Brasil vai às urnas mais dividido que nunca. Sondagem dá 41% a Bolsonaro

Paulo Pinto / Fotos Publicas

Manifestantes carregam o ex-presidente Lula da Silva em braços após missa em homenagem à mulher, Marisa Letícia

Os brasileiros escolhem este domingo o presidente que irá substituir Michel Temer no Palácio do Planalto em disputa polarizada entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad.

Em apenas quatro anos, o Brasil viveu uma crise económica que elevou o desemprego, uma crise política que culminou no afastamento da presidente Dilma Rousseff (PT) e que por pouco também não derrubou o actual mandatário, Michel Temer (MDB), e uma crise de confiança nas instituições políticas com o desenrolar da Operação Lava Jato, que levou inúmeras lideranças partidárias à prisão.

Ainda em crise, o país volta às urnas este domingo, numa eleição mais dividida que nunca. Os dois nomes à frente da disputa repetem a polarização entre esquerda e direita vista nas presidenciais de 2014.

Jair Bolsonaro (PSL), capitão reformado do Exército, cavalga no fervor antipetismo [anti-PT] da população ressentida com os casos de corrupção nos governos de Lula e Dilma (2002-2016).

Marcelo Camargo / ABr

Jair Bolsonaro discute com a deputada Maria do Rosário no plenário da Câmara dos Deputados

O candidato da extrema-direita lidera as sondagens de intenção de voto  e busca, nos últimos dias de campanha, a possibilidade de ganhar a Presidência logo na primeira volta eleitoral. Para isso, precisa atingir a marca de 50% dos votos válidos mais um.

Fernando Haddad (PT), ex-presidente da Câmara de São Paulo e nomeado por Lula como o nome petista para a disputa após a Justiça Eleitoral barrar o ex-presidente da competição, subiu rapidamente nas sondagens ao ser anunciado candidato, mas permaneceu estagnado em segundo lugar nesta última semana, com 25%* dos votos.

Numa possível segunda volta, a última sondagem Ibope/Estado/TV Globo, divulgada este sábado, aponta um empate técnico entre Bolsonaro e o petista no limite da margem de erro (52% a 48%*). O cenário dá margem de vitória ao capitão reformado.

O candidato da extrema-direita alcançou 41% das intenções de voto dos brasileiros, nas que são as últimas sondagens divulgadas pelo Ibope antes do início das eleições presidenciais deste domingo, contra 25% de Fernando Haddad.

Dcordo com as sondagens do instituto Datafolha, Jair Bolsonaro alcança os 40% e Fernando Haddad mantém-se com 25% das preferências do eleitorado brasileiro.

Marcelo Sayao / EPA

O movimento #EleNão reuniu milhares de pessoas em todo o Brasil

A disputa acirrada encontrou o seu auge no último fim de semana, quando actos pró e contra Bolsonaro reuniram manifestantes pelas ruas do País.

Lideradas por mulheres, o movimento #EleNão reuniu milhares de pessoas em todas as capitais estaduais no sábado, 29 de setembro, em denúncia ao caráter machista e misógino do discurso e propostas do candidato da extrema-direita, além das suas posições conservadoras em questões de género e sexualidade.

A acção ganhou força nas redes sociais e apoio internacional, incluindo de um grupo de deputadas portuguesas de esquerda.

No domingo, 30, simpatizantes de Bolsonaro retaliaram com a sua própria manifestação e foram às ruas de nove capitais e dezasseis cidades com trajes verdes e amarelos, semelhante às manifestações a favor do impeachment de Dilma Rousseff, em 2016.

Ainda a recuperar-se de um atentado sofrido em campanha, quando foi esfaqueado em Minas Gerais e teve que ser internado de urgência, Bolsonaro não esteve presente no ato principal, em São Paulo, mas enviou o filho, Eduardo Bolsonaro, deputado federal e candidato à reeleição, que reafirmou as posições do pai de uma vitória na primeira volta.

Fernando Haddad / Facebook

O ex-presidente da Câmara de São Paulo, Fernando Haddad, recolhe 25% das intenções de voto

As “terceiras vias”

Ao contrário das previsões de uma possível renovação na disputa eleitoral, a busca por uma terceira via, ou seja, um candidato que não representasse uma polarização entre esquerda e direita, não foi para a frente.

Em terceiro lugar, o ex-ministro das Finanças e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), segue com 13% das intenções de voto. Visto como uma opção de centro-esquerda e, até à última pesquisa Ibope, apontado como o único candidato a vencer Bolsonaro no limite da margem de erro (52% a 48%), Ciro perdeu forças após a entrada de Haddad na disputa, mas ainda acredita numa possível reviravolta na primeira volta.

