Colisão com planeta duas vezes maior do que a Terra deixou Urano de lado

(dr) Jacob Kegerreis / Durham University

Os astrónomos usaram uma simulação de alta-resolução para confirmar que um objeto duas vezes maior do que a Terra colidiu com Urano e alterou a sua inclinação

Urano intriga os cientistas há muito tempo. Este planeta sempre foi diferente dos seus companheiros do Sistema Solar. Agora, um novo estudo pode explicar todas as excentricidades do gigante gelado.

De acordo com o recente estudo, Urano é um planeta muito estranho devido a uma enorme colisão, que aconteceu há milhares de milhões de anos, com um enorme objeto, com aproximadamente duas vezes o tamanho da Terra. Essa colisão pode ter levado à extrema inclinação do planeta e a outros atributos bizarros observados atualmente.

“Todos os planetas do sistema solar estão a girar mais ou menos da mesma forma, mas Urano está completamente de lado”, explica Jacob Kegerreis, investigador do Instituto de Cosmologia Computacional da Universidade de Durham, no Reino Unido, e principal autor do estudo publicado na semana passada no The Astrophysical Journal.

Além da inclinação inexplicável, Urano também tem um campo magnético “muito, muito estranho” e é extremamente frio, embora devesse ser mais quente, segundo o cientista.

Kegerreis e a sua equipa procuraram explicar muitas das características estranhas do planeta, atribuindo-as a uma colisão com um objeto maciço e gelado há cerca de 4 mil milhões de anos.

Segundo um comunicado da Universidade de Durham, a equipa realizou, pela primeira vez, simulações de alta resolução de diferentes colisões maciças com o gigante do gelo para tentar descobrir de que forma o planeta evoluiu.

A investigação confirma um estudo anterior que já afirmava que a posição inclinada de Urano era causada por uma colisão com um objeto massivo – provavelmente um jovem proto-planeta feito de rocha e gelo – durante a formação do Sistema Solar, há cerca de 4 mil milhões de anos.

Mas a colisão não explica apenas a inclinação de Urano. As simulações também sugeriram que os detritos do impacto podem ter formado uma fina camada perto da borda da camada de gelo do planeta, prendendo o calor que emana do núcleo de Urano.

O aprisionamento desse calor interno poderia ajudar a explicar a temperatura extremamente fria de Urano na atmosfera externa do planeta, cerca de -216 graus Celsius. Esta colisão é “praticamente o único caminho” que pode explicar a inclinação do planeta, afirma Kegerreis.

“As nossas descobertas confirmam que o resultado mais provável foi que o jovem Urano esteve envolvido numa colisão cataclísmica com um objeto duas vezes maior que a massa da Terra, se não maior, colocando-o de lado e definindo os eventos que ajudaram a criar o planeta que vemos atualmente”, explica Kegerreis.

De raspão

Urano reteve a sua atmosfera após o impacto, pormenor que é curioso. Os cientistas acreditam que isso aconteceu porque o objeto apenas rasou o planeta, atingindo-o com força suficiente para mudar a inclinação, mas não o suficiente para afetar a sua atmosfera.

É provável que este tipo de evento não seja incomum no Universo: “Todas as evidências apontam para frequentes impactos gigantescos durante a formação dos planetas, e com este tipo de investigação, estamos agora a obter mais informações sobre os efeitos em exoplanetas potencialmente habitáveis”, afirma Luis Teodoro, coautor do estudo e investigador do Centro de Pesquisa Ames da BAER/NASA.

De acordo com Kegerreis, a colisão poderia também explicar duas outras particularidades do planeta inclinado. Primeiro, poderia explicar como e por que algumas das luas de Urano se formaram.

Os investigadores acreditam que o impacto poderia ter derrubado rochas e gelo na órbita do jovem planeta – detritos que posteriormente se tornaram parte das 27 luas de Urano. Além disso, os cientistas acham que a colisão poderia ter alterado a rotação de quaisquer luas que já existissem naquela altura.

