Apenas 3% da população está vacinada. 53% dos idosos com mais de 80 anos já recebeu primeira dose

PAHO / WHO

Mais de 340 mil portugueses têm a vacinação completa contra a covid-19, no âmbito do plano que já administrou mais 1,1 milhões de doses desde o final de dezembro, anunciou, esta terça-feira, a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o quinto relatório do processo de vacinação em Portugal continental divulgado pela DGS, 46.033 pessoas completaram com a toma da segunda dose a vacinação na última semana, enquanto outras 85.498 receberam a primeira dose.

Um total de 341.034 pessoas têm assim a vacinação completa – 3% da população – e 827.902 já foram vacinadas com a primeira dose (cerca de 8% da população), fazendo com que tivessem sido administradas 1.168.936 vacinas em Portugal continental desde 27 de dezembro, quando se iniciou a campanha nacional de vacinação contra o SARS-CoV-2.

Segundo o relatório, Portugal recebeu 1.468.929 de vacinas, tendo sido distribuídas pelos postos de vacinação do país 1.264.093 doses.

Por grupos etários, 53% dos idosos com 80 ou mais anos (349.269 pessoas) já receberam a primeira dose e 16% (104.011) já têm a vacinação completa.

O segundo grupo com maior percentagem de vacinação é o das pessoas entre os 50 e os 64 anos, no qual 10% (200.596) já tomou a primeira dose e 4% (73.759) já têm a vacinação completa.

Dos portugueses elegíveis para vacinação no grupo entre os 25 e os 49 anos, 6% (185.603) já recebeu a primeira dose e 4% (121.141) já tomou as duas doses.

Por regiões, Lisboa e Vale do Tejo lidera no número de vacinas administradas, com um total de 384.711, 48.145 das quais na última semana, seguindo-se o Norte, onde 381.184 pessoas já foram vacinadas, 38.539 nos últimos sete dias.

Seguem-se a região Centro com 270.470 vacinas administradas, o Alentejo, onde já foram vacinadas 85.755 pessoas, e o Algarve, com um total de 45.040 inoculações.

Na segunda-feira, o coordenador da task-force do plano de vacinação, Henrique Gouveia e Melo, reconheceu que este processo vai sofrer um atraso de duas semanas devido à suspensão temporária, por precaução, da administração da vacina da AstraZeneca.

Recuperamos “em cinco ou seis dias”

Gouveia e Melo evitou expressar a sua posição sobre esta suspensão temporária, mas manifestou-se confiante em retomar o processo de vacinação em cinco ou seis dias.

Não tenho de estar de acordo, nem deixar de estar de acordo. É uma decisão de duas autoridades: a autoridade de saúde, que é a Direção-Geral da Saúde e a autoridade do medicamento, que é o Infarmed. A minha função, enquanto coordenador do plano, é adaptar o plano às circunstâncias que existem neste momento. Tenho de respeitar as orientações desses órgãos”, disse em entrevista à agência Lusa.

“Se a pausa não for muito prolongada, retomaremos o ritmo que estávamos a ter com a vacina da AstraZeneca e recuperamos muito rapidamente esta pausa, que é uma pausa de cinco, seis dias… o que for necessário para se esclarecer a dúvida que existe neste momento”, afirmou o vice-almirante.

Questionado sobre a mudança em apenas 24 horas da decisão de DGS e Infarmed sobre a segurança da continuidade da administração da vacina desenvolvida pelo laboratório sueco e a Universidade de Oxford, o coordenador da task-force defendeu que a explicação cabe a essas duas autoridades.

“Não sou eu que tenho de explicar isso. Quem tem de explicar é a DGS e o Infarmed. No entanto, posso dizer que há uma instabilidade na informação e havendo instabilidade na informação e havendo novos dados, as decisões, muitas vezes, não podem ser mantidas. Mesmo que seja de um dia para o outro”, observou.

“Não é uma suspensão, é uma pausa. Não há nada que indique que vá haver uma suspensão da vacina. Há uma pausa para avaliar os dados de forma cautelar, evitando continuar a vacinar enquanto não se tiver uma certeza maior sobre o que aconteceu e os casos que foram descritos como sendo casos graves de reação, que não se consegue perceber se é reação ou não à vacinação. Enquanto isso não estiver clarificado, a vacinação foi posta em pausa”, explicou ainda Gouveia e Melo.

O responsável reiterou que a vacina da AstraZeneca “é uma vacina segura”, à semelhança do que referiu já o primeiro-ministro, António Costa, e lembrou que “há países que não pararam e continuam a vacinar, países com sistemas muito fortes” ao nível da regulação e investigação em saúde.

“Tenho a expectativa que seja uma pausa curta, uma pausa cautelar e que logo que estejam reunidas as condições para o nosso regulador e a nossa DGS se sentirem confortáveis com as investigações que, entretanto, vão ser discutidas na EMA se reinicie o processo normalmente, porque a vacina é uma vacina segura, tudo indica que é uma vacina segura. E os dados são dados que de forma muito difícil têm uma relação de causa efeito com a vacina”, frisou.

Contudo, o coordenador admitiu consequências negativas para o processo de vacinação em curso se a pausa se prolongar por muito tempo, ao reconhecer que, além do assumido atraso na vacinação dos docentes e auxiliares do pré-escolar e primeiro ciclo prevista para este fim-de-semana, “afetará necessariamente o mês de abril”, levando a primeira fase, que terminaria “em meados de abril”, a acabar “uma semana depois”.

Pausa terá “efeito negativo na confiança” das pessoas

Em declarações ao jornal ECO, o infeciologista António Silva Graça considerou que a pausa na administração desta vacina vai ter “um impacto grande” na vacinação, assim como um “efeito muito negativo na confiança” das pessoas em todo o processo. Porém, reconheceu que foi a “atitude mais prudente”.

De forma a ser retomada a confiança nesta vacina, “as pessoas têm de perceber que foi a atitude mais prudente”, defendeu, explicando que “só a avaliação é que permitirá novamente dar credibilidade a vacinação com esta vacina”.

A aprovação de novas vacinas neste momento, referiu o profissional, “ganha outra importância porque aumenta a necessidade”.

Recorde-se que, além da AstraZeneca, Portugal está a administrar atualmente outras duas vacinas das farmacêuticas Moderna e Pfizer, devendo receber, no próximo mês, as primeiras doses da vacina de toma única da Janssen, do grupo Johnson & Johnson.

Já esta segunda-feira, a ministra da Saúde disse que o país conta receber no segundo trimestre cerca de quatro milhões de vacinas da Pfizer/BioNTech, com quem Bruxelas acordou a antecipação do fornecimento de 10 milhões de doses.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

China vai limitar abortos. E nada tem a ver com saúde

A China vai reduzir o número de abortos realizados por motivos que não estejam relacionados com a saúde, anunciou o governo esta segunda-feira, avançando que serão também criadas medidas para evitar a gravidez indesejada. As autoridades …

Crónica ZAP - Linha de Fundo por Teófilo Fernando

Linha de Fundo: SL7, arte e paciência

Líder soma e segue. Leões e dragões vencem à justa. As frases e os números da semana. Visto da Linha de Fundo. Líder reina no castelo Vitória SC 1 (Bruno Duarte 78', g.p.) – SL Benfica …

"Atropelamento e fuga." Terra e Vénus cresceram como planetas rebeldes

Planetas como a Terra e Vénus, que residem dentro de Sistemas Solares, são fruto de repetidas colisões. Esta conclusão desafia os modelos convencionais sobre a formação de planetas. Investigadores do Laboratório Lunar e Planetário (LPL) da …

A origem do "Gigante de Segorbe" pode finalmente ter sido esclarecida

Um novo estudo revela que a origem do "Gigante de Segorbe" pode ser bastante mais complexa daquilo que se pensava. O "Gigante de Segorbe", como é conhecido, foi um indivíduo encontrado por arqueólogos numa necrópole islâmica …

Instagram suspende planos de uma versão da aplicação para crianças

Para já, a empresa ainda não fez se se trata de um abandono temporário ou definitivo. Tempestade mediática em torno da influência das redes sociais na saúde mental dos jovens, sobretudo raparigas, pode ter influenciado …

Com todos os votos contados, PS vence com pior resultado que em 2013 e PSD conquista 113 câmaras

PS continua a ser o partido com mais representação autárquica em Portugal, apesar de cair para números anteriores à liderança de António Costa. PSD recupera das hecatombes de 2013 e 2017. Quase 24 horas depois após …

Presidente sul-coreano admite proibir consumo de carne de cão

O Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, admitiu, esta segunda-feira, a possibilidade de proibir o consumo de carne de cão, costume que se tornou "uma vergonha internacional", segundo fonte do seu gabinete. "Não terá chegado …

Pelo menos 24 países criaram novas leis para controlar o conteúdo na Internet, revela relatório

Autoridades de pelo menos 24 países, incluindo os Estados Unidos (EUA), estabeleceram novas regras que determinam o tratamento dos conteúdos por parte das plataformas 'online', concluiu um relatório da Freedom House. No seu relatório anual, intitulado …

Exames nacionais e provas de aferição deverão “retomar a normalidade” este ano

Depois de dois anos letivos condicionados pela pandemia da covid-19, o Governo está apostado em retomar, entre outras formas de avaliação, a obrigatoriedade de exames nacionais nas disciplinas de conclusão do ensino secundário. Os exames nacionais …

Advogados dizem que há questões "pontuais" por resolver no SEF do aeroporto de Lisboa

Responsável pela Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados reveleu que mantém uma "estreita relação e cooperação com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e que o centro de instalação temporária no aeroporto …