Brasil vai às urnas mais dividido que nunca. Sondagem dá 41% a Bolsonaro

Paulo Pinto / Fotos Publicas

Manifestantes carregam o ex-presidente Lula da Silva em braços após missa em homenagem à mulher, Marisa Letícia

Os brasileiros escolhem este domingo o presidente que irá substituir Michel Temer no Palácio do Planalto em disputa polarizada entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad.

Em apenas quatro anos, o Brasil viveu uma crise económica que elevou o desemprego, uma crise política que culminou no afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT) e que por pouco também não derrubou o actual mandatário, Michel Temer (MDB), e uma crise de confiança nas instituições políticas com o desenrolar da Operação Lava Jato, que levou inúmeras lideranças partidárias à prisão.

Ainda em crise, o país volta às urnas este domingo, numa eleição mais dividida que nunca. Os dois nomes à frente da disputa repetem a polarização entre esquerda e direita vista nas presidenciais de 2014.

Jair Bolsonaro (PSL), capitão reformado do Exército, cavalga no fervor antipetismo [anti-PT] da população ressentida com os casos de corrupção nos governos de Lula e Dilma (2002-2016).

Marcelo Camargo / ABr

Jair Bolsonaro discute com a deputada Maria do Rosário no plenário da Câmara dos Deputados

O candidato da extrema-direita lidera as sondagens de intenção de voto  e busca, nos últimos dias de campanha, a possibilidade de ganhar a Presidência logo na primeira volta eleitoral. Para isso, precisa atingir a marca de 50% dos votos válidos mais um.

Fernando Haddad (PT), ex-presidente da Câmara de São Paulo e nomeado por Lula como o nome petista para a disputa após a Justiça Eleitoral barrar o ex-presidente da competição, subiu rapidamente nas sondagens ao ser anunciado candidato, mas permaneceu estagnado em segundo lugar nesta última semana, com 25%* dos votos.

Numa possível segunda volta, a última sondagem Ibope/Estado/TV Globo, divulgada este sábado, aponta um empate técnico entre Bolsonaro e o petista no limite da margem de erro (52% a 48%*). O cenário dá margem de vitória ao capitão reformado.

O candidato da extrema-direita alcançou 41% das intenções de voto dos brasileiros, nas que são as últimas sondagens divulgadas pelo Ibope antes do início das eleições presidenciais deste domingo, contra 25% de Fernando Haddad.

Dcordo com as sondagens do instituto Datafolha, Jair Bolsonaro alcança os 40% e Fernando Haddad mantém-se com 25% das preferências do eleitorado brasileiro.

Marcelo Sayao / EPA

O movimento #EleNão reuniu milhares de pessoas em todo o Brasil

A disputa acirrada encontrou o seu auge no último fim de semana, quando actos pró e contra Bolsonaro reuniram manifestantes pelas ruas do País.

Lideradas por mulheres, o movimento #EleNão reuniu milhares de pessoas em todas as capitais estaduais no sábado, 29 de setembro, em denúncia ao caráter machista e misógino do discurso e propostas do candidato da extrema-direita, além das suas posições conservadoras em questões de género e sexualidade.

A acção ganhou força nas redes sociais e apoio internacional, incluindo de um grupo de deputadas portuguesas de esquerda.

No domingo, 30, simpatizantes de Bolsonaro retaliaram com a sua própria manifestação e foram às ruas de nove capitais e dezasseis cidades com trajes verdes e amarelos, semelhante às manifestações a favor do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

Ainda a recuperar-se de um atentado sofrido em campanha, quando foi esfaqueado em Minas Gerais e teve que ser internado de urgência, Bolsonaro não esteve presente no ato principal, em São Paulo, mas enviou o filho, Eduardo Bolsonaro, deputado federal e candidato à reeleição, que reafirmou as posições do pai de uma vitória na primeira volta.

Fernando Haddad / Facebook

O ex-presidente da Câmara de São Paulo, Fernando Haddad, recolhe 25% das intenções de voto

As “terceiras vias”

Ao contrário das previsões de uma possível renovação na disputa eleitoral, a busca por uma terceira via, ou seja, um candidato que não representasse uma polarização entre esquerda e direita, não foi para a frente.

Em terceiro lugar, o ex-ministro das Finanças e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), segue com 13% das intenções de voto. Visto como uma opção de centro-esquerda e, até à última pesquisa Ibope, apontado como o único candidato a vencer Bolsonaro no limite da margem de erro (52% a 48%), Ciro perdeu forças após a entrada de Haddad na disputa, mas ainda acredita numa possível reviravolta na primeira volta.

