Atirador do liceu da Florida pertencia a milícia supremacista branca

Susan Stocker / EPA

Nikolas Cruz matou 17 pessoas num tiroteio numa escola na Florida

O líder de uma milícia supremacista branca confirmou que o rapaz que matou a tiro 17 alunos num liceu na Florida era membro do seu grupo nacionalista e participou em exercícios paramilitares em Tallahassee.

Jordan Jereb disse hoje à agência de notícias norte-americana Associated Press que o grupo que lidera quer que a Florida se transforme num etno-Estado branco. O grupo organiza “manifestações aleatórias e espontâneas” e tenta não participar “no mundo moderno”.

O responsável da milícia disse que não chegou a conhecer pessoalmente o autor dos disparos no liceu de Parkland, Florida, identificado pelas autoridades como sendo Nikolas Cruz, de 19 anos. No entanto, disse que Cruz “agiu apenas em seu nome”, pelo que “é o único responsável pelo que fez”.

Jereb também afirmou que Cruz teve “problemas com uma rapariga” e que acredita que o “timing” do ataque – realizado no Dia dos Namorados – não é uma coincidência.

Nikolas Cruz foi hoje acusado por 17 crimes de homicídio premeditado, na sequência de ter matado 17 alunos do liceu que tinha frequentado, o Liceu Marjory Stoneman Douglas, em Parkland.

Cruz, de 19 anos, foi interrogado durante horas pelas autoridades estaduais e federais dos Estados Unidos, na sequência do tiroteio mais sangrento numa escola norte-americana nos últimos cinco anos. O ataque provocou ainda 14 feridos que tiveram de ser hospitalizados.

Nikolas Cruz – um órfão apontado como tendo um passado problemático – ficou detido sem direito a fiança.

O rapaz terá feito soar o alarme de incêndio da antiga escola, fazendo com que os alunos – que pensaram tratar-se de mais um exercício – saíssem das salas de aula e formassem filas nos corredores.

Segundo a polícia, foi então que Cruz, equipado com uma máscara antigás, granadas de fumo e vários carregadores com munições para uma AR-15 (versão civil, semiautomática, da espingarda de assalto em uso pelo exército norte-americano, com o mesmo calibre de guerra 5,56mm) abriu fogo sobre os antigos colegas.

O tiroteio saldou-se em 17 mortos, 14 feridos hospitalizados e centenas de alunos em pânico nas ruas perto do liceu. Foi o ataque mais sangrento a uma escola desde que um homem armado atacou uma escola primária em Newtown, Connecticut, há mais de cinco anos.

As autoridades não forneceram muitos detalhes sobre as motivações de Nikolas Cruz, além de terem informado que o rapaz foi expulso do liceu – frequentado por cerca de 3 mil alunos.

Os alunos que o conheciam descrevem Cruz como um adolescente de caráter volátil, com comportamentos estranhos que terão feito com que outros alunos terminassem amizades com ele.

A mãe de Nikolas Cruz, Lynda Cruz, morreu de pneumonia a 1 de novembro, de acordo com vizinhos, amigos e família, citados pelo Sun Sentinel. O pai de Cruz tinha morrido há muitos anos, de ataque cardíaco.

Nikolas e o seu irmão biológico, Zachary, tinham ambos sido adotados pelo casal Cruz quando estes se mudaram de Long Island, Nova Iorque, para o Condado de Broward, Florida.

A espingarda AR-15 era de Nikolas Cruz. Na Florida um rapaz de 18 anos (menor, já que a idade da maioridade nos Estados Unidos é 21 anos) pode comprar e deter armas de fogo como esta, desde que tenha autorização dos pais ou responsável legal.

O FBI sabia

O FBI tinha recebido uma mensagem meses antes do ataque a alertar para as intenções de um jovem de nome Nick Cruz – o atirador. Segundo o Jornal de Notícias, a mensagem alertava para o manifesto por parte do jovem de uma vontade alarmante, que já fazia prever o desfecho trágico desta quarta-feira.

O alerta foi lançado pelo youtubr Ben Bennight, conhecido como “o fiador” nas redes sociais. Ben contactou o FBI em setembro, depois de Nick ter deixado um comentário num dos seus vídeos onde afirmava que viria a ser “um atirador profissional numa escola“.

O departamento de inteligência dos Estados Unidos confirmou ter recebido a informação, mas afirmou que na altura não foi possível confirmar a identidade do sujeito.

“Não fomos capazes de identificar a pessoa que fez o comentário”, disse Rob Lasky, em conferência de imprensa, acrescentando que não havia qualquer informação, como “a localização ou a identidade” do suspeito.

Entretanto, o jovem já confessou ser o autor do tiroteio. “Cruz admitiu ser o atirador que entrou armado na escola com uma AR-15 e começou a atirar sobre estudantes que encontrava nos corredores e nos recreios”, confirmou a polícia à BBC.

O jovem disse ainda que carregava com ele munições extra numa mochila. Nikolas desfez-se depois da arma e tentou escapar da cena do crime, tendo sido preso uma hora depois do ataque no McDonald’s.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. A imprensa gosta de ressaltar coisas irrelevantes no sentido de criar a situação que lhe apetece. Neste triste caso, ressalta, por exemplo, que o assassino era simpático a uma milícia de uma supremacia branca, mas não informa se ele era simpático a uma determinada religião ou seita ou se era portador de alguma doença mental. Ou seja, a impressa quer induzir que o assassino matou 17 pessoas numa escola porque pertencia a um “terrível” grupo racial e que o rapaz usou uma arma (proibida) mas “parecida” com uma arma vendida em alguns estados dos Estados Unidos, justamente para reforçar a questão racial e da liberação de armas em alguns estados americanos. Não defendo assassinos, não defendo porte de armas, não defendo uso indiscriminado de drogas, mas apelo para o bom senso dos jornalista, como pessoas, de não ficarem criando situações e nem informações tendenciosas para levar o leitor a assimilar o que ele (o jornalista) e a imprensa querem. Leitor, usem seu senso crítico perante informações tendenciosas que a imprensa nos oferece todos os dias.

    • Caro leitor,
      Note por favor que o ZAP não tem que se “retratar” da notícia de que a personalidade em causa fez uma determinada declaração. O facto de a personalidade ter feito essa declaração não foi, como diz, “desmentido”.
      O ZAP tem, na realidade, é que dar notícia de que a personalidade em causa se retratou das declarações que fez – algo bastante diferente.
      Notícia essa que fica dada, com a ajuda do seu comentário – o qual muito agradecemos.

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …