As bactérias contradizem Darwin: a mais apta não sobrevive

(cc) NIAID

Bactérias E.coli vistas ao microscópio eletrónico

Uma recente investigação levada a cabo pela Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, revela que, no que diz respeito às bactérias, a “sobrevivência das mais cooperativas” excede a “sobrevivência das mais fortes”.

As bactérias são capazes de sacrificar algumas das suas propriedades se isso beneficiar a comunidade bacteriana. Esta é a descoberta de uma recente investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, e um importante passo para a compreensão das interações completas das bactérias.

Além disso, os cientistas destacam a importância deste estudo no desenvolvimento de novos modelos de tratamento para uma ampla gama de doenças humanas e novas tecnologias ecológicas.

No fundo, segundo este estudo cujo artigo científico foi publicado no ISME Journal, as bactérias preferem unir-se contra as ameaças externas, como antibióticos, em vez de lutar entre si. Depois de milhares de combinações, ficou claro que as bactérias cooperam umas com as outras para sobreviver, um resultado que contradiz o que Darwin defendia nas suas teorias da evolução.

“Na mentalidade darwiniana clássica, a competição é o nome do jogo. Os mais adequados sobrevivem e superam os menos adequados. No entanto, quando se trata de microrganismos como bactérias, as nossas descobertas revelam que os mais cooperativos sobrevivem”, explica o microbiologista Soren Johannes Sorensen em comunicado.

Os cientistas isolaram bactérias de uma casca de milho e, de acordo com o Europa Press, conseguiram observar até que ponto as bactérias competem ou cooperam para sobreviver.

A equipa da Universidade de Copenhaga mediu o biofilme bacteriano, uma camada protetora que protege as bactérias contra ameaças externas, como antibióticos ou predadores. Quando as bactérias são saudáveis, produzem mais biofilme e tornam-se mais fortes e resistentes.

Os cientistas observaram o mesmo resultado repetidas vezes: uma determinada bactéria, em vez de competir para ser mais forte do que as outras na produção de biofilme, concedia mais espaço às bactérias mais fracas, o que lhes permitia crescer. Ao mesmo tempo, os investigadores conseguiram ver que as bactérias dividem tarefas trabalhosas.

“Henry Ford pode ter achado que havia encontrado algo brilhante quando introduziu a linha de montagem e a especialização dos trabalhadores, mas as bactérias estão a aproveitar essa estratégia há um milhares de milhões de anos”, resumiu Soren Johannes Sorensen.

“O nosso estudo demonstra que as bactérias se organizam de maneira estruturada, distribuem tarefas entre si e ajudam-se umas às outras. Isto significa que, num estudo futuro, podemos descobrir quais as bactérias que cooperam e quais aquelas que dependem umas das outras”, concluiu o especialista.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Também estamos na fase da descoberta das “bactérias amigas”… e, no nosso corpo, há mais bactérias do que células humanas….
    assinado: Maria da Maia

Responder a Maria Cancelar resposta

Barry Jenkins vai realizar sequela de "O Rei Leão"

O realizador e argumentista de Moonlight foi escolhido pela Walt Disney Studios para realizar a sequência do blockbuster de 2019, O Rei Leão. Ainda não há uma data de lançamento prevista para o segundo filme, mas …

"Não me sinto seguro sem uma". Venda de armas aumentou drasticamente nos EUA

Os EUA continuam a ser um dos países onde os cidadãos comuns têm mais facilidade em comprar armas de fogo. Esta é uma prática recorrente, e mais de um terço das famílias norte-americanas têm uma …

Pássaros de São Francisco aprenderam uma nova (e mais complexa) melodia durante a pandemia

Uma nova investigação científica relata que os pardais-de-coroa-branca de São Francisco, ave que vive nas zonas urbanas e rurais da cidade norte-americana, aprenderam uma nova e mais complexa melodia durante a pandemia. De acordo com …

Enorme espinha dorsal de tubarão-branco dá à costa em Massachusetts depois de uma tempestade

A espinha dorsal que se acredita pertencer a um espécime de tubarão-branco (Carcharodon carcharias) deu à costa numa praia em Massachusetts, nos Estados Unidos, depois de uma tempestade ter atingido a região. A espinha foi encontrada …

A China está a tornar-se o país com maior influência na ONU

Há dez anos, a China começou uma operação que lhe tem vindo a garantir mais influência nas Nações Unidas. Agora, o poder que possui na organização mundial protege o país asiático do escrutínio internacional. De acordo …

Uma droga pode tratar o nanismo (mas há quem defenda o "orgulho anão")

Um estudo vem agora revelar que uma droga pode tratar o nanismo. Porém, a possibilidade de haver um tratamento para esta condição clínica não é consensual. Um novo estudo, financiado pela BioMarin Pharmaceutical e publicado no …

Meghan Markle perde batalha judicial. Em causa está carta que enviou ao pai (divulgada por jornal britânico)

Depois de no passado mês de agosto, Meghan Marke vencer uma batalha judicial contra o Mail on Sunday, desta vez a Duquesa de Sussex não pode festejar mais uma vitória. A norte-americana perdeu a última …

Após acidente, robô-piloto voltou a levantar voo (e pilotou avião durante 2 horas)

O ROBOpilot, um piloto robótico não tripulado, levantou voo pela primeira vez no ano passado, mas sofreu danos durante um dos seus voos. Agora, está apto para voar novamente. No ano passado, um acidente forçou o Laboratório …

David Attenborough bateu um recorde mundial no Instagram (e destronou Jennifer Aniston)

O naturalista britânico David Attenborough destronou a atriz norte-americana Jennifer Aniston e tornou-se a pessoa a alcançar mais rapidamente um milhão de seguidores no Instagram, segundo os números do Guinness. David Attenborough, de 94 anos, …

Indonésia planeia atração turística com dragões de Komodo ao estilo de Jurassic Park

A Indonésia planeia construir uma atração ao estilo da saga Jurassic Park para que os turistas possam ver os famosos dragões de Komodo. De acordo com a revista Vice, em causa está uma proposta de …