Ativistas estão a usar a emergência climática como defesa legal para justificar a violação da lei

Vários ativistas estão a recorrer à moleta da emergência climática para justificar infrações da lei durante os seus protestos. Há casos em que esta situação é aceitável.

A expressão “emergência climática” tornou-se parte do léxico político deste ano. Vários governos fizeram declarações de emergência climática, assim como várias organizações — e até o Papa se juntou. Mas o que é que isso significa em termos práticos? Muito pouco até agora, dado o aumento contínuo das emissões globais de gases com efeito de estufa.

Por exemplo, a decisão do governo canadiano de triplicar a capacidade de um oleoduto, um dia após o reconhecimento da emergência climática, sugere que as declarações têm significado retórico e simbólico, e não prático.

No entanto, as declarações oficiais deixam claro que as alterações climáticas são, de facto, uma emergência. E à luz dos seus impactos globais atuais e projetados — incluindo seca, incêndios catastróficos, aumento das inundações e erosões costeiras, inundações, derretimento das calotas polares, o desaparecimento de recifes de coral, a escassez de alimentos e água e a realocação massiva de populações — a emergência é sem precedentes.

As alterações climáticas exigem uma resposta urgente e drástica. À medida que a emergência se desenvolve, a nossa compreensão atual do que é razoável e do que é lícito mudará inevitavelmente.

Os ativistas climáticos estão a argumentar com uma defesa estatutária nos tribunais de Queensland: a defesa da emergência extraordinária na secção 25 do Código Penal de Queensland.

Greg Rolles, um ativista ambiental que montou um tripé sobre uma linha férrea no norte de Queensland, argumentou sem sucesso a defesa durante o seu julgamento em maio.

O que diz a lei?

A defesa permite a violação da lei em circunstâncias de “emergência súbita ou extraordinária”, já que:

“não se espera que uma pessoa comum que possua poder comum de autocontrolo aja de outra maneira”

É uma versão da chamada “defesa de necessidade”, que permite que a violação da lei para evitar danos maiores ou irreversíveis. Esta defesa tem sido discutida por ativistas climáticos nos EUA e no Reino Unido há mais de uma década. No entanto, este tipo de defesa só é ativado apenas em casos de emergência repentina ou extraordinária.

O uso das alterações climáticas como defesa legal funcionou no Reino Unido em 2008, quando manifestantes da Greenpeace pintaram com graffiti uma chaminé de uma central britânica. Um júri absolveu os acusados de danos materiais com base na “necessidade”.

E no início deste ano, outro júri do Reino Unido absolveu o fundador da Extinction Rebellion, Roger Hallam, e um colega ativista de acusações semelhantes. Enquanto o juiz decidiu que as alterações climáticas eram irrelevantes, o júri foi convencido pelo argumento dos réus de que suas ações eram uma resposta proporcional à crise climática.

Nos EUA, os juízes têm-se mostrado relutantes em deixar os ativistas climáticos usarem esta defesa, e ainda nenhum ativista climático foi absolvido de acusações criminais quando recorrem a este tipo de defesa.

No entanto, em 2018, um juiz dos EUA reduziu as acusações contra manifestantes de um oleoduto por infrações civis e, em seguida, considerou-os não responsáveis com base na “necessidade”. E, em 2019, Ken Ward, manifestante da Valve Turner, conseguiu reverter a sua condenação, com base na ideia de que deveria poder usar a defesa por necessidade como direito constitucional.

Mas enquadrar a “defesa de necessidade” como uma “defesa de emergência extraordinária” em jurisdições como Queensland permite que os ativistas climáticos australianos aproveitem a crescente aceitação das alterações climáticas como emergência.

Ainda assim, eles enfrentam dificuldades em convencer os juízes de que atos pacíficos e não violentos de desobediência civil são uma resposta razoável a essa emergência.

Inviabilização das normas legais

A emergência extraordinária das alterações climáticas pode inviabilizar as normas legais existentes. Os litigantes juvenis estão a destacar questões de desigualdade entre gerações. A natureza das responsabilidades corporativas também está sob escrutínio e há tentativas legais em andamento para responsabilizar os maiores produtores de combustíveis fósseis do mundo.

Estes desenvolvimentos prenunciam um tsunami de dilemas legais gerados pelas alterações climáticas, como escreve no seu livro Nicole Rogers, professora de Lei e Justiça na Southern Cross University.

Teremos de enfrentar as implicações da apatridia generalizada à medida que o território desaparece com o aumento do nível do mar. O direito internacional fica aquém da atribuição de responsabilidade criminal pela morte e pelo sofrimento advindos de impactos climáticos, como desastres naturais mais frequentes e intensos.

Além disso, alguns direitos humanos — incluindo direitos de propriedade, liberdade de circulação e direito de reprodução — exacerbam a crise climática. Ao mesmo tempo, as alterações climáticas comprometem muitos desses direitos.

Então, qual é a conduta razoável diante da crescente crise climática? A importância de fazer esta pergunta não pode ser exagerada.

Como especulou o romancista Amitav Ghosh, o nosso tempo pode vir a ser conhecido como o Grande Transtorno: um tempo em que a razão não prevaleceu e, por inércia, ignorância, apatia e evasão, avançamos indiferentemente para a catástrofe planetária.

PARTILHAR

RESPONDER

Campo magnético da Terra pode mudar 10 vezes mais rápido do que se pensava

As mudanças na direção do campo magnético da Terra podem ocorrer dez vezes mais rápido do que se pensava até então, sugerem novas simulações levadas a cabo por cientistas da Universidade de Leeds (Reino Unido) …

O buraco negro mais faminto do Universo engole por dia uma massa equivalente à do Sol

No centro do quasar mais brilhante já descoberto "mora" um dos maiores buracos negros que é também o mais "faminto" de todo o Universo: por dia, engole o equivalente à massa do nosso Sol. As …

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …