Apoio às rendas, subsídios a fundo perdido e flexibilização do pagamento do IVA. Siza anuncia medida para empresas

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, anunciou esta quinta-feira uma série de medidas para ajudar as empresas a fazer face à crise desencadeada pela pandemia de covid-19, que em Portugal já matou 5.278 pessoas.

De acordo com as medidas, o Estado passará a apoiar o pagamento de algumas rendas comerciais e há ainda apoios a fundo perdido para as grandes empresas.

O Governo vai ainda alargar o programa Apoiar a empresas de média dimensão e flexibilizar o IVA em prestações no primeiro semestre de 2021, à semelhança do que tinha feito na primeira vaga da pandemia de covid-19 em Portugal.

Fundo de tesouraria de 750 ME

O Governo começou por anunciar esta quinta-feira a criação de um fundo de tesouraria de apoio às micro e pequenas empresas no valor de 750 milhões de euros e prevê que a medida seja lançada no início do próximo ano.

Esta decisão do Governo materializa uma medida que foi incluída no Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) por proposta do PEV para a criação de um fundo de tesouraria destinado a empresas de menor dimensão.

Trata-se, segundo referiu o ministro da Economia, Pedro Siza Viera, de uma linha de financiamento com uma dotação de 750 milhões de euros, com um prazo de reembolso até cinco anos e um período de carência de 18 meses.

Esta medida integra o novo pacote de apoio às empresas esta quinta-feira aprovado em Conselho de Ministros, na sequência do impacto da pandemia e das medidas necessárias para a conter e que contempla quer o alargamento de medidas já lançadas, quer o lançamento de novos apoios.

Em traços gerais, este novo pacote atua em cinco áreas contemplando instrumentos de apoio ao emprego, o alargamento do programa Apoiar, apoio ao pagamento de rendas, diferimento do pagamento de impostos e medidas de financiamento.

A parte dedicada ao financiamento, além do referido fundo de tesouraria, inclui o alargamento em 300 milhões de euros da linha de crédito para empresas exportadoras, com uma dotação de 1.050 milhões de euros.

Esta linha de crédito agora anunciada, que será estendida a empresas do setor do turismo com peso nas exportações, prevê um financiamento às empresas em função dos postos de trabalho, contemplando o acesso a um crédito de 4.000 euros por posto de trabalho, dos quais, 20% (800 euros) poderão converter-se num apoio a fundo perdido se no final de 2021 o emprego se mantiver.

Esta medida de acesso a um crédito de 4.000 euros por posto de trabalho com possibilidade de conversão de 20% do valor a fundo perdido vai também contemplar as empresas que se dedicam à prestação de serviços de eventos, segundo referiu o ministro.

Outra das medidas na área do financiamento prevê uma linha de crédito de 750 milhões de euros para as grandes empresas dos setores mais afetados pela pandemia, com o limite de 10 milhões de euros por empresa.

Apoios no arrendamento

As empresas com quebra de faturação superior a 25% vão ter um apoio a fundo perdido de 30% e 50% do valor da renda mensal, sendo este pago em duas tranches ao longo do primeiro semestre de 2021.

O apoio ao pagamento das rendas integra o pacote de medidas aprovadas pelo Governo para serem aplicadas durante os primeiros seis meses do próximo ano com o objetivo de mitigar o impacto da pandemia na tesouraria das empresas, num total de 7.200 milhões de euros, dos quais 1.400 milhões de euros são a fundo perdido.

As empresas com uma quebra de faturação entre 25% e 40% receberão um apoio equivalente a 30% do valor da renda, até um máximo de 1.200 euros por mês.

Já para as empresas com quebras de faturação superior a 40%, o apoio às rendas será equivalente a 50% destes custos, até ao máximo de 2.000 euros por mês.

Na conferência de imprensa em que as medidas foram apresentadas, o ministro de Estado e da Economia  adiantou que as candidaturas a este apoio deverão iniciar-se em janeiro.

“Contamos que o apoio às rendas, calculado em função da quebra de faturação, seja pago em duas tranches, no primeiro e no segundo trimestres de 2021 e esperamos poder lançar as candidaturas em janeiro”, referiu o ministro da Economia, ressalvado que o programa permite que o apoio seja concedido para fazer face aos custos com as rendas dos primeiros seis meses de 2021 pelo que mesmo que a candidatura ocorra mais tarde, a empresa não será prejudicada por eventuais atrasos.

Siza Vieira disse ainda que este programa de apoio às rendas conta com uma dotação de 300 milhões de euros e vai permitir pagar até 50% do valor das rendas por inteiro até rendas de 4.000 euros, o que corresponde “a 95% ou mais das rendas comerciais” no país.

Assim, uma empresa que registe nos primeiros nove meses de 2020 uma quebra de faturação homóloga de 45% e que pague uma renda de 5 mil euros mensais terá direito a um apoio mensal a fundo perdido de 2 mil euros, num total de 12 mil euros no semestre.

O mecanismo que vai ser usado para as candidaturas das rendas vai ser o mesmo do programa Apoiar, acrescentou ainda o ministro durante a conferência de imprensa.

Contratos de arrendamento “blindados” até junho

Ainda no âmbito das rendas, o Governo aprovou uma proposta de lei, que será discutida na generalidade pelo parlamento esta sexta-feira, onde, na vertente não habitacional prevê o prolongamento até 30 de junho de 2021 da suspensão atualmente em vigor de efeitos relacionados com a suspensão dos contactos.

