Coligação contra PS aprova recuperação integral do tempo de serviço dos professores

Tiago Petinga / Lusa

O parlamento aprovou esta quinta-feira uma alteração ao decreto do Governo, com os votos contra do PS e o apoio de todas as outras forças políticas, estipulando que o tempo de serviço a recuperar são os nove anos, quatro meses e dois dias reivindicados pelos sindicatos docentes.

Contrariando a vontade do Executivo, que diz não haver cabimento orçamental para as reposições salariais, os deputados do PSD, CDS, BE e PCP aprovaram esta quinta-feira a recuperação “integral” do tempo de serviço dos professores.

Com os votos contra do PS, a comissão parlamentar de Educação e Ciência aprovou uma nova redação do artigo 1.º do diploma do Governo, que agora passa a prever a recuperação integral do tempo de serviço: 3.411 dias congelados.

O Executivo tem sustentado a ideia de que esta medida violaria a norma-travão que bloqueia propostas que influenciem receitas e despesas não contempladas no Orçamento do Estado, tendo ameaçado com um pedido de fiscalização a Constitucionalidade da decisão.

Para contornar a norma-travão, PSD, CDS, BE e PCP concordaram em apresentar uma fórmula alternativa que reconhece o tempo de serviço mas não devolve já aos professores os aumentos salariais.

Um dia importante para os professores

Após a votação, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, considerou que hoje “é um dia importante” para os professores que viram reconhecidos pelo parlamento todo o tempo de serviço congelado, mas lembra que a suspensão da luta está dependente de 10 estruturas sindicais.

Greve às aulas durante o terceiro período ou às avaliações eram duas das formas de luta que os docentes estavam dispostos a levar a cabo caso não vissem reconhecidos os nove anos, quatro meses e dois dias de serviço congelado.

Sobre a eventual não realização de greves, Mário Nogueira disse que essa não é uma decisão de um dirigente sindical nem de apenas uma das 10 estruturas sindicais que ao longo de mais de um ano estiveram em negociações com o Governo para a contabilização do tempo de serviço.

Para já, Mário Nogueira não tem dúvidas de uma coisa: “Há ali ganhos”, afirmou, referindo-se ao reconhecimento dos mais de nove anos de serviço. “É um dia importante”, salientou, apesar de manter a ressalva de que é preciso “aguardar pelo texto” final que sairá da comissão de Educação e Ciência para depois poder “decidir em conformidade”.

Entre os “avanços importantes”, o secretário-geral da Fenprof salientou o facto de no próximo ano todos os docentes recuperarem dois anos, nove meses e dois dias de tempo de serviço em vez de essa recuperação ficar dependente do momento em que os professores subiam de escalão, tal como previsto no diploma do Governo, liderado pelo socialista António Costa.

Outro dos pontos positivos prende-se com a proposta de esses dois anos e nove meses, com efeitos retroativos a janeiro deste ano, acontecer de uma vez em 2020.

“Uma coisa que pelo Governo estava mais do que fechada e o tempo de serviço apagado, neste momento ganha uma nova vida”, salientou, lembrando que o tempo de serviço “já não está em dúvida”.

A proposta de alteração ao diploma do Governo, escrita no decurso dos trabalhos, procura contornar as alegações de inconstitucionalidade lançadas pelo PS e sublinhadas pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, na última terça-feira, numa audição pela mesma comissão parlamentar.

Costa convoca reunião de urgência do Governo

O primeiro-ministro convocou para sexta-feira de manhã, com caráter de urgência, uma reunião extraordinária de coordenação política do Governo, depois de o parlamento ter aprovado a contabilização total do tempo de serviço dos professores.

Fonte oficial do executivo adiantou à agência Lusa que esta reunião terá lugar na residência oficial do primeiro-ministro, em São Bento, e nela estará presente o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Em entrevista ao Expresso, a secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes dizia, ainda antes da votação desta quinta-feira, que “não pode ser tudo deitado fora” pela esquerda nas votações desta quinta-feira sobre as carreiras dos professores, e apelava à “responsabilidade.

“Num dia não podemos dizer ‘que grandes feitos conseguimos, que melhoria de vida trouxemos às pessoas’, e noutro dia deitar tudo por terra”, disse a deputada e número dois do partido socialista. “Por uma razão: quem vai sofrer não serão o PS, o BE, o PCP ou o PEV; serão os portugueses”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Chega propõe até 12 anos de prisão para violadores e castração química dos reincidentes

Esta segunda-feira, André Ventura, deputado único do Chega, entregou no Parlamento um projeto de lei que altera o Código Penal e endurece as penas pelo crime de violação. O deputado único do Chega, André Ventura, entregou …

Tribunal de Contas continua a encontrar lacunas na informação sobre custo das medidas de resposta à pandemia

No seu segundo relatório sobre a execução orçamental das medidas de resposta à covid-19, que cobre o período até 30 de setembro, o Tribunal de Contas vê melhorias no reporte de informação face ao que …

Biden propõe ajuda financeira para as famílias separadas na fronteira com o México

Os EUA poderão vir a pagar transportes, cuidados de saúde, serviços jurídicos e serviços de emprego e de educação aos migrantes que foram separados ao abrigo da estratégia de “tolerância zero” nas fronteiras, disse o …

2 de março de 2020. Confinamentos, recordes, três vagas e um "milagre" depois

O primeiro caso de covid-19 em Portugal foi registado há precisamente um ano. 365 dias depois, o medo esfumou-se, mas a incerteza permanece. A 2 de março de 2020 foram confirmados em Portugal os primeiros casos …

Ex-presidente do Peru forçou esterilizações ilegais para reduzir pobreza no país

O ex-Presidente peruano Alberto Fujimori e os seus ministros da Saúde Eduard Yong, Marino Costa e Alejandro Aguinaga foram acusados esta segunda-feira em tribunal de terem utilizado e forçado a esterilização de mulheres andinas para …

Há um mistério geológico na Sibéria a intrigar os cientistas da NASA

Umas ondulações visíveis na superfície de uma região siberiana próxima ao rio Markha, na Rússia, estão a intrigar os investigadores da NASA. Cientistas da NASA publicaram recentemente um conjunto de imagens no portal Earth Observatory de …

ONU revela provas de envolvimento do Governo russo no envenenamento de Navalny

Especialistas da ONU que investigaram o envenenamento do líder da oposição russa, Alexei Navalny, disseram esta segunda-feira que as provas apontam para um "provável envolvimento" de altos funcionários do Estado russo. As duas investigadoras, que durante …

Saída de Costa e regresso de Passos Coelho "pode mudar de alto a baixo a trajetória da vida política"

Luís Marques Mendes e António Costa Pinto debateram a política nacional pós-pandemia. Convergiram na convicção de que a legislatura chegará ao fim, em 2023, mas uma saída de cena de Costa e um regresso de …

"O próximo Bruno Fernandes?". Pedro Gonçalves em destaque na BBC

"Terá o Sporting encontrado o novo Bruno Fernandes?", pergunta a BBC num artigo em que destaca o papel de Pedro Gonçalves na transformação do Sporting num candidato ao título. As exibições de Pedro Gonçalves não têm …

Tortura e prisões arbitrárias após o 25 de Abril. Marcelo retirou selo de "secreto" ao Relatório das Sevícias

A Presidência da República retirou a classificação de "secreto" ao chamado "Relatório das Sevícias" que analisou os acontecimentos entre o 25 de Abril de 1974 e o 25 de Novembro de 1975, concluindo que houve …