Brasil vai às urnas mais dividido que nunca. Sondagem dá 41% a Bolsonaro

Paulo Pinto / Fotos Publicas

Manifestantes carregam o ex-presidente Lula da Silva em braços após missa em homenagem à mulher, Marisa Letícia

Os brasileiros escolhem este domingo o presidente que irá substituir Michel Temer no Palácio do Planalto em disputa polarizada entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad.

Em apenas quatro anos, o Brasil viveu uma crise económica que elevou o desemprego, uma crise política que culminou no afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT) e que por pouco também não derrubou o actual mandatário, Michel Temer (MDB), e uma crise de confiança nas instituições políticas com o desenrolar da Operação Lava Jato, que levou inúmeras lideranças partidárias à prisão.

Ainda em crise, o país volta às urnas este domingo, numa eleição mais dividida que nunca. Os dois nomes à frente da disputa repetem a polarização entre esquerda e direita vista nas presidenciais de 2014.

Jair Bolsonaro (PSL), capitão reformado do Exército, cavalga no fervor antipetismo [anti-PT] da população ressentida com os casos de corrupção nos governos de Lula e Dilma (2002-2016).

Marcelo Camargo / ABr

Jair Bolsonaro discute com a deputada Maria do Rosário no plenário da Câmara dos Deputados

O candidato da extrema-direita lidera as sondagens de intenção de voto  e busca, nos últimos dias de campanha, a possibilidade de ganhar a Presidência logo na primeira volta eleitoral. Para isso, precisa atingir a marca de 50% dos votos válidos mais um.

Fernando Haddad (PT), ex-presidente da Câmara de São Paulo e nomeado por Lula como o nome petista para a disputa após a Justiça Eleitoral barrar o ex-presidente da competição, subiu rapidamente nas sondagens ao ser anunciado candidato, mas permaneceu estagnado em segundo lugar nesta última semana, com 25%* dos votos.

Numa possível segunda volta, a última sondagem Ibope/Estado/TV Globo, divulgada este sábado, aponta um empate técnico entre Bolsonaro e o petista no limite da margem de erro (52% a 48%*). O cenário dá margem de vitória ao capitão reformado.

O candidato da extrema-direita alcançou 41% das intenções de voto dos brasileiros, nas que são as últimas sondagens divulgadas pelo Ibope antes do início das eleições presidenciais deste domingo, contra 25% de Fernando Haddad.

Dcordo com as sondagens do instituto Datafolha, Jair Bolsonaro alcança os 40% e Fernando Haddad mantém-se com 25% das preferências do eleitorado brasileiro.

Marcelo Sayao / EPA

O movimento #EleNão reuniu milhares de pessoas em todo o Brasil

A disputa acirrada encontrou o seu auge no último fim de semana, quando actos pró e contra Bolsonaro reuniram manifestantes pelas ruas do País.

Lideradas por mulheres, o movimento #EleNão reuniu milhares de pessoas em todas as capitais estaduais no sábado, 29 de setembro, em denúncia ao caráter machista e misógino do discurso e propostas do candidato da extrema-direita, além das suas posições conservadoras em questões de género e sexualidade.

A acção ganhou força nas redes sociais e apoio internacional, incluindo de um grupo de deputadas portuguesas de esquerda.

No domingo, 30, simpatizantes de Bolsonaro retaliaram com a sua própria manifestação e foram às ruas de nove capitais e dezasseis cidades com trajes verdes e amarelos, semelhante às manifestações a favor do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

Ainda a recuperar-se de um atentado sofrido em campanha, quando foi esfaqueado em Minas Gerais e teve que ser internado de urgência, Bolsonaro não esteve presente no ato principal, em São Paulo, mas enviou o filho, Eduardo Bolsonaro, deputado federal e candidato à reeleição, que reafirmou as posições do pai de uma vitória na primeira volta.

Fernando Haddad / Facebook

O ex-presidente da Câmara de São Paulo, Fernando Haddad, recolhe 25% das intenções de voto

As “terceiras vias”

Ao contrário das previsões de uma possível renovação na disputa eleitoral, a busca por uma terceira via, ou seja, um candidato que não representasse uma polarização entre esquerda e direita, não foi para a frente.

Em terceiro lugar, o ex-ministro das Finanças e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), segue com 13% das intenções de voto. Visto como uma opção de centro-esquerda e, até à última pesquisa Ibope, apontado como o único candidato a vencer Bolsonaro no limite da margem de erro (52% a 48%), Ciro perdeu forças após a entrada de Haddad na disputa, mas ainda acredita numa possível reviravolta na primeira volta.

