Bolsonaro diz ter acabado com a Lava Jato por não haver corrupção no Governo

Isac Nóbrega / PR

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, com o ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro

O Presidente do Brasil afirmou, esta quarta-feira, que acabou com a operação Lava Jato por já não existir corrupção no Governo para ser investigada.

“É um orgulho, é uma satisfação que tenho, dizer a essa imprensa maravilhosa que eu não quero acabar com a Lava Jato. Eu acabei com a Lava Jato porque não há mais corrupção no Governo”, afirmou Jair Bolsonaro, numa cerimónia sobre medidas para a aviação civil, realizada no Palácio do Planalto, em Brasília.

Sei que isso não é virtude, é obrigação. Nós fazemos um Governo de peito aberto. Quando eu indico qualquer pessoa para qualquer local, eu sei que é uma boa pessoa, tendo em vista a quantidade de críticas que ela recebe em grande parte dos media”, acrescentou o chefe de Estado, cuja gestão tem sido marcada por ataques à imprensa.

As declarações de Bolsonaro surgiram depois de ser criticado por tomar decisões que alegadamente vão contra os defensores da Lava Jato como, por exemplo, a nomeação para o Supremo Tribunal Federal (STF) de Kassio Nunes, juiz que supostamente apoiará os magistrados que habitualmente impõem derrotas àquela que é a maior operação anti-corrupção do Brasil.

Durante a campanha eleitoral, em 2018, Bolsonaro teceu vários elogios à Lava Jato e nomeou Sergio Moro, reconhecido internacionalmente por atuar como juiz na operação, como ministro da Justiça.

Contudo, Moro acabou por pedir a demissão do Executivo em abril, depois de ter acusado o Presidente brasileiro de tentar interferir na autonomia da Polícia Federal, situação que é agora investigada pelo próprio STF.

As declarações de Bolsonaro surgem ainda num momento em que se debate o possível fim dos grupos de trabalho da Lava Jato, através de um projeto de unificação de combate à corrupção no país, que promete ser neutro e livre de ideologias. A conduta da Lava Jato já foi colocada em causa várias vezes, especialmente desde junho do ano passado, num escândalo conhecido como “Vaza Jato”.

Na ocasião, o portal The Intercept Brasil e outros meios da comunicação social começaram a divulgar reportagens baseadas em informações obtidas de uma fonte não identificada, de acordo com as quais o ex-ministro da Justiça terá orientado os procuradores, indicado linhas de investigação e adiantado decisões quando, na altura, era o magistrado responsável por analisar os processos do caso em primeira instância.

Lançada em 2014, a Operação Lava Jato trouxe a público um enorme esquema de corrupção de empresas públicas, como a Petrobras, implicando dezenas de altos responsáveis políticos e económicos. Muitos deles foram detidos e condenados, como o antigo Presidente brasileiro, Lula da Silva, que se encontra atualmente em liberdade condicional.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Peça que terá sido usada no batismo de D.Maria II está à venda. Estado não a compra por ser demasiado cara

Há uma semana que está à venda uma peça que pertenceu à coroa portuguesa. Terá pertencido à família real depois do Terramoto de 1755 e, de acordo com o antiquário que agora a comercializa, terá …

"Dupla pancada". Vítimas de violência doméstica são deixadas ao abandono sem indemnização

Mais de 80% das vítimas de violência doméstica, a maioria mulheres, não recebem indemnizações, nem dos agressores nem do Estado. Se as vítimas não tiverem sofrido uma incapacidade para o trabalho por um período igual ou …

Ministério Público declara ilegal eleição de André Ventura

Ministério Público invalidou a mudança nos estatutos do Chega, incluindo a eleição direta de André Ventura. O líder do partido admite um novo congresso. No início do mês, o Ministério Público (MP) pediu ao Tribunal Constitucional …

Ministra dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos demite-se por causa do Afeganistão

Sigrid Kaag demitiu-se do seu cargo de ministra dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos, depois de o Parlamento considerar que o Governo fez uma má gestão da retirada de cidadãos do Afeganistão. A ministra dos Negócios …

Rio "atirou" Costa aos macacos e pediu aos eleitores que "penalizem" o descaramento do PS

Rui Rio afirma nunca ter visto um "desplante" semelhante ao do PS no que respeita a promessas eleitorais como o que está a acontecer na atual campanha para as autárquicas. Mais um dia, mais uma capelinha. …

Boris quer destronar Thatcher com mais uma década no poder

Há quem acredite que o atual primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, quer bater o recorde de Margaret Thatcher, que exerceu o cargo de 1979 a 1990. Um membro do Governo britânico terá dito ao The Times que …

Itália passa a exigir certificado verde a todos os trabalhadores

Medida é das mais restritivas atualmente em vigor no mundo inteiro, já que todos os regimes de obrigatoriedade que vigoram atualmente aplicam-se sobretudo a profissionais do setor da saúde. A partir de 15 de outubro, itália …

Com receio de que violência negacionista possa escalar, PSP reforça segurança pessoal de políticos

As forças de segurança temem que a violência negacionista aumente e o movimento atraia pessoas desequilibradas. No passado sábado, vários negacionistas, reunidos em mais uma manifestação, desta vez com o mote “Pelas nossas crianças – Rumo …

Promessa eleitoral de Costa em Coimbra arranca um aviso da CNE. Rio ficou "chocado"

António Costa tem estado activo na campanha eleitoral, ao lado dos candidatos do PS às autárquicas, e até sacou da cartola uma maternidade em Coimbra. Uma promessa que deixou Rui Rio "chocado" e que leva …

O voto que dá que falar. "Não há um centímetro quadrado de Portugal que seja indigno" do Constitucional

Três juízes do Tribunal Constitucional contestaram o parecer dos seus pares que considera "desprestigiante" a mudança deste órgão de Lisboa para Coimbra, mas é o voto contra de Mariana Canotilho que dá que falar, uma …