BdP “não podia ter feito muito mais do que fez” no BES, diz ex-diretor da supervisão

O ex-diretor de supervisão do Banco de Portugal (BdP), Vasco Pereira, que exerceu funções entre 2011 e 2013, disse esta terça-feira que a administração do supervisor tinha conhecimento dos riscos associados ao BES/GES, mesmo sem a nota que foi acusado de reter.

“Seguramente” que a exposição do BES ao BES Angola foram um “indício” que foi “acompanhado” e “analisado” pelo BdP, mas “em termos de supervisão consolidada, as linhas de crédito do BES nacional ao BES Angola não eram uma preocupação”, indicou à comissão de inquérito parlamentar que analisa as perdas no Novo Banco.

Citado pelo Observador, referiu que os riscos de exposição do BES à complexidade do GES “eram do conhecimento da administração”, declaração feita após o ex-vice-governador Pedro Duarte Neves ter dito que Vasco Pereira teria retido uma nota sobre essa matéria, não a enviando à administração.

“A supervisão é, muito, um processo de avaliação dos riscos que tem de ser abrangente, olhar para todos os riscos de cada instituição. Em função disso, avaliar se a situação de capital do banco é ou não suficiente para cobrir esses riscos”, apontou Vasco Pereira.

Neste caso, continuou, “na medida em que os riscos tomados pelo BES Angola estivessem devidamente a ser considerados, o problema do financiamento do BES Lisboa a Angola não era um problema específico. No máximo, seria um indício de uma atividade que se estava a desenvolver e pouco suportada na captação de recursos internos (depósitos em Angola) e muito em recursos vindos do exterior (seja da casa-mãe ou do mercado internacional)”.

Essas práticas poderiam indicar “que o BESA tinha poucos depósitos e tinha aplicações, em crédito na sua maior parte, de algum vulto em Angola. Desde que o risco dessas aplicações estivesse devidamente avaliado na atividade do BESA, não era um problema. E a perspetiva que era dada era essa”, sublinhou.

Mário Cruz / Lusa

Vasco Pereira apontou que a questão da exposição do BES às áreas não-financeiras do GES “era talvez a preocupação principal da supervisão no momento em que” chegou ao departamento. Isso “não só se traduzia na necessidade de obter informação sobre essas entidades não-financeiras mas, sobretudo, através do instrumento do limite aos grandes riscos. Esse era o instrumento que havia para limitar essa exposição”, esclareceu.

O responsável garantiu que o BdP pressionou o BES para reduzir o excesso de exposição a grandes riscos, mas não sabe se a redução aconteceu na realidade, acrescentando que “a complexidade do Grupo Espírito Santo tornava-se difícil analisar”.

“A partir de 2012 conseguiu-se que o Grupo simplificasse a sua estrutura. No momento em que eu saí esse processo estava em curso”, afirmou, reconhecendo que o BdP tinha dificuldade em identificar os acionistas reais do grupo, embora tenha “procurado saber”.

“A administração estava ciente destas questões”

“A nossa convicção é que havia informação que podia ser relevante para a supervisão e nós não a estávamos a ter”, reconheceu. “Neste momento é relativamente fácil dizer que devíamos ter feito mais, mas com a informação e com os instrumentos que tínhamos na altura não me parece que” o BdP “tivesse possibilidade de fazer muito mais do que fez”.

“Isto é um processo que não acontece de um dia para o outro, isto é como um processo de investigação criminal, leva tempo”, disse. “Apesar de ter havido este incidente grave, não se pode dizer que a supervisão falhou. Isso é como dizer que a polícia de trânsito é ineficaz porque houve um acidente”, notou.

Quanto à nota, afirmou que esta “nota não ficou retida” e que “não tinha de ter seguimento para a administração. Eu não me recordo da nota, mas se o que apontava era para mudar a sede da Espírito Santo Financial Group mudasse a sede do Luxemburgo para Lisboa, isso correspondia apenas a um desejo, não era uma proposta viável – portanto o seguimento não podia ser dado por aí, tinha de ser por outra via”.

Taísa Pagno //

PARTILHAR

RESPONDER

Cabrita admite apuramento de responsabilidades para elementos do Movimento Zero

O ministro da Administração Interna admitiu esta terça-feira que estão a ser apuradas responsabilidades em relação ao comportamento de alguns elementos das forças de segurança na manifestação do Movimento Zero realizada na segunda-feira em Lisboa. “Estou …

Merkel critica governo português por abrir portas a britânicos (e usa Portugal como exemplo da descoordenação na UE)

A chanceler alemã, Angela Merkel, criticou esta terça-feira a falta de regras comuns na União Europeia (UE) relativamente às viagens, dando como exemplo a situação de aumento dos contágios em Portugal, que a seu ver …

Covid-19. Sequelas em pessoas que eram saudáveis levaram ao transplante pulmonar

O cirurgião cardiotorácico José Fragata alertou esta terça-feira para as sequelas da covid-19 que já se começam a sentir nos pulmões de alguns doentes que ficaram semelhantes aos portadores de fibrose quística e a exigir …

PRR. Nome de Vítor Caldeira na mesa para presidir à Comissão de Auditoria e Controlo

O inspetor-geral de Finanças vai presidir à Comissão de Auditoria e Controlo (CAC) que acompanhará a implementação do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e que deverá, também, integrar o ex-presidente do Tribunal de Contas …

Altice Portugal avança "nas próximas semanas" com despedimento coletivo

A Altice Portugal confirmou esta terça-feira à Lusa que vai dar início, "nas próximas semanas", a um processo de rescisões de contratos de trabalho através de despedimento coletivo, no âmbito do Plano Integrado de Reorganização, …

BE e PAN criticam "falta de liberdade de expressão" no Porto

As deputadas do Bloco de Esquerda e do PAN na Assembleia Municipal do Porto criticaram a “falta de liberdade de expressão” na cidade, depois de dois grafitis terem sido “apagados pelos serviços da autarquia”. “Soubemos que …

Marcelo pede aos jovens que facilitem vacinação em "corrida contrarrelógio"

O Presidente da República fez esta terça-feira um apelo aos jovens para que não deixem de se vacinar e adequem a habitual mobilidade no período do verão para facilitar um processo de vacinação em "corrida …

“Nenhum país está preparado para um evento da magnitude de Pedrógão Grande", diz Comissão Técnica Independente

O engenheiro António Salgueiro, da Comissão Técnica Independente (CTI) que avaliou os incêndios na Região Centro em junho de 2017, afirmou esta terça-feira que nenhum país está preparado para a magnitude do fogo de Pedrógão …

Escócia também adia desconfinamento para julho

A Escócia também decidiu adiar o desconfinamento por várias semanas, tal como Inglaterra, devido ao agravamento da pandemia no Reino Unido, que registou 27 mortes e 11.625 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas. Inicialmente …

Países do Golfo continuarão dependentes do petróleo por mais uma década

Um estudo da agência de notação financeira Moody's revelou que os países exportadores de petróleo do Golfo vão continuar dependentes da produção de hidrocarbonetos pelo menos na próxima década. Segundo o estudo, citado pela agência Reuters, …