Há uma nova hipótese que explica por que Urano ficou de lado

NASA

Dois astrónomos da Universidade de Maryland, nos EUA, apresentaram uma nova hipóteses que explica por que motivo Urano tem uma inclinação incomum.

Este mundo, o sétimo planeta do Sistema Solar, tem um grau de inclinação muito maior do que os seus vizinhos, cujos eixos estão mais ou menos alinhados com a estrela e são quase perpendiculares relativamente às suas próprias órbitas.

De uma forma generalizada, a comunidade científica acredita que a inclinação do pólo norte de Urano, que é de quase 98º em relação à sua posição vertical, é fruto de uma colisão com um corpo celeste, um choque tão forte que terá “derrubado” o planeta.

Zeeve Rogoszinski e Douglas Hamilton, os cientistas da universidade norte-americana, não consideram este cenário improvável, mas apontam-lhe alguns contradições.

Os astrónomos questionam, por exemplo, por que motivo nenhuma das luas de Urano tem a mesma inclinação do planeta, dizendo também não entender como é que os satélites são feitos ou cobertos com gelo, evidência que não está em linha com uma colisão forte o suficiente para fazer o planeta inclinar-se, uma vez que este impacto teria gerado tanto calor ao ponto de fazer evaporar o gelo das suas luas.

O novo modelo

Partindo destas “inconsistências”, os astrónomos criaram um novo modelo, no qual assumem que o sistema de anéis de Urano desestabilizou o planeta, fazendo com que este flutuasse e desencadeasse um processo semelhante ao que observamos quando lançamos um pião, tal como explica o portal Russia Today.

Ou seja, uma vez em movimento, um pião inclina-se ainda mais em relação ao seu eixo vertical até finalmente cair, num processo que os físicos chamam precessão.

Em Urano, esta precessão do eixo de rotação teria coincidido em algum momento com uma outra que experimentou a órbita deste planeta, e terá ocorrido uma ressonância composta, que poderá ter levado o planeta a inclinar-se para um máximo de 70º.

De acordo com estes cientistas, em todos os cenários descritos, houve uma grande contribuição do disco circumplanetário.

Sabe-se que o disco de Urano não é grande o suficiente para ter desempenhado um papel tão determinante, mas os cientistas conseguiram demonstrar que há milhões de anos o anel era muito maior, pelo menos três vezes a massa do sistema de satélites do planeta.

As conclusões

Recorrendo a várias equações e com base no modelo spinning top, os cientistas concluem: “Embora dificilmente possamos gerar inclinações acima dos 70º e não possamos conduzir inclinações além dos 90º, uma colisão subsequente com um objeto com cerca de 0,5 vezes a massa da Terra poderá ter feito com que Urano se inclinasse entre 70º e 98º”.

Nos resultados da investigação, recentemente publicados na revista científica especializada The Astrophysical Journal, Rogoszinski e Hamilton concluem que ambos os fatores, isto é, a ressonância e colisão, ocorrendo de forma consecutiva, podem ser responsáveis pela posição incomum que Urano apresenta.

O “modelo híbrido” agora proposto por estes astrónomos consideram mais provável que o corpo ou os corpos que terão impactado com Urano se aproximaram do planeta em “órbitas elípticas inicialmente excêntrica” e acreditam ainda que Urano girava inicialmente de forma muito mais lenta do que se observa nos dias de hoje.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Fisco não se compromete com reembolsos rápidos do IRS

O prazo de entrega da declaração de IRS relativa a 2019 arranca esta quarta-feira e prolonga-se até 30 de junho. Neste momento, a Autoridade Tributária e Aduaneira não se compromete com reembolsos rápidos. De acordo com …

ASAE abre processos crime por preços de álcool, luvas e máscaras inflacionados em 400%

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) abriu nove processos crime após encontrar situações em que os preços praticados de álcool, luvas e máscaras estavam inflacionados em 300% ou 400%. Estes são produtos maioritariamente usados …

Animais terrestres começaram a morrer muito antes da vida marinha no Permiano

Uma equipa internacional de geólogos e paleobiólogos descobriu evidências que poderão redefinir a linha do tempo estabelecida quando a vida começou a desaparecer na extinção do Permiano-Triássico. Há cerca de 252 milhões de anos, a grande …

Num clima de incerteza, Orçamento do Estado entra em vigor

O Orçamento do Estado para 2020 (OE2020) entra em vigor esta quarta-feira, depois de ter sido publicado ontem em Diário da República.  O documento foi promulgado, a 23 de março, pelo Presidente da República, depois de ter …

DGS admite 9.500 infetados, pico pode já ter ocorrido e Costa não descarta reabertura gradual das escolas

Na terça-feira, decorreu uma reunião à porta fechada que juntou o núcleo de especialistas da Direção-Geral de Saúde e do Instituto Ricardo Jorge com a elite política e os parceiros sociais. Alguns ficaram "otimistas", outros …

Os seus dentes podem contar a história da sua vida

Um novo estudo mostrou a forma como os nossos dentes podem ter sinais de eventos de vida e do nosso estilo de vida, desde o nascimento e dieta até tempos difíceis e a menopausa. A investigação …

Não há pautas. Notas do 2.º período vão ser enviadas diretamente aos alunos

As notas do 2.º período vão ser comunicadas diretamente aos alunos para salvaguardar a proteção de dados, uma vez que não se podem deslocar às escolas para consultar as pautas. O anúncio foi feito esta terça-feira …

“Terrorismo e pirataria”. Maduro acusa navio cruzeiro português de afundar barco da Marinha da Venezuela

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou o cruzeiro de bandeira portuguesa "Resolute" de ter realizado um ato de "terrorismo e pirataria" contra um barco da Marinha venezuelana que se afundou segunda-feira, após colidirem. Nicolás Maduro …

O tratamento para a covid-19 pode já existir em medicamentos antigos

O tratamento para a covid-19 pode já existir em medicamentos antigos usados para outras doenças. Os cientistas estão a usar partes do coronavírus para encontrá-los. Um pouco por todo o mundo, equipas de investigadores estão já …

Cientistas procuraram matéria escura na Via Láctea, mas só encontraram o vazio

Uma análise dos dados brutos da Via Láctea colhidos ao longo de 20 anos pelo telescópio espacial de raios-X XMM-Newton fez com que uma das principais hipóteses de matéria escura fosse descartada. Três jovens físicos dos …