/

Megaoperação na cadeia Paços de Ferreira apanha drogas, telemóveis e um passaporte

Mário Cruz / Lusa

A Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais informou esta manhã que foi realizada uma busca na Ala A do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira. Dezenas de telemóveis foram apreendidos.

A operação, que começou “imediatamente após o encerramento geral” da Ala A do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, durou até às 5h30 desta madrugada.

A busca foi, segundo a RTP, “coordenada pela Direção de Serviços de Segurança desta Direção Geral e inserida no trabalho de prevenção e combate à entrada e circulação de produtos e bens ilícitos em contexto prisional, bem como da informação recolhida e tratada a propósito da ocorrência verificada recentemente neste Estabelecimento Prisional”.

A operação envolveu cerca de “uma centena de elementos do corpo da guarda prisional do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, dos dois esquadrões do Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GISP) e diversos binómios dos dois grupos cinotécnicos”.

Desta busca, as autoridades apreenderam “79 telemóveis, 20 ampolas de anabolizantes, 8 seringas, uma balança de precisão, um passaporte, dois pares de luvas de luta MMA, seis plastrons, umm alambique artesanal, dois baldes de fruta fermentada, centenas de comprimidos, diversos, 45 maços de tabaco, seis caixas de tabaco avulso, 98g de uma substância que se presume ser haxixe, 20 gramas de uma substância que se presume ser heroína e um grama de uma substância que se presume ser cocaína“.

A ação decorreu sem qualquer tipo de incidentes. Os “reclusos em cuja posse foram apanhados os objetos e bens ilícitos serão objeto do procedimento disciplinar e/ou criminal previstos na Lei”.

Estas buscas acontecem depois de no último fim-de-semana terem sido reveladas imagens em direto no Facebook que mostravam uma festa dentro do Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira. Comemoravam o aniversário de um traficante de droga.

A Direção-Geral dos Serviços Prisionais abriu, posteriormente, um processo de averiguações, coordenado por um procurador do Ministério Público.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE