Banco de Portugal revê em alta crescimento do PIB para 2016 mas em baixa para 2017

(dr) Banco de Portugal

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal

O Banco de Portugal reviu ligeiramente em alta a projeção de crescimento para 2016, para 1,2%, mas piorou a do próximo ano, para 1,4%, estimando uma taxa de crescimento para 2017 mais pessimista do que a do Governo.

No Boletim Económico de dezembro hoje publicado, o Banco de Portugal atualizou as suas projeções de crescimento para a economia portuguesa para os anos de 2016 a 2019 e espera agora que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 1,2% este ano, ligeiramente acima dos 1,1% antecipados em outubro, numa altura em que não foram apresentadas previsões para os anos seguintes.

Para o próximo ano, e já depois de conhecer o Orçamento do Estado para 2017, a instituição liderada por Carlos Costa prevê um crescimento de 1,4%, uma projeção mais pessimista do que os 1,6% antecipados no boletim de junho.

Para 2018, o banco central continua a esperar um crescimento de 1,5% e para 2019 é esperado um crescimento também de 1,5%.

No relatório que acompanha o OE2017, o Governo estimou que o PIB aumente 1,2% este ano, uma previsão em linha com a divulgada agora pelo Banco de Portugal.

O executivo socialista de António Costa espera que o ritmo de crescimento económico acelere em 2017, para os 1,5%, apontando para um crescimento ligeiramente acima da projeção do banco central (de 1,4%).

Tendo em conta estes números, o Banco de Portugal afirma que, até 2019, “a economia portuguesa deverá manter a trajetória de recuperação moderada que tem caracterizado os anos mais recentes” e sublinha que a estabilização do crescimento nos 1,5% em 2018 e em 2019 implica que “o PIB atinja [nessa altura] um nível idêntico ao registado em 2008”.

Assim, para os anos de 2017 a 2019, “o crescimento do PIB deverá ser próximo, embora inferior, ao projetado para a área do euro”, uma situação que não será suficiente para reverter o diferencial negativo acumulado entre 2010 e 2013.

O Banco de Portugal argumenta que “esta ausência de convergência real face à área do euro reflete a persistência de constrangimentos estruturais ao crescimento da economia portuguesa”, considerando que “assumem uma relevância especial” fatores como “os elevados níveis de endividamento dos setores público e privado, uma evolução demográfica desfavorável e a persistência de ineficiências nos mercados do trabalho e do produto que requerem a continuação do processo de reformas estruturais”.

O banco central antecipa que “a procura externa deverá acelerar ao longo do horizonte de projeção, embora com um dinamismo inferior ao observado no período anterior à crise financeira internacional” e estima também que as condições monetárias e financeiras “deverão manter-se globalmente acomodatícias”, ao mesmo tempo que o preço das matérias-primas “deverá inverter no horizonte de projeção a trajetória de queda dos anos recentes”.

Assim, a instituição considera que há um “enquadramento globalmente favorável” e que, durante este período, as exportações de bens e serviços deverão registar “um dinamismo superior ao da procura externa, tal como observado nos últimos anos”, sendo “a componente da procura global com maior contributo para o crescimento da atividade”.

Para todos os anos considerados, o banco central admite que as exportações líquidas de importações serão o principal contributo para o crescimento de Portugal, mantendo-se com um contributo de 0,8 a 0,9 pontos percentuais até 2019, período em que o contributo da procura interna para o aumento do produto oscilará entre os 0,4 e os 0,6 pontos percentuais.

O Banco de Portugal espera também que este “maior dinamismo da economia portuguesa” em relação a 2016 seja “sustentado por uma aceleração da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), baseada numa recuperação do investimento empresarial”, antecipando, por outro lado, que o consumo privado desacelere face ao observado nos anos mais recentes.

O consumo privado deverá registar um crescimento “ligeiramente inferior” ao do PIB, crescendo entre 1,3% e 1,4% nos anos de 2017 a 2019, o que implica que, no último ano da projeção, ficará num nível “marginalmente acima do registado em 2008”.

