Aumento do número de mulheres na Polícia Judiciária causa preocupação

Tiago Henrique Marques / Lusa

O aumento do número de mulheres na Polícia Judiciária (PJ) está a causar preocupação. Estão em causa “razões operacionais”, como explica a inspectora chefe Carla Pinto, vice-presidente da Associação Sindical dos Funcionários da Carreira de Investigação Criminal, que salienta que não é desejável que haja “uma maioria de mulheres na PJ”. Tudo porque são ou querem ser mães.

Actualmente, as mulheres “já são quase 30% entre dirigentes e inspectoras, com o maior número de sempre de mulheres a ocupar cargos de topo e sensíveis”, nomeadamente a directora nacional adjunta, Luísa Proença, a directora da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, Saudade Nunes, a directora da Unidade Nacional de Contraterrorismo e a directora do Laboratório de Polícia Científica, Alexandra André, como reporta o Diário de Notícias (DN).

O jornal relata ainda que “nos últimos dois cursos as mulheres inspectoras estiveram em maioria na PJ” e que na tomada de posse dos elementos que iniciaram carreira de investigação criminal, em Outubro passado, “28 (72%) eram mulheres e apenas 11 (28%) homens”. A manter-se este ritmo, “em 10/15 anos, as mulheres poderão mesmo dominar a Judiciária”, vaticina o DN.

Este aumento das inspectoras está a causar “inquietação” porque a entrada de mulheres na PJ representa “menos disponibilidade, maior absentismo e menor apetência para o crime violento”, como atesta o DN.

A situação deixa a Associação Sindical dos Funcionários da Carreira de Investigação Criminal (ASFIC) preocupada devido a “constrangimentos operacionais” como refere ao jornal a vice-presidente da entidade, a inspectora chefe Carla Pinto, dando como exemplos “a questão da disponibilidade que se complica quando as mulheres são mães, o que acontece com a maior parte das novas inspectoras” que “logo que engravidam pedem para ir para unidades onde os horários são mais previsíveis, como o crime económico”. Por outro lado, as brigadas “que lidam mais com o crime violento e são mais imprevisíveis, começam a ficar desfalcadas e acabam por sobrecarregar os inspectores mais velhos, que são levados ao limite e adoecem”, acrescenta.

“Não queremos uma maioria de mulheres na PJ”, frisa ainda Carla Pinto, notando que “não está em causa a sua competência, nem capacidade” e que mesmo quanto ao uso da força ou das armas “muitas mulheres superam os homens”.

Mas “há muitas situações operacionais em que não podem mesmo ir mulheres, ou pelo menos não em maior número, como em certos bairros sensíveis, ou quando tem de haver confronto físico, porque no fim da linha acaba por ser mesmo a força o que vale mais”, constata a inspectora-chefe, apelando à Direcção Nacional da PJ para que faça “alguma coisa para travar” esta tendência.

Carla Pinto considera que os testes físicos “são demasiado fáceis para as mulheres” e que se fossem mais equiparados aos dos homens, “não havendo assim discriminação, poderia equilibrar mais as coisas”.

O presidente da ASFIC, Carlos Garcia, alinha pelo mesmo discurso, mas reconhece que as soluções “não são fáceis” e que “podem ser sempre levantadas questões de igualdades e da discriminação”

Como exemplo, Carlos Garcia lembra no Público o caso de Espanha, notando que “entendendo que as mulheres e os homens são iguais, puseram os testes físicos para a entrada na polícia iguais para mulheres e homens e isto levou a que descesse drasticamente o número de entrada das mulheres porque elas, de facto, não conseguiam ter o mesmo desempenho em termos físicos do que os homens”. “O próprio Tribunal Supremo de Espanha veio assumir que os testes não podiam ser iguais porque as mulheres não eram iguais aos homens”, frisa, concluindo que está também em causa “um problema social” e da forma como a sociedade e “alguns bairros sensíveis encaram e olham para a mulher”.

“Ainda na última reunião de sócios, em Coimbra, houve uma inspectora que levantou esta questão e contou um caso em que era preciso ir fazer umas buscas a um sítio de risco e que só havia uma brigada com quatro mulheres e um homem. Tiveram de ir buscar homens a outras brigadas. As pessoas estão preocupadas”, admite Carlos Garcia no DN.