À direita, o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), não teve sucesso com a sua candidatura apesar de contar com o expressivo apoio do “Centrão”, grupo de cinco partidos de centro e centro-direita. Em quarto lugar, Alckmin regista apenas 8% dos votos válidos e vê, pela segunda vez, uma derrota nas presidenciais. A primeira foi em 2006, contra Lula.

Marina Silva (Rede), que procura a presidência pela terceira vez consecutiva, passa pelo seu pior desempenho eleitoral desde 2010. Apesar de ter ganhado impulso no início da campanha, com acenos ao eleitorado feminino contrário a Jair Bolsonaro, a ex-ministra do Meio Ambiente se vê na reta final com apenas 3% dos votos válidos.

Em 2014, Marina chegou ao segundo lugar durante a campanha, com possibilidades de vencer Dilma Rousseff, mas acabou também por murchar após ataques dos adversários e acabou fora da segunda volta.

Há outros oito candidatos, espalhados pelo espectro político brasileiro, incluindo Alvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB) e Cabo Daciolo (Patriota).

Ao todo, 13 candidatos disputam a presidência neste ano. Apesar de tantas opções, mais de 147 milhões de brasileiros vão às urnas neste domingo ainda sem certezas quanto ao futuro político e económico do País.

Em crise, a única certeza para o Brasil é que, independentemente do resultado, a divisão continuará a mostrar-se tão forte quanto em 2014.

Paulo Roberto Netto // JPN / Lusa

 

Artigo publicado no JPN por Paulo Roberto Netto. O autor é jornalista e ex-aluno de mobilidade internacional da Universidade do Porto, onde frequentou Ciências da Comunicação e Línguas e Relações Internacionais. Actualmente, vive em São Paulo, onde é repórter do jornal “O Estado de S. Paulo”.

PARTILHAR

RESPONDER

Mais acidentes, afogamentos e suicídios num mundo mais quente

As temperaturas mais elevadas vão provocar mais acidentes rodoviários, afogamentos, agressões e suicídios, revelou uma nova investigação. Até ao momento, a grande parte das pesquisas em torno das alterações climáticas centrou-se nas mortes por doenças transmitidas …

Jóias de ouro e prata com plástico. Justiça não vê mal nenhum e iliba marca Tous

O processo de investigação aberto à marca TOUS por alegada fraude com jóias de ouro e plástico contendo plástico no seu interior, foi arquivado. A Justiça espanhola entende que, apesar de as jóias conterem plástico, …

Provas do caso Luanda Leaks podem ser nulas em Portugal

A Constituição da República Portuguesa determina que as provas obtidas mediantes violação de correspondência são consideradas nulas. Desta forma, os documentos conseguidos por Rui Pinto no caso Luanda Leaks podem vir a ser nulas aos …

Rui Pinto "tropeçou" nos Luanda Leaks sem querer

Foi quando estava à procura de "segredos do futebol" no âmbito dos Football Leaks que o hacker Rui Pinto "tropeçou" nos documentos que incriminam Isabel dos Santos nos Luanda Leaks. É o seu advogado, o …

Líder do assalto às armas de Tancos libertado

João Paulino estava preso preventivamente desde 28 de setembro de 2018. Esta segunda-feira foi libertado por excesso de prisão preventiva. O ex-fuzileiro João Paulino foi hoje libertado por excesso de prisão preventiva. A notícia foi confirmada …

Investigadores desenvolvem tecnologia que permite datar as impressões digitais

Encontrar as impressões digitais numa cena de crime nem sempre é suficiente para haver condenação, podendo os suspeitos alegar que as mesmas foram deixadas antes de o crime ocorrer. Essa realidade pode estar prestes a …

Coronavírus abala mercados mundiais. Petróleo derrapa mais de 3%

A preocupação com as consequências económicas da propagação do coronavírus na China está a ter um efeito devastador nos mercados. A derrapagem nos mercados acontece numa altura em que o número de mortos pelo surto de …

Prémio Tyler 2020: Defensores de políticas verdes ganham "Nobel do Meio Ambiente"

O Prémio Tyler 2020, também conhecido como o "Nobel do Meio Ambiente", foi atribuído à bióloga Gretchen Daily e ao economista ambiental Pavan Sukhdev, foi hoje anunciado. A bióloga especialista em conservação e o economista são …

Subsídios estão a ser pagos e aumento de 15% no ordenado "não é realista", diz a Ryanair

A Ryanair está a pagar os subsídios de férias e Natal, afirmou hoje um responsável da companhia, salientando que o sindicato dos tripulantes de cabine tenta “forçar” aumentos salariais de 15%, o que “não é …

Tia de Kim Jong-un faz a primeira aparição pública em mais de seis anos

Kim Kyong-hui, tia paterna do líder norte-coreano Kim Jong-un, reapareceu em público este sábado pela primeira vez em mais de seis anos, escreve a BBC. A emissora britânica, que avança a notícia citando a Agência Central …