À direita, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não teve sucesso com a sua candidatura apesar de contar com o expressivo apoio do “Centrão”, grupo de cinco partidos de centro e centro-direita. Em quarto lugar, Alckmin regista apenas 8% dos votos válidos e vê, pela segunda vez, uma derrota nas presidenciais. A primeira foi em 2006, contra Lula.

Marina Silva (Rede), que procura a presidência pela terceira vez consecutiva, passa pelo seu pior desempenho eleitoral desde 2010. Apesar de ter ganhado impulso no início da campanha, com acenos ao eleitorado feminino contrário a Jair Bolsonaro, a ex-ministra do Meio Ambiente se vê na reta final com apenas 3% dos votos válidos.

Em 2014, Marina chegou ao segundo lugar durante a campanha, com possibilidades de vencer Dilma Rousseff, mas acabou também por murchar após ataques dos adversários e acabou fora da segunda volta.

Há outros oito candidatos, espalhados pelo espectro político brasileiro, incluindo Alvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Cabo Daciolo (Patriota).

Ao todo, 13 candidatos disputam a presidência neste ano. Apesar de tantas opções, mais de 147 milhões de brasileiros vão às urnas neste domingo ainda sem certezas quanto ao futuro político e económico do País.

Em crise, a única certeza para o Brasil é que, independentemente do resultado, a divisão continuará a mostrar-se tão forte quanto em 2014.

Paulo Roberto Netto // JPN / Lusa

 

Artigo publicado no JPN por Paulo Roberto Netto. O autor é jornalista e ex-aluno de mobilidade internacional da Universidade do Porto, onde frequentou Ciências da Comunicação e Línguas e Relações Internacionais. Actualmente, vive em São Paulo, onde é repórter do jornal “O Estado de S. Paulo”.

PARTILHAR

RESPONDER

"Toupeira" do Insight está a mover-se novamente

O módulo Insight da agência espacial norte-americana (NASA) usou o seu braço robótico para ajudar a sua sonda de calor, conhecida como "toupeira", a cavar quase 2 centímetros na semana passada. Embora modesto, este movimento …

A maioria das bruxas eram mulheres, porque a caça às bruxas servia para perseguir os fracos

Ao longo da história, "caça às bruxas" sempre foi um termo usado para ridicularizar tudo, desde investigações de agressões sexual a alegações de corrupção. Quando nos referimos a bruxas, geralmente não estamos a falar de mulheres …

Benfica 2 vs 1 Lyon | Merci beaucoup, monsieur Lopes!

O Benfica somou os primeiros três pontos na Liga dos Campeões 19/20, ao bater o Lyon por 2-1 em casa. Os “encarnados” entraram a vencer bem cedo, ameaçaram sucumbir à reacção visitante, mas, a cinco minutos …

Um ano depois do colapso, a ponte de Génova começa a ganhar uma nova vida

Génova está a reconstruir a ponte que, no ano passado, desabou e provocou 43 mortos. O novo projeto vai ter um caminho pedonal e um parque memorial para homenagear as vítimas deste desastre. No dia 14 …

"Capa de invisibilidade". Novo material permite ocultar objetos

A empresa canadiana fabricante de uniformes de camuflagem para militares, HyperStealth Biotechnology, anunciou quatro pedidos de patente, todos relacionados com o Quantum Stealth. O material também é chamado de "capa de invisibilidade". O inventor dos quatro …

Jovem português quer ser o primeiro a dar a volta ao mundo numa moto de 125cc

O jovem português com o recorde de primeiro do mundo a percorrer a América do Sul numa moto de 125 centímetros cúbicos (cc) anunciou hoje que em 2020 tentará registar a mais longa volta ao …

Um grupo de manifestantes cantou o Baby Shark para acalmar um bebé durante um protesto no Líbano

No meio de uma das maiores manifestações do Líbano dos últimos cinco anos, uma mãe avisou os participantes do protesto que o seu filho estava assustado. A reação do grupo de manifestantes foi inesperada. Robin, de …

Tame Impala preparam lançamento de novo álbum

Ao que tudo indica, os Tame Impala preparam-se para lançar um novo álbum ainda este ano. As suspeitas surgem após a banda ter partilhado uma espécie de teaser no seu site oficial. Os Tame Impala divulgaram …

União Europeia favorável a nova extensão do Brexit mas ainda sem resposta para Londres

Os 27 Estados-membros da União Europeia são favoráveis a um novo adiamento do ‘Brexit’, solicitado pelo governo britânico, mas ainda discutem a sua extensão e as conversações prosseguirão no final da semana, revelaram fontes europeias. O …

A maior família do Reino Unido vai crescer. Vem aí o 22º filho

A família Radford, conhecida como a maior do Reino Unido, anunciou através de um vídeo no YouTube que estão à espera do 22.º filho. A família Radford vive em Morecambe, Inglaterra, e anunciou através do seu …