Quanto ao mercado de trabalho, espera-se que haja uma “recuperação gradual”, projetando-se “a continuação do crescimento do emprego, embora a um ritmo progressivamente mais moderado, e a manutenção da trajetória descendente da taxa de desemprego, que o Banco de Portugal prevê que seja de 11% da população ativa este ano, de 10,1% no próximo e que caia progressivamente nos anos seguintes, atingindo os 8,5% em 2019.

Relativamente à inflação, o banco central antecipa que se verifique um aumento do Índice Harmonizado dos Preços no Consumidor (IHPC) nos próximos anos, passando os 0,8% este ano para os 1,5% em 2019.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Parecem revisões da treta…
    Mais uma décima menos uma décima, para aparecerem na fotografia, quando uma décima no crescimento é tão difícil de prever como acertar no totobola.
    Se fosse um processo científico e credível, não teríamos valores diferentes no BP, INEM, BCE, FMI, UE e agências de rating.
    Basta uma ligeira alteração no preço do crude, ou uma política de importações de Trump, para as previsões irem todas para o lixo.
    E nesse caso a resposta das instituições é sempre igual: “afinal eram previsões”….

RESPONDER

Catarina Martins desvaloriza críticas internas. BE "é o partido mais plural da sociedade portuguesa"

Catarina Martins disse ser natural que sejam apresentadas várias moções à convenção do partido. Alguns membros apontam falta de debate interno, críticas relativizadas pela coordenadora. Catarina Martins considerou natural que se apresentem várias moções à convenção …

Homens e mulheres já podem entrar juntos em restaurantes na Arábia Saudita

A Arábia Saudita acabou com a exigência de entradas separadas em restaurantes para homens e mulheres e com a separação entre sexos à mesa. Até agora era obrigatório ter uma entrada para famílias e mulheres …

Exército japonês pediu uma escrava sexual para cada 70 soldados na II Guerra Mundial

Durante a Segunda Guerra Mundial, o exército do Japão pediu ao Governo que fornecesse uma escrava sexual para cada 70 soldados, de acordo com documentos históricos analisados pela agência de notícias nipónica Kyodo News. Os 23 …

Centeno apresenta linhas gerais do Orçamento aos partidos na terça-feira

Mário Centeno apresenta aos partidos, esta terça-feira, as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado. Só o Livre fica de fora por "impedimento de agenda". O Governo apresenta amanhã, dia 10 de dezembro, as linhas …

Amianto. Fenprof vai apresentar queixa em Bruxelas

A Fenprof acusa o Governo português de não cumprir a diretiva comunitária que impõe a retirada de amianto de edifícios públicos, incluindo escolas. A Federação Nacional de Professores (Fenprof) vai apresentar uma queixa à Comissão Europeia …

Luís Maximiano: "Battaglia levou com o garrafão de água e o Misic com um cinto na cara"

O guarda-redes do Sporting disse esta segunda-feira que ficou “bloqueado e sem reação” durante o ataque à Academia de Alcochete, descrevendo as agressões aos colegas de equipa, após a entrada no balneário de mais de …

Peritos da Ordem admitem práticas ilícitas na venda de produtos no BES e Banif

Os peritos da Ordem dos Advogados que analisaram as reclamações de lesados do BES e do Banif disseram esta segunda-feira aos jornalistas que encontraram indícios de práticas ilícitas na venda de produtos financeiros por aqueles …

Já há rascunho do acordo da COP25 (mas nada está ainda totalmente fechado)

Esta segunda-feira arranca a semana decisiva, depois de uma semana de trabalho técnico ara definir as linhas que vão dar origem ao documento final da 25.ª Convenção das Partes (COP25) da Convenção-Quadro das Nações Unidas …

Novos escalões de IRS só serão criados "a meio da legislatura"

Esta segunda-feira, o Governo disse aos parceiros sociais que só deverão acontecer "mexidas no IRS", nomeadamente a criação de novos escalões, a meio desta legislatura. O Governo de António Costa confirmou aos parceiros sociais que a …

Navios em Portugal poluem tanto quanto as oito cidades com mais carros

O transporte marítimo deve integrar o regime de comércio de licenças de emissão da União Europeia (UE), defendeu, esta segunda-feira, a associação ambientalista ZERO, exigindo limites de emissão de dióxido de carbono (CO2) para navios …