No ano passado, um outro estudo também explorou este aspeto da colisão. Os cientistas sugerem ainda que a colisão poderia ter criado gelo derretido e pedaços de rocha dentro do planeta, que fizeram com que o campo magnético inclinasse.

Os responsáveis pela investigação querem agora fazer simulações com uma resolução ainda maior para entender a fundo a evolução de Urano. A equipa também pretende estudar a química do planeta.

Urano é semelhante ao tipo mais comum de exoplanetas encontrados fora do nosso Sistema Solar, e os cientistas esperam que estas descobertas ajudem a explicar como é que estes planetas evoluíram, além de ajudar a entender melhor a sua composição química.

PARTILHAR

RESPONDER

Tribunal de Contas critica modelo de financiamento do Ensino Superior (e diz que Governo não cumpriu lei de bases)

No seguimento de uma auditoria ao método de financiamento do ensino superior, para o Tribunal de Contas (TdC), entre 2016 e 2018, o modelo de financiamento concretizado pelo governo não cumpriu o estipulado na Lei …

Cientistas encontram no Ébola um aliado inesperado contra os tumores cerebrais

Cientistas encontraram um gene do vírus do Ébola que mostrou ser útil no combate contra os glioblastomas, que são tumores cerebrais que reaparecem após serem eliminados. O gliobastoma é um tumor que cresce e espalha-se depressa …

Estivadores do Porto de Lisboa iniciam greve de três semanas

Os estivadores do Porto de Lisboa iniciam, esta quarta-feira, uma greve de três semanas em protesto contra os salários em atraso e incumprimento dos acordos celebrados por parte da Associação de Empresas de Trabalho Portuário …

Michael Vang. Passou despercebido por Portugal, mas carrega os sonhos de toda uma etnia

Michael Vang é dos pouquíssimos jogadores de origem Hmong a jogar futebol profissionalmente. Agora nos Estados Unidos, o jovem teve uma passagem apagada por Portugal. Os Hmong são um grupo étnico asiático originário das regiões montanhosas …

Há pessoas sem a parte olfativa do cérebro que conseguem cheirar (e cientistas não sabem porquê)

Cientistas encontraram casos em que as pessoas não tinham bulbo olfativo, a parte do cérebro responsável pelo olfato, mas mesmo assim conseguiam cheirar. Anosmia consiste na perda total ou parcial do olfato e esta é uma …

Cientistas detetam estranhos movimentos de gás na Via Láctea (em redor de algo "invisível")

Os astrónomos detetaram movimentos de nuvens de gás incomuns perto do centro da Via Láctea, que podem sugerir a presença de um desconhecido buraco negro de classe intermediária. Os investigadores que rastrearam os gases no centro …

Hackers podem facilmente piratear satélites (e transformá-los em armas)

Piratear satélites pode não ser assim tão complicado quanto pensamos. Os hackers podem simplesmente desligá-los ou até mesmo usá-los como armas. No mês passado, a SpaceX tornou-se a operadora da maior constelação de satélites ativos do …

Gelo a cair num buraco faz barulhos estranhos (e parece uma batalha de lasers)

Alguma vez pensou o que se ouve quando deixamos cair gelo num buraco gelado profundo? Já não precisamos de pensar mais - e já podemos ouvir. O vídeo do pedaço de gelo a cair num buraco …

Tribunal recusa exumar corpo. Rosa Grilo conhece sentença a 3 de março

A leitura do acórdão no processo do homicídio do triatleta ficou agendada, esta terça-feira, para o dia 3 de março. De acordo com o Diário de Notícias, a defesa de Rosa Grilo pediu a exumação do …

Revelados documentos que provam a investigação de OVNIs por parte do Pentágono

Documentos recentemente divulgados mostram que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos (EUA) financiou estudos sobre Objetos Voadores Não Identificados (OVNI's), contradizendo declarações recentes do Pentágono. Em 2017, o New York Times revelou a existência de …