Bebés mais velhos são mais fofos do que os recém-nascidos (e isso é cruel)

Apesar do que as mãe possam dizer, os bebés recém-nascidos são realmente menos fofos do que os bebés um pouco mais velhos – e isso pode ter uma explicação evolutiva bastante cruel. Pelo menos é o que diz uma pesquisa feita pela Universidade de Brock, no Canadá.

Segundo o estudo, publicado em fevereiro na revista Evolution & Human Behavior, os adultos acham os rostos dos bebés mais bonitos a partir dos seis meses. Por isso, os pais que não achem os filhos recém-nascidos muito bonitos, não precisam de entrar em desespero.

“Queremos dizer aos pais que se não criarem laços instantaneamente com este bebé como imaginaram, isso é normal. O vínculo constrói-se e cresce ao longo do tempo”, explica Tony Volk, professor de Estudos de Crianças e Jovens da universidade.

O estudo foi tão simples quanto um estudo que analisa a beleza de bebés pode ser: os cientistas Volk e Irisa Wong mostraram 142 fotografias de 18 bebés aos participantes. Algumas imagens foram tiradas pouco depois do nascimento, com três meses de idade e outras ainda com seis meses de idade.

Os investigadores perguntaram aos participantes quão dispostos estariam a adotar os bebés com base nas perceções sobre coisas como a fofura e a felicidade das crianças.

Os cientistas dizem que os adultos classificaram os recém-nascidos como os menos atraentes e os bebés de seis meses apresentaram classificações mais altas em todas as pistas faciais.

O estudo, intitulado “Os rostos dos recém-nascidos são menos atraentes?”, mostra que há uma tendência diferente daquela que os investigadores acreditavam anteriormente. “IFoi interessante, porque geralmente pensamos que quanto mais novas, mais fofas são as crianças”, diz Franklin, autora principal do estudo.

Desapego necessário

Os bebês, sejam humanos ou não, possuem certos traços físicos que os adultos consideram “fofos”. Em bebés humanos, estes traços incluem olhos grandes, bochechas gordinhas, sorrisos grandes e aqueles ruídos bonitinhos que só os bebés sabem fazer.

Pesquisas que remetem à década de 1940 teorizaram que a fofura de um bebé pode ter sido um importante aspeto evolutivo, pois criaria, nos adultos, comportamentos cuidadosos, garantindo a sobrevivência infantil.

Mas se fosse esse o caso, os bebés recém-nascidos deveriam ser vistos como os mais fofos de todos, pois são os mais vulneráveis ​​e precisam de mais proteção e cuidado, diz Volk.

Inicialmente, ele e a sua equipa de pesquisa ficaram intrigados com a descoberta de que a perceção dos adultos sobre a fofura se intensifica seis meses depois dos bebés nascerem. “Começámos a perguntar por que haveria esse pico específico”, explica.

A teoria é que este “atraso” na fofura é resultado da falta de apego necessário aos humanos em relação aos bebés no passado.

Aos seis meses de idade, os bebés sobrevivem mais frequentemente a doenças do que os bebés mais novos. Outros estudos e relatórios em todo o mundo mostram que a maioria dos infanticídios ou abandonos ocorrem nas primeiras semanas de vida. Volk diz que este atraso na perceção é uma adaptação adulta que pode ser uma sobra dos tempos evolutivos, quando os recursos eram escassos e as doenças infantis eram mortais.

“Caçadores-coletores que já tinham um filho em amamentação não podiam cuidar de dois filhos ao mesmo tempo. Se fosse uma mãe camponesa na Inglaterra medieval e só tivesse comida suficiente para uma criança e tivesse outra, ambas provavelmente morreriam, por isso era melhor ter apenas uma criança. Estas são decisões difíceis com que os humanos lidaram por milhares de anos”, aponta o cientista.

“Um atraso no apego torna essas perdas precoces mais fáceis de lidar“, sugere.