Esta proposta irá a votação final global no dia 22 de dezembro e não contempla os arrendamentos de centros comerciais.

Tratando-se de estabelecimentos encerrados desde março, a proposta prevê o diferimento para janeiro de 2022, do início do pagamento das rendas relativos a 2020. Rendas de 2021 são diferidas para a mesma data, podendo os montantes ser pagos em 24 prestações.

“São medidas que visam ajudar as empresas a viver num contexto em que a procura teve uma grande redução”, referiu ainda o ministro Siza Vieira, precisando que, sendo a existência de clientes o que mais faz falta às empresas neste momento, estas medidas procuram ajuda-las a cobrir os custos mais relevantes numa altura em que a “forma normal de pagar esses custo” não está a funcionar.

Flexibilização do pagamento do IVA

O Governo aprovou também nesta quinta-feira, em Conselho de Ministros, um diploma que permite que empresas com uma quebra de faturação de pelo menos 25% possam pagar o IVA em prestações no primeiro semestre de 2021.

“Foi aprovado o decreto-lei que flexibiliza, no 1.º semestre de 2021, o cumprimento das obrigações tributárias em sede de IVA [imposto sobre o valor acrescentado], como forma de apoiar e reforçar a liquidez das empresas”, lê-se no comunicado do Conselho de Ministros, que hoje se realizou.

“Para o efeito, prevê-se que os sujeitos passivos abrangidos, verificada uma quebra de faturação de, pelo menos, 25% face ao período homólogo, possam efetuar pagamentos em três ou seis prestações mensais, sem juros”, deste imposto, de acordo com a nota.

O Governo já tinha aprovado um regime extraordinário para os pagamentos previstos até dia 30 de novembro, permitindo que micro, pequenas e médias empresas, bem como trabalhadores independentes escolhessem aderir ao faseamento em três ou seis prestações, sem juros. Assim, o IVA trimestral podia ser saldado até 30 de novembro ou em três ou seis prestações mensais.

O Conselho de Ministros dessa altura aprovou a possibilidade de pagamento a prestações do IVA no mês de novembro de 2020 e de contribuições para a Segurança Social referentes aos meses de novembro e dezembro de 2020.

Alargamento do programa Apoiar

O Governo aprovou o lançamento de novos instrumentos de apoios à tesouraria das empresas, incluindo apoio diretos às rendas não habitacionais de micro e PME, tendo ainda decidido alargar às médias empresas o programa Apoiar.

O programa Apoiar – que permite às empresas o acesso a subsídios a fundo perdido em função da quebra de faturação – vai ser alargado às médias empresas e empresários em nome individual sem contabilidade organizada.

“Foi aprovada a resolução que procede ao alargamento dos instrumentos de apoio à situação de tesouraria das empresas já lançados”, entre os quais se inclui o “alargamento do Programa Apoiar a médias empresas e empresários em nome individual sem contabilidade organizada”, refere o comunicado do Conselho de Ministros.

A mesma resolução procede também ao alargamento da linha de crédito “dirigida ao setor industrial exportador, aumentando a sua dotação e passando a incluir as empresas que operam no setor do turismo como potenciais beneficiárias”.

O objetivo é “garantir um apoio imediato à liquidez, eficiência operacional e saúde financeira de curto-prazo, bem como apoios diretos ao arrendamento não habitacional”.

Todas estas medidas serão esta sexta-feira à tarde detalhadas numa conferência de imprensa conjunta dos ministros de Estado e da Economia e do Trabalho.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Já perdi a conta a tantas ajudas anunciadas pelo governo….falam em milhares de euros e milhões para depois na prática se resumir a meia tuta de trocos…

RESPONDER

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …

Reino Unido quer reconhecer animais como seres com sentimentos

O Governo britânico anunciou um amplo plano de defesa dos animais que inclui medidas como o reconhecimento dos animais como seres com sentimentos, a proibição da exportação de animais vivos e da importação de troféus …

PAN rejeita "via verde" para o Governo (e admite travar próximo Orçamento "se necessário")

O PAN não pretende oferecer “uma via verde para o Governo fazer o que bem entender” e admite mesmo travar o Orçamento de Estado "se for necessário". As palavras são da presidente do Grupo Parlamentar do …

Bloco quer administração da RTP nomeada pela Assembleia da República

O Bloco de Esquerda fez várias propostas à revisão do contrato de concessão do serviço público de rádio e televisão. Do lado dos trabalhadores da RTP, a proposta foi arrasada. O Governo colocou em consulta pública, …

Decisão da insolvência da Groundforce pode demorar dois meses. Salários de maio em risco

Os salários de maio de 2400 trabalhadores da Groundforce devem ser pagos dentro de duas semanas, mas é grande a probabilidade de que isso não aconteça, à semelhança do que ocorreu em fevereiro, elevando as …

Pedro Nuno Santos garante que investimento público em redes de nova geração vai avançar

Pedro Nuno Santos garantiu, na quinta-feira, que o “investimento público” em redes de comunicações eletrónicas “vai avançar”, de forma a levar conectividade às regiões do país onde as redes das operadoras privadas não chegam. O ministro …