OMS denuncia ataque russo a hospital psiquiátrico onde estavam mais de 300 pessoas

Sergey Kozlov / EPA

As autoridades da cidade de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, denunciaram um novo ataque contra um estabelecimento de saúde, desta vez um hospital psiquiátrico, onde estavam doentes e funcionários, disse hoje o porta-voz da Organização Mundial da Saúde.

“Trata-se de outro ataque à saúde na Ucrânia”, referiu Tarik Jasarevic, numa comunicação feita através de videoconferência a partir de Lviv, no oeste da Ucrânia.

O porta-voz da Organização Mundial de Saúde indicou que no local estavam mais de 300 pessoas, das quais 50 não podiam mover-se.

“Condenamos todos os ataques a instalações de saúde, a profissionais de saúde ou a doentes, [já que] constituem uma violação flagrante do direito internacional humanitário, privando as pessoas de cuidados médicos e pondo em risco a vida de pacientes e trabalhadores”, afirmou.

“As instalações de saúde, além de serem locais onde as pessoas recebem cuidados de saúde, devem ser também locais onde as pessoas se sentem seguras”, defendeu o responsável.

De acordo com uma primeira avaliação dos serviços de emergência de Kharkiv – perto de Oskil, onde se situava o hospital – o número de pessoas no hospital chegava a 330, incluindo 10 em cadeiras de rodas e 50 sem mobilidade ou com mobilidade muito reduzida, sendo que uma parte das instalações atacadas era dedicada a pessoas com deficiência.

O bombardeamento não fez, até agora, vítimas mortais, mas destruiu o segundo e terceiro andares do edifício”, referiram os serviços de emergência.

A OMS contabilizou 26 ataques a instalações de saúde na Ucrânia desde que a Rússia invadiu o país, há 16 dias.

Ataques que, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos são “atos chocantes”, que, se se provar terem sido cometidos de forma indiscriminada, podem ser considerados crimes de guerra.

O ataque ao hospital psiquiátrico aconteceu poucos dias depois de um centro hospitalar da cidade de Mariupol, onde funcionava uma unidade pediátrica e uma maternidade, ter sido bombardeado, matando três pessoas e deixando outras 17 gravemente feridas.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, disse na quinta-feira – sem fornecer provas – que o hospital de Mariupol estava a ser usado como base por combatentes radicais, mas hoje a agência da ONU para os Direitos Humanos confirmou que o local continuava a ser um hospital operacional.

De acordo com a porta-voz desta agência da ONU, Liz Throssell, o hospital estava em pleno funcionamento quando foi atacado.

Por outro lado, Tarik Jasarevic também avançou que a OMS enviou cinco toneladas de material médico para Kiev e várias toneladas para cidades do leste da Ucrânia, onde as hostilidades são mais intensas, estando a aguardar a confirmação da chegada e distribuição dessa ajuda.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou pelo menos 516 mortos e mais de 900 feridos entre a população civil e provocou a fuga de mais de 2,5 milhões de pessoas para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

  Lusa //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.