/

Comer caladas, autocarro sem parque, pavilhão sujo: assim foi uma final europeia

BM Málaga

Rincón Fertilidad Málaga celebra conquista da Taça EHF

Episódios quase inacreditáveis rodearam a final feminina da Taça EHF. O diretor da equipa vencedora conta tudo o que aconteceu (e há muito para contar).

O Rincón Fertilidad Málaga conquistou a Taça EHF feminina desta época. A equipa espanhola venceu a prova europeia de andebol, depois de levar a melhor sobre o Lokomotiv Zagreb.

A final, disputada em dois jogos, terminou muito equilibrada, com um total de 60-59. Em Málaga, no primeiro duelo, as espanholas levaram a melhor por 32-28, enquanto na segunda “mão” as croatas venceram em casa por 31-28, ficando apenas a um golo de prolongar a final.

Foi a primeira final europeia para o Málaga e, por isso, este foi o primeiro troféu continental para as espanholas.

A notícia poderia acabar aqui – mas há muito mais para contar.

Uma lista comprida de…insólitos

Mal a comitiva espanhola aterrou na Croácia, toda a gente foi submetida a um exame severo (coronavírus). Todas caminharam 10 metros…e foram examinadas novamente. Um exame muito semelhante. Tudo à meia-noite.

Este relato foi deixado por Raúl Romero, diretor da Rincón Fertilidad, que contou que o hotel não era o esperado. Um hotel de três estrelas, onde o autocarro não entrava no parque de estacionamento: “Deixaram-nos a 500 metros do hotel, num dia de chuva. As raparigas foram a pé e chegaram ao quarto todas encharcadas. A equipa anfitriã organiza a viagem dos visitantes e, quando o Lokomotiv veio para cá, disponibilizámos um hotel de quatro estrelas. Os clubes aproveitam-se da situação do covid para esticar a corda”.

Eram 5h da madrugada e começaram umas filmagens no próprio hotel e na rua do hotel, para uma produção televisiva. “Não pudemos tomar o pequeno-almoço à hora que estava programado. Quando entrámos para comer, não podíamos falar, não podíamos fazer barulho. Qualquer ruído que houvesse atrapalhava as gravações”, continuou, em entrevista à Radio Marca de Málaga.

No dia do jogo, novamente às 5h da madrugada, toda a comitiva de Málaga acordou por causa do barulho de camiões na rua.

O pavilhão em Zagreb estava sujo, conta a presidente do clube, Pepa Moreno: “Pavilhão sujo, balizas sem as medidas regulamentares, o chão poderia ter causado lesões porque havia infiltrações… Não era digno de uma final. Estamos a falar de uma final europeia! Depois não houve um pódio para celebrarmos, não havia nenhuma bandeira de Espanha…”.

Romero acrescentou que, depois do jogo, tiverem de preencher à pressa um formulário de cinco páginas porque, se demorassem, iriam perder o avião.

  Nuno Teixeira, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.