Biden revelou impostos de 2019 antes do debate. Pagou mais 200 mil dólares do que Trump

patquinnforillinois / Flickr

Joe Biden, antigo vice-Presidente dos EUA e candidato à presidência nas eleições de 2020

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, divulgou na terça-feira a sua declaração de impostos de 2019, horas antes do seu primeiro debate televisivo contra o republicano Donald Trump, que se viu envolvido numa polémica fiscal.

A decisão de revelar a declaração de impostos surge depois de se saber que Donald Trump pagou cerca de 750 dólares de impostos no ano em que foi eleito, e no ano a seguir.

Numa série de artigos, o jornal The New York Times revelou esta semana que Donald Trump não pagou impostos na maior parte dos últimos anos, devido a perdas colossais nos seus negócios que o atual Presidente nega, embora se tenha recusado a divulgar as suas declarações fiscais desde que chegou à Casa Branca.

Horas antes do primeiro de três debates televisivos, Kate Bedingfield, diretora de campanha do candidato democrata, revelou a declaração de impostos de 2019 do casal Biden, lembrando que há 22 anos que a situação fiscal deles é pública.

Os documentos mostram que Biden pagou quase 288 mil dólares (245 mil euros) em contribuições fiscais, sendo que o candidato e a esposa, Jill, declararam rendimentos brutos de 985 mil dólares (839 mil euros).

Esta não é a primeira declaração fiscal que o casal Biden tornou pública. Em 2016, pagaram 91 mil dólares (77 mil euros) sobre os rendimentos, ano em que declararam rendimentos de 396 mil dólares (337 mil euros).

Em declarações ao The New York Times, Bedingfield referiu que a atitude de Biden “é um nível histórico de transparência, destinado a dar a confiança ao povo americano de que os seus líderes estão a olhar por eles, e não pelas suas próprias finanças”.

Também a candidata a vice-Presidente pelo Partido Democrata, Kamala Harris, e o seu marido, Douglas Emhoff, divulgaram a sua declaração de impostos de 2019, justificando o gesto com a necessidade de os eleitores norte-americanos conhecerem quanto pagam ao Departamento de Tesouro dos EUA.

Uma investigação do The New York Times revelou que Donald Trump pagou apenas 750 dólares (menos de 700 euros) em impostos, em 2016 e 2017, e que não pagou qualquer valor em 11 dos últimos 18 anos, alegadamente por causa de perdas elevadas na operação dos seus negócios.

Os advogados de Trump recusam mostrar as declarações fiscais do Presidente, nomeadamente a procuradores que já as pediram no âmbito de diversas investigações criminais.

Durante o debate para a corrida presidencial, Donald Trump afirmou que pagou os impostos federais, sem especificar os montantes nem se comprometer a divulgar a sua declaração de impostos. “Paguei milhões em impostos sobre o rendimento”, garantiu o presidente dos EUA.

“Vocês vão ver”, disse Trump, sobre as declarações de impostos que até agora não divulgou porque, segundo diz, estão sob auditoria. Ainda assim, Donald Trump não se comprometeu, a revelar as suas declarações de impostos.

Contudo, o candidato republicano à Casa Branca considerou, que tal como qualquer cidadão, “não quer pagar impostos” e procura todas as formas de dedução para reduzir o que paga.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

FBI detém funcionário de Donald Trump pela invasão ao Capitólio

O Departamento Federal de Investigação (FBI) deteve na quinta-feira um funcionário do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump pela invasão ao Capitólio a 6 de janeiro, noticiaram os media norte-americanos. Trata-se de Federico Klein, um homem …

Bebidas, fatos e centro "fantasma". Presidência portuguesa da UE debaixo de fogo após gastos "incomuns"

A presidência portuguesa do Conselho Europeu está no olho do furacão depois de uma reportagem que evidencia as "despesas incomuns" com bebidas, fatos e um centro de imprensa "fantasma", em contratos que custaram "centenas de …

Padres, provedores e autarcas. MP investiga casos de vacinação indevida

A investigação do Ministério Público (MP) e da Polícia Judiciária (PJ) conta já com 33 casos suspeitos de vacinação indevida, estendendo-se a padres, provedores de misericórdias, administradores hospitalares e autarcas. Desde o início da campanha da …

Atrasos na vacina da Pfizer condicionam vacinação de doentes de risco entre os 65 e os 79

A vacinação de doentes de risco entre 65 e os 79 anos está condicionada pela chegada de mais vacinas da Pfizer. Na união Europeia, Portugal é o quinto país com a percentagem mais elevada de doses …

Há uma geringonça (sem Bloco) a discutir quinzenalmente a execução orçamental

No ano passado, a abstenção do PCP de um empurrão na aprovação do Orçamento do Estado. O partido de Jerónimo de Sousa não desiste de exercer influência e de se consolidar como parceiro do Governo, …

Um jogo tem hora e meia, mas em Portugal só se jogam, em média, 49 minutos

Esta época, em média, o tempo útil de jogo na primeira divisão portuguesa é de apenas 49,26 minutos. Os árbitros são bodes expiatórios deste registo. Dizem as regras do futebol que um jogo tem 90 minutos, …

Governo não tem "qualquer intenção de nacionalizar a Groundforce"

O ministro das Infraestruturas garantiu, esta quinta-feira, que "o Governo não tem qualquer intenção de nacionalizar a Groundforce", dizendo acreditar que "o acionista privado vai compreender" que tem de dar garantias à TAP para receber …

Marcelo cria nova equipa em Belém para controlar "bazuca" europeia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, criou uma equipa para manter uma vigilância apertada sobre a gestão do dinheiro que chega da "bazuca" europeia. Marcelo Rebelo de Sousa criou uma nova equipa para a …

Jogador mais caro da história do FC Porto vai reforçar o Portimonense

O FC Porto pagou 20 milhões de euros por Giannelli Imbula em 2015. O médio franco-congolês prepara-se agora para assinar pelo Portimonense como jogador livre. Giannelli Imbula está esta sexta-feira em Portimão para assinar contrato com …

Medina, ameaçado pela união das direitas, segura-se ao voto útil para ganhar Lisboa

Fernando Medina tem um duro desafio pela frente, depois de a direita ter dado as mãos em Lisboa, numa megacoligação encabeçada por Carlos Moedas. O socialista Fernando Medina está a ser ameaçado pela união da direita, …