Cahiers du Cinéma homenageia cinema “visionário e messiânico” de Manoel de Oliveira

Daniel Arrhakis / Flickr

O  mítico cineasta Manoel de Oliveira por  Daniel Arrhakis

O mítico cineasta Manoel de Oliveira por Daniel Arrhakis

A revista francesa Cahiers du Cinéma faz uma homenagem de 36 páginas, na edição de maio, ao cineasta português Manoel de Oliveira, que morreu a 2 de abril com 106 anos.

“O cinema de Oliveira é visionário e messiânico, instintivo e oculto, monumental e íntimo“, escreveu o chefe de redação adjunto dos Cahiers du Cinéma, Jean-Philippe Tessé, num artigo intitulado “O homem e a circunstância”, na edição que chegou esta segunda-feira às bancas francesas.

A obra é de uma grande sabedoria e de uma grande loucura. Árida em aparência, intimidante pela erudição monumental, desconcertante pelas audácias radicais que a aproximam, por vezes, do cinema experimental. Por mais árida, intimidante e desconcertante que seja, ela criou uma ligação particular com o seu público, nomeadamente aqui em França (e nos Cahiers)”, considerou o crítico de cinema.

A ligação com a revista é invocada no editorial, intitulado “O Espelho Mágico”, em que o chefe de redação Stéphane Delorme relembra a visita do fundador da revista André Bazin a Portugal, em 1957, quando foi guiado, no Porto, por um cineasta “quase desconhecido”, Manoel de Oliveira.

O sociólogo Jacques Lemière, especialista na obra de Oliveira, apresenta “o belo projeto de uma Casa Oliveira no Porto” e recorda a homenagem que o povo portuense lhe fez, no dia do funeral, a que ele próprio assistiu.

A homenagem neste número dos Cahiers conta, ainda, com textos dos atores Leonor Silveira, Luís Miguel Cintra e Diogo Dória, artigos de especialistas do cinema português e uma entrevista a Manoel de Oliveira, realizada pelos críticos de cinema Raymond Bellour e Serge Daney, na altura em que o cineasta estreara “Non ou a vã glória de mandar” e preparava “A divina comédia”.

O ensaísta Raymond Bellour admitiu não se lembrar “exatamente” quando foi feita a entrevista, indicando apenas que, durante “uma passagem por Paris, Oliveira disse a Serge Daney que gostaria de se encontrar com [o filósofo] Gilles Deleuze para falar do tempo“.

“O cinema é a câmara que colocamos como uma pistola ao ombro para ir à caça. Se gostamos de qualquer coisa, disparamos. (…) Mais tarde, recomeçamos. Caçamos num espaço que, para nós, é também o tempo, o tempo da descoberta. Ao olhar ou ao caminhar neste espaço histórico, agarramos coisas que são imediatamente presentes e que, por isso mesmo, já são passado. Daí a importância da memória e do livro, e de tudo o que resistiu”, respondia Oliveira.

A entrevista, publicada originalmente no nº 14 da revista fundada por Gilles Deleuze – a Chimères -, no inverno de 1991/92, acabaria por ganhar lugar na bibliografia sobre o cineasta, sob o título “O céu é histórico“.

Oliveira termina dizendo a Daney e Bellour: “Peço desculpa pela fraqueza das minhas respostas. Prefiro realizar filmes.”

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …