As bactérias contradizem Darwin: a mais apta não sobrevive

(cc) NIAID

Bactérias E.coli vistas ao microscópio eletrónico

Uma recente investigação levada a cabo pela Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, revela que, no que diz respeito às bactérias, a “sobrevivência das mais cooperativas” excede a “sobrevivência das mais fortes”.

As bactérias são capazes de sacrificar algumas das suas propriedades se isso beneficiar a comunidade bacteriana. Esta é a descoberta de uma recente investigação levada a cabo por cientistas da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca, e um importante passo para a compreensão das interações completas das bactérias.

Além disso, os cientistas destacam a importância deste estudo no desenvolvimento de novos modelos de tratamento para uma ampla gama de doenças humanas e novas tecnologias ecológicas.

No fundo, segundo este estudo cujo artigo científico foi publicado no ISME Journal, as bactérias preferem unir-se contra as ameaças externas, como antibióticos, em vez de lutar entre si. Depois de milhares de combinações, ficou claro que as bactérias cooperam umas com as outras para sobreviver, um resultado que contradiz o que Darwin defendia nas suas teorias da evolução.

“Na mentalidade darwiniana clássica, a competição é o nome do jogo. Os mais adequados sobrevivem e superam os menos adequados. No entanto, quando se trata de microrganismos como bactérias, as nossas descobertas revelam que os mais cooperativos sobrevivem”, explica o microbiologista Soren Johannes Sorensen em comunicado.

Os cientistas isolaram bactérias de uma casca de milho e, de acordo com o Europa Press, conseguiram observar até que ponto as bactérias competem ou cooperam para sobreviver.

A equipa da Universidade de Copenhaga mediu o biofilme bacteriano, uma camada protetora que protege as bactérias contra ameaças externas, como antibióticos ou predadores. Quando as bactérias são saudáveis, produzem mais biofilme e tornam-se mais fortes e resistentes.

Os cientistas observaram o mesmo resultado repetidas vezes: uma determinada bactéria, em vez de competir para ser mais forte do que as outras na produção de biofilme, concedia mais espaço às bactérias mais fracas, o que lhes permitia crescer. Ao mesmo tempo, os investigadores conseguiram ver que as bactérias dividem tarefas trabalhosas.

“Henry Ford pode ter achado que havia encontrado algo brilhante quando introduziu a linha de montagem e a especialização dos trabalhadores, mas as bactérias estão a aproveitar essa estratégia há um milhares de milhões de anos”, resumiu Soren Johannes Sorensen.

“O nosso estudo demonstra que as bactérias se organizam de maneira estruturada, distribuem tarefas entre si e ajudam-se umas às outras. Isto significa que, num estudo futuro, podemos descobrir quais as bactérias que cooperam e quais aquelas que dependem umas das outras”, concluiu o especialista.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Também estamos na fase da descoberta das “bactérias amigas”… e, no nosso corpo, há mais bactérias do que células humanas….
    assinado: Maria da Maia

RESPONDER

Super-vulcão Yellowstone registou 91 terramotos em apenas 24 horas

Os vulcanólogos têm andado atentos ao super-vulcão localizado no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos. O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) relatou recentemente a ocorrência de 91 terremotos em apenas 24 horas. Estes …

Cartoonista alemão Frank Hoppmann é o vencedor do 15.º World Press Cartoon

O 'cartoonista' alemão Frank Hoppmann, com a caricatura do primeiro-ministro britânico Boris Johnson, é o vencedor da 15.ª edição do World Press Cartoon, foi hoje anunciado nas Caldas da Rainha, na cerimónia de entrega de …

Pequena e funcional. Assim se carateriza a Tiny House (que ainda evita dores de joelhos)

Esta pequena casa móvel pode ser a solução que procura. Devido à sua arquitetura dinâmica é ótima para pessoas com problemas de articulações e que sofrem com dores joelhos, pernas cansadas ​​ou dores nas costas. Hoje …

Chama-se Elios, é um drone e vai explorar as profundezas das cavernas de gelo da Gronelândia

Elios é o drone que está a ajudar os investigadores a descobrirem mais sobre os mistérios da Gronelândia. Inserido numa estrutura própria, tem explorado as cavernas de gelo, facilitando assim o acesso a locais mais …

Milhares de pássaros migratórios estão (misteriosamente) a morrer no Novo México

Um elevado número de pássaros migratórios está a morrer em todo o Novo México, numa misteriosa mortalidade em massa que está a preocupar os cientistas. Estima-se que o número de pássaros mortos seja de centenas de …

Crianças inspiram Lego a livrar-se de todas as embalagens de plástico

As peças da Lego podem acabar no oceano durante mais de mil anos, mas os fabricantes dinamarqueses estão a tentar tornar a empresa ecologicamente correta. Na sua última promessa, a Lego vai começar a usar sacos …

Uma cidade chamada "amianto" está a tentar mudar o nome (e a discussão tornou-se tóxica)

Há uma cidade no Canadá chamada Asbesto - um material de construção altamente tóxico. Os habitantes da cidade não estão felizes com este nome, mas a sua mudança também não está a ser fácil. De acordo …

FC Porto 3-1 Braga | Entrada de “dragão”

O FC Porto iniciou a defesa do título nacional com uma vitória importante sobre o Sporting de Braga por 3-1. Os minhotos marcaram primeiro no Dragão, por um ex-portista, mas os descontos do primeiro tempo foram …

Barco navega em forma de coração para agradecer aos habitantes da Nova Escócia

A escuna Bluenose II navegou de forma bastante original no último dia da temporada de 2020. A rota seguida criou a forma de um coração no porto de Lunenburg, na Nova Escócia. De acordo com o …

França bate recorde com 13.498 novos casos. Espanha não vai confinar

A França registou este sábado um recorde diário de casos de covid-19, com 13.498 novos infetados nas últimas 24 horas, anunciou a Agência Nacional de Saúde, acrescentando que, no mesmo período, morreram mais 26 pessoas. No …