Mas para a investigadora Helena Ferro Gouveia que está a fazer uma tese de mestrado sobre “Liderança Feminina: estereótipos de género no Exército”, é um “preconceito que se diga que as mulheres não estão preparadas fisicamente”. A especialista em comunicação refere ao DN que a PJ deve “começar a pensar em estratégias que ajudem a conciliar a vida pessoal com a vida profissional, com estruturas de apoio internas, licenças parentais, horários flexíveis e trabalho adaptado”.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • Vá lá. Valha uma mulher que sabe que não se pode pedir segurança a um sistema nacional operado por mulheres.
      Não têm capacidade de intervensão, nem fisica nem psicologicamente. São moles e demasiado tolerantes, nunca serviriam para assegurar a segurança dum país ou do que fôr.

      “preconceito que se diga que as mulheres não estão preparadas fisicamente”
      Aqui nota-se a falta de conhecimento, lógica de quem disse isto.
      Claramente as mulheres tem melhores e mais condição física do que os homens! /S
      HAHAHA

RESPONDER

Erosão causada por tempestade tropical revela naufrágio do século XIX na Florida

Depois da tempestade tropical Eta arrebatar o norte da Florida no início deste mês, um banhista fez uma descoberta inesperada enquanto caminhava na costa de St. Augustine. Ao caminhar pelas dunas de areia de Crescent Beach, …

Uma mentira de um trabalhador de uma pizzaria forçou o confinamento na Austrália do Sul

O estado da Austrália do Sul decretou um confinamento geral, no dia 18 de novembro, depois de um funcionário de uma pizzaria ter mentido. Segundo o Huff Post, o homem, de nacionalidade espanhola, estava infetado com …

Jogar Monopólio, Scrabble ou até bilhar pode ser (ainda) mais divertido com uma nova mesa touch

Por mais divertidos que sejam os jogos de tabuleiro, estes podem ser um passatempo caro pois quem realmente gosta não se cansa de os comprar. Agora, a empresa Arcade1Up criou o Infinity Game Table que …

A apreensão histórica de cetamina na Tailândia não foi assim tão histórica. Eram só aditivos alimentares

Análises laboratoriais revelaram que a apreensão "histórica" de cetamina anunciada pelo Governo da Tailândia há cerca de duas semanas foi, na verdade, uma apreensão de aditivos alimentares e agentes de limpeza. As autoridades tailandesas anunciaram, …

Para clínicas de Terceiro Mundo. Dispositivo movido a energia solar esteriliza equipamentos médicos ao ar livre

As autoclaves são consideradas essenciais para esterilizar equipamentos médicos, mas não estão disponíveis nos países de Terceiro Mundo, onde o acesso à eletricidade é limitado. Um novo dispositivo portátil, movido a energia solar, pode ser …

China pondera novas regras sobre estrangeiros para "proibir o extremismo religioso"

Um projeto-lei publicado esta semana pelo Ministério da Justiça chinês aponta para novas restrições sobre a atuação de fiéis estrangeiros no país, com o intuito de evitar a disseminação do "extremismo religioso" ou do uso …

Regar, cortar e matar insetos. Robô dá conta de todas as tarefas de jardinagem (e até afasta intrusos)

A jardinagem é uma terapia para muitas pessoas, mas também pode ser um incómodo. O robô Yardroid foi projetado para lidar de forma autónoma com essas tarefas, utilizando inteligência artificial. Semelhante a um tanque em miniatura, …

ProToiro vai impugnar IVA das touradas e avança com queixa em Bruxelas

A Federação Portuguesa de Tauromaquia (ProToiro) vai avançar com a impugnação do valor do IVA na tauromaquia e com uma queixa na Comissão Europeia, exigindo que a taxa passe de 23% para 6%. Em comunicado, a …

Braga 3-3 Leicester | Vardy rouba triunfo luso nos descontos

Um "balde de água fria". A recepção do Sporting de Braga ao Leicester não foi parca em emoção e em bom futebol. Os minhotos foram superiores na primeira parte e chegaram ao intervalo em vantagem. Contudo, …

Equipa de Biden escondeu um anúncio de emprego secreto no código-fonte do seu site

O Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, escondeu um anúncio de emprego no código-fonte do seu site de transição, enquanto inicia o processo de contratação da nova administração para a Casa Branca. De acordo com …