À direita, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não teve sucesso com a sua candidatura apesar de contar com o expressivo apoio do “Centrão”, grupo de cinco partidos de centro e centro-direita. Em quarto lugar, Alckmin regista apenas 8% dos votos válidos e vê, pela segunda vez, uma derrota nas presidenciais. A primeira foi em 2006, contra Lula.

Marina Silva (Rede), que procura a presidência pela terceira vez consecutiva, passa pelo seu pior desempenho eleitoral desde 2010. Apesar de ter ganhado impulso no início da campanha, com acenos ao eleitorado feminino contrário a Jair Bolsonaro, a ex-ministra do Meio Ambiente se vê na reta final com apenas 3% dos votos válidos.

Em 2014, Marina chegou ao segundo lugar durante a campanha, com possibilidades de vencer Dilma Rousseff, mas acabou também por murchar após ataques dos adversários e acabou fora da segunda volta.

Há outros oito candidatos, espalhados pelo espectro político brasileiro, incluindo Alvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Cabo Daciolo (Patriota).

Ao todo, 13 candidatos disputam a presidência neste ano. Apesar de tantas opções, mais de 147 milhões de brasileiros vão às urnas neste domingo ainda sem certezas quanto ao futuro político e económico do País.

Em crise, a única certeza para o Brasil é que, independentemente do resultado, a divisão continuará a mostrar-se tão forte quanto em 2014.

Paulo Roberto Netto // JPN / Lusa

 

Artigo publicado no JPN por Paulo Roberto Netto. O autor é jornalista e ex-aluno de mobilidade internacional da Universidade do Porto, onde frequentou Ciências da Comunicação e Línguas e Relações Internacionais. Actualmente, vive em São Paulo, onde é repórter do jornal “O Estado de S. Paulo”.

PARTILHAR

RESPONDER

Espiões podem estar a usar o LinkedIn para recrutar novos contactos

O LinkedIn é uma rede social de negócios, mas espiões podem estar a usá-la para encontrar novos contactos. Os espiões estarão a usar perfis falsos, gerados por inteligências artificial. Apesar de ser uma rede social bem …

Mercado de compras online pode não ser tão lucrativo quanto se pensa (e pode estar perto do fim)

Muitas pessoas provavelmente presumem que as lojas online estão a fazer uma fortuna, mas a realidade é bem diferente. Muitas atividades de comércio eletrónico são, na verdade, não lucrativas. Se as pessoas tivessem que pagar o …

Canábis já era fumada há pelo menos 2.500 anos

Uma descoberta nos túmulos do cemitério Jirzankal, no oeste da China, mostra que os povos que viviam nessa zona montanhosa já queimavam canábis com elevados níveis de THC. Uma equipa de arqueólogos encontrou pequenos artefactos de madeira …

Estado angolano exige 25 milhões de euros ao general Dino

O Estado angolano exige ao general Leopoldino Fragoso do Nascimento, mais conhecido por Dino e um dos homens de confiança do ex-presidente José Eduardo dos Santos, o pagamento de 29 milhões de dólares (25 milhões …

Procuradora dos "Cinco de Central Park" deixa de lecionar Direito após série da Netflix

Elizabeth Lederer, a procuradora principal do caso dos "Cinco de Central Park", que resultou na condenação injusta de jovens negros e latinos por violação, disse que vai deixar de lecionar Direito na Universidade de Columbia, …

A água da torneira de uma cidade americana ficou repentinamente cor-de-rosa

Os residentes de Coal Grove, no Ohio, foram surpreendidos por água cor-de-rosa a sair das torneiras das suas casas. O problema esteve relacionado com uma avaria na bomba da estação de tratamento da água. Nenhum habitante de …

Hospital Pulido Valente sem anestesistas na escala este fim de semana

Médicos do Hospital Pulido Valente, em Lisboa, foram este sábado surpreendidos com a falta de anestesistas na escala deste fim de semana e manifestam preocupação com o impacto da decisão nos doentes internados. O coordenador da …

Na Suécia, há quem tenha "vergonha" de andar de avião

Viajar de avião ou usar outro meio de transporte? Para muitos, essa pergunta vem de um dilema ético, de pessoas preocupadas com o impacto da aviação nas mudanças climáticas. Nenhum país, contudo, levou esse dilema tão …

EUA. Governo separa famílias de imigrantes ilegais e envia as crianças para antiga base militar

O internamento de nipo-americanos durante a Segunda Guerra Mundial sempre permaneceu uma mancha terrível nos livros de história dos Estados Unidos (EUA). Cerca 120 mil pessoas foram mantidas à força em várias dessas instalações entre …

Morreu o cineasta italiano Franco Zeffirelli

O cineasta italiano Franco Zeffirelli morreu, na sua casa, em Roma, aos 96 anos, noticiou este sábado a imprensa italiana. “O desaparecimento ocorreu no final de uma longa doença. O mestre vai descansar no cemitério de …