Bomba que matou 40 crianças no Iémen foi vendida pelos EUA em 2015

A bomba que matou de 40 crianças num autocarro escolar no Iémen, a 9 de agosto, foi fabricada pelos Estados Unidos e vendida à Arábia Saudita em 2015.

De acordo com a CNN, que avança com a notícia, a bomba utilizada tinha 227 quilos, foi guiada por lasers e produzida pela empresa norte-americana Lockheed Martin e posteriorente vendida à Arábia Saudita.

No bombardeamento morreram mais de 11 civis e ficaram feridas 79 pessoas, incluindo 46 crianças. O ataque foi levado a cabo pela coligação liderada pela Arábia Saudita e apoiada pelos Estados Unidos. A coligação definiu o ataque aéreo no norte do Iémen como uma “operação militar legítima“

Através de uma divulgação, Riad disse que o ataque tinha como alvo os lançadores de mísseis que atingiram a cidade saudita de Jizen no dia anterior, a 8 de agosto, matando um civil iemenita. Os sauditas acusaram os houthis, que têm apoio iraniano, de usarem crianças como escudos humanos.

Bernie Sanders, senador dos EUA, já reagiu à notícia, afirmando que é a hora dos Estados Unidos “pararem de apoiar esta guerra catastrófica”. ”

Não podemos dizer que não sabíamos”, prosseguiu, acrescentando que o país deveria “estar a fazer o possível para criar uma resolução pacífica no Iémen e fornecer ajuda humanitária”, acrescentou através do seu Twitter.

Foi durante a Administração de Barack Obama que se bateu o recorde de vendas de armas a Riad, mas em 2016 foi suspensa a venda de armas teleguiadas, depois da explosão de uma bomba num funeral que matou 115 pessoas.

A venda foi retomada pelo executivo Trump em 2017. Das mais de 17 mil vítimas civis no Iémen desde 2015, mais de dez mil foram atingidas por ataques aéreos lançados pela aviação saudita, aponta um relatório da ONU.

Há mais de três anos que o Iémen assiste a uma luta entre o regime sunita e os Houthi, rebeldes xiitas, que controlam uma grande parte do governo do Norte do Iémen.

O governo está no exílio desde 2014 e conta com o apoio da Arábia Saudita. Já os rebeldes xiitas são apoiados pelo Irão. Este conflito é considerado por muitos um pretexto para um medir de forças entre o Irão e a Arábia Saudita.

ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. E?!
    Mas não são vendidas pelos EUA, boa parte das armas que matam inocentes um pouco por todo o mundo?!
    Até parece que o armamento não representa uma fatia importante da economia americana…
    Alem disso, na Arábia Saudita (que “patrocina” vários grupos terroristas), mais de 99% do armamento é Made in USA, portanto até seria estranho que esta bomba não fosse americana!…
    Os 12 mil milhões de euros de armamento que o Trump foi vender A.Saudita, certamente que não são para “dar saude” a ninguém…

    • Até parece que a armas russas e chinesas entre as de outros países não matam ninguém! Até parece que os mais variados grupos terroristas não usam armas de origem russa, a culpa é dos russos!? Foi usada uma bomba comprada a um aliado, que gostemos dele ou não, o que esse aliado faz com esse armamento é com ele, é responsabilidade dele. Se você comprar uma arma para fazer tiro ou se defender é o responsável pelo seu uso e não o fabricante! Neste mundo de estúpidos anda tudo a colocar as questões ao contrário em busca de bodes expiatórios!

      • Ah?!
        A Rússia e China não são para aqui chamados, pois não é uma arma deles que está na foto!…
        Além disso, há o “pequeno” pormenor da Rússia e a China não serem democracias, nem andarem a espalhar “democracia” pelo mundo…
        Sim, sim é um aliado e tal e ninguém tem nada a ver… por isso é que o Bin Laden era saudita e boa parte dos terroristas do 11/Set eram sauditas, grande parte do armamento do Estado Islâmico é americano (entregue pela Arábia Saudita e pelos Emirados), etc, etc…
        Pormenores…

  2. Afinal foram “apenas” 110 mil milhões de dólares em armamento americano vendido no ano passado pelo Tramp à A. Saudita!!

    • É um negócio legitimo. Ou acha que só certos países têm direito a defesa? Quer que os países confiem nos inimigos assumidos? Que anjinho! Deve “esquecer-se” do Irão ali ao lado que ameaça tudo e todos e está presente em todos os conflitos na zona, sendo um inimigo de morte dos sauditas e israelitas!

