Astrónomos revelam como se formam os “mundos habitáveis”

Astrónomos da Rússia e da Europa descobriram sob que condições se formam os planetas semelhantes com a Terra ou com as suas sósias maiores. E, segundo acreditam, a descoberta facilitará a procura de mundos potencialmente habitados.

Nos últimos anos, contam os cientistas, o telescópio Kepler e outros observatórios detetaram milhares de planetas que se encontram fora do Sistema Solar. A maior parte deles são “Júpiteres quentes”, conhecidos por gigantes gasosos, ou “Superterras” — planetas rochosos, cuja massa supera entra 1,8 e 3 a da Terra.

A forma como estas “sósias” da Terra se formam continua, até aos dias de hoje, a ser um enigma para os cientistas. Os investigadores acreditavam que o seu aparecimento necessitava de quaisquer condições exóticas.

De forma a desvendar o mistério, os cientistas criaram um modelo digital de disco protoplanetário, no qual se formam estrela e os seus satélites futuros. Com este modelo, os investigadores conseguiram finalmente descobrir quais as verdadeiras condições que contribuem para o nascimento destes planetas e dos seus irmãos de menor trabalho.

Ao mudarem a composição química dentro do disco, os pesquisadores concluíram que, ao contrário do que se acreditava, a poeira e os planetas não se formam dentro de centenas de milhares ou milhões de anos após nascimento de uma estrela. Pelo contrário, os planetas aparecem imediatamente depois do aparecimento do “embrião” da estrela.

Num primeiro momento, surge a poeira espacial que se junta de seguida, acabando por se converter num “calhau espacial”. Depois disso, transforma-se em objetos maiores que se podem, posteriormente, converter em planetas, caso a viscosidade do disco protoplanetário continuar a ser baixa.

Desta forma, e já nas próximas centenas de milhares de anos, um grande número de “pedras espaciais” pode surgir nos arredores mais próximos. O seu diâmetro atinge quase um metro e a sua massa total será centenas vezes maior de que a da Terra.

Assim, e segundo apontam os cientistas, há muitas oportunidades para que os planetas tenham tempo de se formar e não ser “devorados” por gigantes gasosos que nasceram em partes longínquas do disco. Consequentemente, caso se consigam formar, estes planetas vão concentrar-se em órbitas nos arredores de uma estrela recém-nascida.

Os investigadores esperam que estes modelos possam ajudar a compreender a frequência com que se formam as “Superterras”, perto de estrelas semelhantes ao sol, percebendo ainda quantas delas se situam dentro da zona habitável.

Os resultados da pesquisa foram publicados na blibioteca eletrónica da arXiv.org.

PARTILHAR

RESPONDER

Não há qualquer hipótese de resgatar os corpos dos 44 tripulantes do ARA San Juan

O ministro de Defesa da Argentina, Oscar Aguad, afirmou este domingo que não há tecnologia capaz de resgatar do mundo do mar o submarino ARA San Juan, localizado este sábado a 900 metros de profundidade …

Talvez os neandertais não fossem tão brutos como se pensava

Apesar de vários esqueletos de neandertais terem sido encontrados com ferimentos graves na cabeça e no pescoço, um novo estudo sugerem que não fossem tão violentos como se pensava. Na verdade, os níveis de lesões cranianas …

A galáxia mais brilhante do Universo é "canibal"

A galáxia mais brilhante já descoberta no Sistema Solar, a W2246-0526, localizada na constelação Aquarius, devorou não duas mas três das suas galáxias-satélite, o que pode explicar a sua forte luminosidade. De acordo com um novo …

Picasso roubado há 6 anos na Holanda terá sido encontrado sob uma árvore na Roménia

Procuradores romenos estão a investigar se um quadro que apareceu este sábado na Roménia é o mesmo que há seis anos foi roubado de um museu da Holanda, noticiou a agência de notícias Associated Press. A …

O colossal drone solar da Boeing vai voar em 2019

A Aurora Flight Sciences, subsidiária da Boeing, vai lançar em 2019 o seu drone solar Odysseus, que terá a capacidade voar durante meses de forma autónoma e o objectivo de dar acesso Internet a todo …

Justiça brasileira proíbe TV de divulgar inquérito sobre morte de Marielle Franco

A decisão judicial de proibir a emissão de reportagens sobre a investigação do assassinato da vereadora carioca responde a um pedido da polícia do Rio de Janeiro e do Ministério Público. A emissora afirma que …

Relatório revela 71 locais com elevado risco de inundações em Portugal

Portugal tem 71 zonas com elevado risco de inundação, de acordo com um relatório da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) que analisou fenómenos extremos ocorridos, fazendo previsões para o futuro. O relatório "Avaliação Preliminar do Risco …

Cinco pessoas mortas por intoxicação de CO em Vila Real

Cinco pessoas da mesma família morreram este domingo, devido a uma intoxicação, no concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, adiantou à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Vila Real. A …

O discurso de ódio já está em Portugal

O diretor da Amnistia Internacional Portugal, Pedro Neto, alertou, em entrevista à agência Lusa, para a presença do discurso de ódio em Portugal, apontando o combate à discriminação como o maior desafio atual dos direitos …

Menino francês suicida-se após castigo por usar telemóvel na escola

Um menino de 11 anos suicidou-se na cidade de Beausoleil, perto do Mónaco, no sul da França, depois de ter recebido um castigo no colégio por ter usado o telemóvel na sala de aula. A criança, …