Os cientistas acreditam ainda que podem haver outros dois fatores possíveis para o atraso na ligação entre o bebé e os seus pais.

Um deles é que pode levar até um mês para que os bebés desenvolvam a capacidade de sorrir conscientemente por felicidade. Outro, que os pais podem notar semelhanças entre si mesmos e os bebés apenas após alguns meses de idade, o que aumentaria a ligação entre as partes.

E esta ligação também pode depender dos bebés. Pesquisas anteriores já mostraram que os bebés desenvolvem uma preferência por um cuidador específico e experimentam “ansiedade de separação” quando estão longe dessa pessoa quando têm cerca de sete meses.

Formas de vínculo com recém-nascidos podem incluir massagem infantil, passar muito tempo com o bebé e manter um contacto pele a pele.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

"Era como se a morte estivesse num copo." No século XVIII, o gin estava a arruinar a Inglaterra

A bebida alcoólica tornou-se tão popular no Reino Unido que os empresários começaram a utilizar todo o tipo de aditivos para enriquecerem. No século XVIII, o gin tornou-se a maior droga que o homem poderia consumir …

Vacinar animais contra a covid-19? Dezenas de zoos nos EUA estão a avançar com a ideia

Cerca de 70 jardins zoológicos e espaços de conservação nos Estados Unidos estão a administrar a vacina da farmcêutica veterinária Zoetis aos seus animais. Não são só os humanos que estão a ser vacinados contra a …

Lewis Hamilton: "Eu não disse que estava a morrer"

Acidente com Max Verstappen originou dores no campeão; Helmut Marko disse que já era "espectáculo" a mais. Troca de palavras entre os dois candidatos ao título. Como se esperava, o acidente que envolveu Lewis Hamilton e …

Autorretrato de Frida Kahlo deverá ser vendido por um valor recorde de 30 milhões de dólares

A Sotheby’s espera ultrapassar os 30 milhões de dólares (mais de 25 milhões de euros) com o autorretrato da pintora mexicana Frida Kahlo, no qual aparece também o seu marido Diego Rivera. O autorretrato Diego y …

David Luiz: "Um dos dias mais especiais da minha vida" - e ainda se fala sobre Jorge Jesus

Flamengo ficou mais próximo de mais uma final da Libertadores, depois de derrotar o Barcelona de Guayaquil. David Luiz estreou-se. O Flamengo venceu o Barcelona de Guayaquil por 2-0, na primeira "mão" das meias-finais da Copa …

Iémen. Escassez de alimentos empurra 16 milhões de pessoas para a fome, revela ONU

Pelo menos 5 milhões de pessoas no Iémen estão à beira da fome e outros 16 milhões estão "a caminhar para a fome", num país dilacerado pela guerra civil. O Programa Mundial de Alimentos (WFP, na …

Presidente da Tunísia governará por decreto, ignorando partes da constituição

O Presidente da Tunísia, Kais Saied, declarou que governará por decreto e ignorará partes da constituição, enquanto se prepara para mudar o sistema político, gerando críticas imediatas da oposição. Desde 25 de julho, dia em que …

Alemanha deixa de pagar quarentena a trabalhadores não vacinados

A Alemanha vai deixar de indemnizar trabalhadores não vacinados que forem forçados a quarentena devido ao coronavírus, por ser "injusto pedir aos contribuintes que subsidiem aqueles que se recusam a ser vacinados", disse na quarta-feira …

Governo acaba com recomendação do teletrabalho

O Conselho de Ministros decidiu acabar com a recomendação da opção pelo teletrabalho e eliminar a testagem em locais de trabalho com mais de 150 trabalhadores. Estas medidas integram a terceira e última fase do plano …

Cansado de denúncias, Betis pede aos seus sócios: "Portem-se bem"

Clube onde jogam dois portugueses quer que os adeptos tenham um "comportamento adequado" durante os jogos no Benito Villamarín. O Betis de Sevilha jogou seis vezes até agora, nesta época. Quatro desses encontros foram disputados em …