Arábia Saudita terá urânio suficiente para produzir armas nucleares. Israel e EUA já tremem

USDoD / Wikimedia

O príncipe saudita Mohammed bin Salman

Um estudo encomendado pela Arábia Saudita a geólogos chineses revela que o país tem capacidade suficiente de urânio para produzir energia –  e para dar e vender – literalmente. Assim, o príncipe herdeiro prometeu que caso o Irão produza bombas nucleares, a Arábia Saudita também o fará.

Segundo o The Guardian, o estudo revela que é provável que a Arábia Saudita tenha reservas suficientes de urânio para produzir combustível nuclear. Esta informação levanta uma questão: estará Riade interessada num programa de armas nucleares, à semelhança do Irão, seu rival regional Irão? Parece que a resposta pode ser positiva, esta hipótese já está a gerar inquietação nos EUA e criar receios em Israel.

A equipa que elaborou o estudo foi encarregue de mapear as reservas de urânio sauditas. Estas reservas, resultantes de prospeção preliminar entre 2017 e 2019, que carece de confirmação posterior, estarão concentradas em três jazidas no centro e noroeste do país e atingirão cerca de 90 mil toneladas.

Riade assumiu há anos o desejo de minerar urânio para se tornar “autossuficiente” na produção de combustível nuclear, para reduzir a dependência do petróleo. Os valores apontados no relatório, do Instituto de Investigação Geológica de Urânio de Pequim e da Corporação Nacional Nuclear Chinesa, permitiriam não só cumprir essa ambição como exportar ter conhecimento da capacidade de exportação.

O assunto remete para declarações feitas pelo príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, que em 2018 assegurou que caso Teerão produzisse uma bomba nuclear, Riade faria o mesmo “o mais rapidamente possível”.

O cientista nuclear Mark Hibbs, do Instituto Carnegie pela Paz,  afirma que “quando se pondera desenvolver armas nucleares, quanto mais nativo for o programa nuclear, melhor. Nalguns casos os fornecedores externos de urânio exigem compromissos de fins pacíficos ao utilizador final. Se o urânio for nativo, não tem de haver preocupação com essas restrições”.

Um acordo com a Agência Internacional da Energia Atómica, firmado há 15 anos, permite à Arábia Saudita escapar a inspeções desde que se comprometa a limitar as quantidades de minério processado e a dar-lhe utilização pacífica. A agência quer rever esse pacto, embora Riade garanta que os objetivos são “pacíficos, evidentemente”.

Embora não entre em território saudita, a Agência está em contacto com o Instituto de Investigação Geológica de Urânio de Pequim. O envolvimento chinês explica-se, segundo “The Guardian”, por motivos comerciais e diplomáticos. Por um lado consegue um novo fornecedor de minérios, e cria laços com uma potência do Médio Oriente aliada dos Estados Unidos.

A novidade está a inquietar Washington

Um grupo de senadores americanos reagiu à notícia alertando Donald Trump, numa carta, para o risco de a Arábia Saudita produzir armas nucleares.

Na mensagem dos senadores pode ler-se: “Escrevemos para exprimir preocupação pelas notícias recentes de que a Arábia Saudita está a construir instalações nucleares secretas e pelos indícios de que o seu programa nuclear está a avançar rapidamente sem salvaguardas internacionais fortes”.

Na perspetiva do grupo, esta autonomia da Arábia Saudita pode “ameaçar seriamente o regime internacional de não-proliferação e os objetivos dos Estados Unidos no Médio Oriente”. Os senadores avisam ainda que a resistência de Mohammed bin Salman às propostas da IAEA “põe em causa as intenções pacíficas do programa nuclear de Riade”.

Também Israel comunicou aos Estados Unidos os seus receios perante a cooperação sino-saudita neste campo. De acordo o jornal digital israelita Walla, os  serviços de informações do Estado judaico comunicaram com os seus homólogos americanos sobre potenciais instalações nucleares sauditas e frisaram que o Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro do país, considera o assunto “muito sensível”.

Israel teme que a cooperação com a China se deva à não-exigência por Pequim de garantias de utilização pacífica.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Reino Unido em choque. Sabina Nessa pode ter sido assassinada por um estranho ainda em liberdade

Sabina Nessa, de 28 anos, terá sido assassinada enquanto caminhava pelo Cator Park, no sudeste de Londres, na passada sexta-feira. O percurso da sua casa até a um bar ia demorar apenas cinco minutos, mas …

A corrida a secretário-geral da UGT terá dois candidatos

É a primeira vez que a corrida à liderança da UGT conta com dois candidatos: além de José Abraão, atual dirigente da Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap), Mário Mourão, presidente do Sindicato dos …

Colapso da Evergrande. China pede a governos regionais que se "preparem para a possível tempestade"

As autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais para se prepararem para um possível colapso da Evergrande. O The Wall Street Journal noticia, esta quinta-feira, que as autoridades chinesas estão a pedir aos governos regionais …

Governo vai testar 35 mil funcionários de creches e pré-escolar até 3 de outubro

Os funcionários das creches, do pré-escolar e a rede nacional de amas começaram esta quinta-feira a ser testados à covid-19, numa ação que até 3 de outubro abrangerá 35 mil pessoas em todo o país. O …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

EUA reabrirá campo de detenção de migrantes perto da prisão de Guantánamo

A administração do Presidente dos Estados Unidos (EUA) Joe Biden se prepara para reabrir um campo de detenção de migrantes na Baía de Guantánamo, após um aumento de migrantes e requerentes de asilo no sul …

Défice desce para 5,3% do PIB no 2.º trimestre do ano

O défice orçamental do primeiro semestre deste ano é de 5,5% do PIB. A meta do ministro das Finanças para o ano de 2021 é de 4,5%.  O défice orçamental fixou-se em 5,3% do PIB no …

É a maior contração desde 1995. INE revê queda do PIB para 8,4%

A queda foi pior do que se esperava: o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 8,4% e não 7,6%, indicam os recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 8,4% em …

EUA aprovam terceira dose da Pfizer para maiores de 65 anos e grupos de risco

A Food and Drugs Adminustration (FDA) anunciou, na noite de quarta-feira, ter dado luz verde à administração de uma terceira dose da vacina da Pfizer em alguns casos. O organismo que regula a comercialização de medicamentos …

Estabelecimentos de Santos vão encerrar mais cedo. Psicólogos alertam que fim de restrições pode levar a excessos

Redução do horário é a solução encontrada pelos empresários para dar resposta à recente onda de criminalidade que se tem registado na zona de Santos. Especialistas em psicologia apontam o levantar das medidas de restrição, …