Chanceler austríaco quer países a devolver o que recebam do fundo de emergência

Florian Wieser / EPA

Sebastian Kurz

O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, afirmou hoje que os países que recorram ao fundo de emergência da União Europeia (EU), de 540 mil milhões de euros, aprovado esta quinta-feira devido à pandemia de Covid-19, devem devolver os apoios posteriormente.

“Deve ser claro que os fundos do plano de reconstrução vão ser devolvidos pelos respetivos Estados-membros numa data posterior e que a Áustria não vai assumir as dívidas de outros Estados-membros da UE”, destacou o chefe de Governo do país alpino, numa nota de imprensa.

“Hoje concordamos em continuar a mostrar solidariedade com os países especialmente afetados pela crise do coronavírus, como Itália ou Espanha”, acrescentou o líder do Governo formado por uma coligação entre o Partido Popular Austríaco, ao qual pertence, e os Verdes.

Kurz proferiu essa declaração, após uma nota na rede social Twitter em que deu conta da aprovação do pacote de emergência na reunião hoje realizada, por videoconferência, entre os 27 chefes de Governo e de Estado dos países da UE.

“Aprovámos um pacote do Eurogrupo na ordem dos 540 mil milhões de euros e a sua rápida implementação até 1 de junho”, escreveu Kurz.

“A Áustria também está disposta a mostrar solidariedade para apoiar a recuperação das nossas economias. Deveríamos fazê-lo através de empréstimos. Uma mutualização da dívida ou as ‘eurobonds’ não são aceitáveis. Continuaremos a coordenar a nossa posição com os países que têm ideias semelhantes às nossas”, acrescentou, na rede Twitter.

Segundo o chefe do Governo austríaco, os detalhes de um eventual fundo de recuperação, que o primeiro-ministro português, António Costa, já admitiu poder atingir os 1,5 biliões de euros, vai ser elaborado pela Comissão Europeia (CE) “nas próximas semanas, com base numa análise das necessidades de cada um dos Estados-membros”.

O chanceler referiu ainda que os líderes da UE abordaram, na reunião, a necessidade de se coordenar a reabertura do setor do turismo entre os parceiros, tendo sido lançada a ideia de que “a UE deveria preparar recomendações para o verão”.

O pacote de emergência, aprovado pelos ministros das Finanças dos 27, é constituído por três “redes de segurança”: uma linha de crédito do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que os Estados-membros podem utilizar para despesas relativas à Covid-19, um fundo de garantia pan-europeu do Banco Europeu de Investimento para empresas em dificuldades, e o programa “Sure” para salvaguardar postos de trabalho através de esquemas de desemprego temporário.

// Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Quem paga a crise Pandémica ?????…… pagamos todos !!!…..alguns até com a própria Vida (Doentes, Médicos, Enfermeiros(as), intervenientes de auxilio Medico, Forças de Segurança, Familiares)!…Penso que a U.E serve para enfrentar esta catastrophe com equidade, relativamente aos Países membros, senão para que serve ??????

    • Serve para aquilo que foi feito. Acordos comuns, em especial económicos. Em nenhum momento a UE se transformou numa federação.

      • Pois não, mas se os lucros gerados num país podem ser tributados noutro (levando a carne e deixando os ossos), e, quando há algum problema, viram as costas, algo vai muito mal nessa “União!!

        • Então é muito simples, é seguir as regras do jogo. A Irlanda baixou os impostos e tornou-se um competidor da Holanda. Quer comparar o crescimento económico deles com o nosso? E que tal a evolução de salários?

          • As “regras do jogo” são jogar rasteiro e desviar dinheiro de outros??!
            Que belas regras….
            Com o dinheiro dos outros também eu “cresço” muito e, quando de vê um país como a Irlanda (que pouco ou nada produz!) ter o DOBRO da produtividade da Alemanha (que é que mais produz na Europa e é só o maior exportador do mundo), percebe-se logo que as “regras do jogo” estão completamente erradas!!