      • Claro que é legitimo… haja dinheiro e tudo é “legitimo”!…
        Defesa?!
        Mas estas crianças mortas num autocarro escolar do Iémen estavam por em perigo a Arábia Saudita; era?!
        Desconhecia…
        Oh anjinho, a maior ameaça do Médio Oriente é precisamente a Arábia Saudita!!
        Nunca vi o Irão a ameaçar ninguém que não lhes tivesse feito o mesmo antes, nem me lembro de ter visto terroristas iranianos… porque será?!
        Sabe quem está presente em todos os conflitos na região?!
        Pois, adivinhou: são os EUA!!

    • “Foi durante a Administração de Barack Obama que se bateu o recorde de vendas de armas a Riad”. – Mas no final o recorde ainda pertence a Obama…

      De resto, só tenho a comentar que a m*rda das guerras só beneficiam quem lucra com elas. Enquanto houver mentalidades selvagens, existirão guerras…

      • Sim, e?!
        Eu falei nos EUA; o Obama não era presidente dos EUA?
        Mas achei interessante o facto de te “esqueceres” de citar a parte do texto directamente relacionada com a notícia:
        “mas em 2016 foi suspensa a venda de armas teleguiadas, depois da explosão de uma bomba num funeral que matou 115 pessoas.”…

RESPONDER

Novas demissões na Agência de Informações Financeiras do Vaticano

Um membro da entidade de regulação financeira do Estado do Vaticano, Marc Odendall, demitiu-se na sequência de buscas realizadas pela polícia e que originaram na suspensão do organismo do sistema de comunicações global. Marc Odendall, banqueiro …

Governo e Liga de clubes discutem redução do IVA para espetáculos desportivos

Secretário de Estado do Desporto afirma querer ouvir as reivindicações do organismo, mas sem se comprometer. O secretário de Estado da Juventude e do Desporto anunciou ontem que vai reunir-se com representantes da Liga Portuguesa de …

Tufão obriga a retirada de cerca de cinco mil pessoas do norte das Filipinas

Cerca de cinco mil pessoas foram retiradas do norte das Filipinas devido à aproximação do tufão Kalamaegi, que deverá tocar terra na província de Cagayan nas próximas horas, disseram esta terça-feira as autoridades locais. "Estamos preparados …

Acabaram-se as trotinetas no Algarve. Duraram 10 meses

A vereadora considera, no entanto, que a experiência foi “positiva”, já que permitiu recolher dados de mobilidade, nomeadamente, da utilização destas soluções em pequenos trajetos, ao mesmo tempo que colocou a questão na agenda pública. Sophie …

EasyJet diz que será a primeira a alcançar a neutralidade carbónica na aviação

A companhia aérea britânica easyJet afirmou esta terça-feira que será a primeira no mundo a alcançar a neutralidade carbónica através das compensações. Num comunicado publicado no seu site oficial, a companhia low cost anuncia ainda um …

Número de pré-avisos de greve até outubro é o mais alto dos últimos quatro anos

O número de pré-avisos de greve até outubro foi o mais alto dos últimos quatro anos, totalizando 781, segundo dados da Direção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT). Entre janeiro e outubro deste …

Na Índia, já há "bares de oxigénio" para quem quiser respirar ar puro

A Índia é um dos países mais contaminado do mundo. Desde o final de outubro, a poluição alcançou um nível crítico devido à queimada de restolhos nos campos. Agora, há uma solução arrojada para que os …

Depois do Papão Harrison, o novo exame foi "duro" (e muitos jovens médicos já pensam em emigrar)

Foram quatro horas de exame, com 150 perguntas, na temida Prova Nacional de Acesso para a Formação Especializada em Medicina e muitos dos jovens médicos não conseguiram concluí-la. Os que temem não conseguir aceder à …

Situação trágica. "Veneza está a desaparecer"

A situação em Veneza é trágica, com 85% da cidade italiana inundada depois das piores cheias dos últimos anos. Mas estas inundações são apenas um alerta para o que pode vir a seguir, já que …

Documentos internos do governo chinês revelam plano "sem piedade" contra muçulmanos

O jornal norte-americano New York Times recebeu 403 páginas de documentos internos do governo chinês relacionados com a limpeza étnica na província de Xinjiang. Nesta província, foram criados mais de 500 campos de concentração onde uigures, …