/

Ataques a petroleiros no mar de Omã “têm a assinatura” do Irão (a culpa é “quase certa”)

David Maxwell / EPA

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse esta sexta-feira que os ataques a dois petroleiros no mar de Omã, na quinta-feira, “têm a assinatura” do Irão, baseando-se num vídeo entretanto divulgado pelo Pentágono.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“Vemos um barco com uma mina que não explodiu e que tem a assinatura do Irão”, afirmou Donald Trump, numa declaração à estação televisiva Fox, referindo-se às imagens divulgadas pelo Pentágono, que os Estados Unidos dizem mostrar a Guarda Revolucionária iraniana a remover uma mina por detonar de um dos petroleiros atacados no mar de Omã, sugerindo que Teerão estaria a tentar retirar provas do seu envolvimento.

Foi o Irão quem o fez (o ataque aos petroleiros)”, concluiu Donald Trump, apesar de o Irão já ter negado a responsabilidade pelo ataque.

Por sua vez, o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Jeremy Hunt, afirmou também esta sexta-feira que a responsabilidade pelos ataques na quinta-feira a dois petroleiros no Golfo de Omã é “quase de certeza” do Irão.

“Condeno os ataques contra dois navios no Golfo de Omã. A nossa própria avaliação leva-nos a concluir que a responsabilidade pelos ataques recai quase de certeza no Irão“, afirmou em comunicado o chefe da diplomacia britânica, secundando a posição dos EUA.

Jeremy Hunt apelou ao Irão para que acabe com toda a “atividade desestabilizadora”, sublinhando que o Reino Unido “está em estreita coordenação com os parceiros internacionais para encontrar soluções diplomáticas que visem acalmar as tensões”.

Já a Rússia pediu “moderação” e que “não se tire conclusões precipitadas” após os ataques. “Condenamos veementemente estes ataques qualquer que seja o responsável. Mas é necessário abster-se de tirar conclusões precipitadas”, indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia em comunicado.

O Ministério considerou “inaceitável acusar quem quer que seja de estar ligado a este incidente antes da conclusão de uma investigação internacional detalhada e imparcial” expressando a sua preocupação com as tensões no mar de Omã.

“Estamos a testemunhar uma escalada artificial de tensões, em grande parte devido às políticas anti-irão dos EUA”, referiu a mesma fonte, pedindo “contenção” a todas as partes.

Dois petroleiros, um norueguês e um japonês, foram na quinta-feira alvo de um ataque no mar de Omã, em pleno Golfo Pérsico, uma região já sob tensão devido à crise entre os Estados Unidos e o Irão.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.