  2. 1º produtividade e produção não são a mesma coisa.
    2º O que estamos a falar é de tributação. O caso da Irlanda demonstra que não só aumentaram a tributação de empresas intercomunitárias, mas também nacionais. Ou seja, é o bom caminho para o aumento de produção. Vejamos também o caso da Estónia. Em comparação, Espanha, vem destruindo paulatinamente postos de trabalho. E porque? Aumento desenfreado de impostos (leia-se roubar o contribuinte) Se há um mecanismo que controla os aumentos vertiginosos de impostos, tal como este, ainda há idiotas que se queixam. Aliás, vêm casos da Holanda como “paraísos fiscais” (coisa que não são). Mas há uma regra básica, se de facto há paraísos fiscais, é porque também existem “infernos fiscais”
    Os governos que aprendam a gerir o dinheiro do contribuinte, em vez de aumentar impostos. Isso é que é jogar rasteiro e desviar dinheiro de outros
    baixemos os impostos e tornemos-nos competitivos. É para isso que este regulamento existe.

RESPONDER

Há uma rua no Texas onde todas as casas foram impressas em 3D

Esta é a primeira comunidade de casas impressas em 3D nos EUA que está pronta a receber habitantes. A construção torna as habitações mais resistentes ao fogo e a inundações. Chama-se East 17th Street e fica …

A filha de Picasso doou nove obras do artista espanhol a França

A família de Pablo Picasso doou nove obras do artista ao Estado francês, que serão agora integradas no Museu Picasso, em Paris. Maya, a filha de Pablo Picasso, doou nove obras do artista como parte de …

Dormir bem? Depois da pandemia, não

O novo coronavírus criou uma "nação" de pessoas com insónias. Trabalhar menos horas pode ajudar. Insónias. Já eram um problema para muita gente até ao início de 2020 mas a pandemia que mudou o mundo também …

"Não posso ficar sentado a ver-nos voltar a 1972". Médico desafia a lei no Texas e admite que já fez um aborto

Um médico texano escreveu uma coluna de opinião no Washington Post a admitir que já fez um aborto no estado, depois da lei que proíbe interromper as gravidezes após seis semanas ter entrado em vigor. Em …

A cidade mais segura do mundo foi revelada (e é europeia)

Copenhaga foi eleita a cidade mais segura do mundo em 2021 pelo Índice de Cidades Seguras (SCI), da Economist Intelligence Unit. Quando se trata de escolher o destino a visitar, a segurança é um dos aspetos …

Benfica 3-1 Boavista | Águia evolui com Darwin para a vitória

Desde 1982/83 que o Benfica não vencia os primeiros seis jogos no Campeonato. Pois bem, na noite desta segunda-feira, os encarnados venceram o duelo ante o Boavista e fizeram xeque-mate graças ao bis de Darwin …

Milhões de pessoas em risco de tráfico e escravidão devido à crise climática, revela relatório

Milhões de pessoas forçadas a deixar as suas casas por causa da seca severa e ciclones correm o risco da escravidão moderna e de tráfico humano nas próximas décadas, alertou um novo relatório publicado esta …

Mercado teme corrida ao imobiliário com o fim dos vistos gold

A partir de janeiro, segundo as novas regras aplicáveis aos vistos gold, vão deixar de estar abrangidos os investimentos em imobiliário com destino a habitação em Lisboa, no Porto e no litoral. O regime que visa …

Desempregados inscritos no IEFP caem 10% em agosto

O número de desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) voltou a cair, pelo quinto mês consecutivo. Agosto fechou com 368.404 desempregados inscritos nos serviços públicos de emprego De acordo com os dados …

Agora que a catedral de Notre-Dame está estabilizada, pode dar-se início à reconstrução

Dois anos e meio após o incêndio que devastou a catedral de Notre-Dame, o edifício encontra-se seguro para iniciar o processo de reconstrução, que se espera estar concluído em 2024. Os trabalhos de segurança e consolidação …