vender operações do TikTok nos EUA

O Presidente norte-americano deu, na sexta-feira, 90 dias ao grupo chinês ByteDance para vender as suas operações do TikTok nos Estados Unidos, segundo um decreto presidencial assinado por Donald Trump. Trump tem acusado nos últimos meses, …

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …