Apenas 3% da população está vacinada. 53% dos idosos com mais de 80 anos já recebeu primeira dose

PAHO / WHO

Mais de 340 mil portugueses têm a vacinação completa contra a covid-19, no âmbito do plano que já administrou mais 1,1 milhões de doses desde o final de dezembro, anunciou, esta terça-feira, a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Segundo o quinto relatório do processo de vacinação em Portugal continental divulgado pela DGS, 46.033 pessoas completaram com a toma da segunda dose a vacinação na última semana, enquanto outras 85.498 receberam a primeira dose.

Um total de 341.034 pessoas têm assim a vacinação completa – 3% da população – e 827.902 já foram vacinadas com a primeira dose (cerca de 8% da população), fazendo com que tivessem sido administradas 1.168.936 vacinas em Portugal continental desde 27 de dezembro, quando se iniciou a campanha nacional de vacinação contra o SARS-CoV-2.

Segundo o relatório, Portugal recebeu 1.468.929 de vacinas, tendo sido distribuídas pelos postos de vacinação do país 1.264.093 doses.

Por grupos etários, 53% dos idosos com 80 ou mais anos (349.269 pessoas) já receberam a primeira dose e 16% (104.011) já têm a vacinação completa.

O segundo grupo com maior percentagem de vacinação é o das pessoas entre os 50 e os 64 anos, no qual 10% (200.596) já tomou a primeira dose e 4% (73.759) já têm a vacinação completa.

Dos portugueses elegíveis para vacinação no grupo entre os 25 e os 49 anos, 6% (185.603) já recebeu a primeira dose e 4% (121.141) já tomou as duas doses.

Por regiões, Lisboa e Vale do Tejo lidera no número de vacinas administradas, com um total de 384.711, 48.145 das quais na última semana, seguindo-se o Norte, onde 381.184 pessoas já foram vacinadas, 38.539 nos últimos sete dias.

Seguem-se a região Centro com 270.470 vacinas administradas, o Alentejo, onde já foram vacinadas 85.755 pessoas, e o Algarve, com um total de 45.040 inoculações.

Na segunda-feira, o coordenador da task-force do plano de vacinação, Henrique Gouveia e Melo, reconheceu que este processo vai sofrer um atraso de duas semanas devido à suspensão temporária, por precaução, da administração da vacina da AstraZeneca.

Recuperamos “em cinco ou seis dias”

Gouveia e Melo evitou expressar a sua posição sobre esta suspensão temporária, mas manifestou-se confiante em retomar o processo de vacinação em cinco ou seis dias.

Não tenho de estar de acordo, nem deixar de estar de acordo. É uma decisão de duas autoridades: a autoridade de saúde, que é a Direção-Geral da Saúde e a autoridade do medicamento, que é o Infarmed. A minha função, enquanto coordenador do plano, é adaptar o plano às circunstâncias que existem neste momento. Tenho de respeitar as orientações desses órgãos”, disse em entrevista à agência Lusa.

“Se a pausa não for muito prolongada, retomaremos o ritmo que estávamos a ter com a vacina da AstraZeneca e recuperamos muito rapidamente esta pausa, que é uma pausa de cinco, seis dias… o que for necessário para se esclarecer a dúvida que existe neste momento”, afirmou o vice-almirante.

Questionado sobre a mudança em apenas 24 horas da decisão de DGS e Infarmed sobre a segurança da continuidade da administração da vacina desenvolvida pelo laboratório sueco e a Universidade de Oxford, o coordenador da task-force defendeu que a explicação cabe a essas duas autoridades.

“Não sou eu que tenho de explicar isso. Quem tem de explicar é a DGS e o Infarmed. No entanto, posso dizer que há uma instabilidade na informação e havendo instabilidade na informação e havendo novos dados, as decisões, muitas vezes, não podem ser mantidas. Mesmo que seja de um dia para o outro”, observou.

“Não é uma suspensão, é uma pausa. Não há nada que indique que vá haver uma suspensão da vacina. Há uma pausa para avaliar os dados de forma cautelar, evitando continuar a vacinar enquanto não se tiver uma certeza maior sobre o que aconteceu e os casos que foram descritos como sendo casos graves de reação, que não se consegue perceber se é reação ou não à vacinação. Enquanto isso não estiver clarificado, a vacinação foi posta em pausa”, explicou ainda Gouveia e Melo.

O responsável reiterou que a vacina da AstraZeneca “é uma vacina segura”, à semelhança do que referiu já o primeiro-ministro, António Costa, e lembrou que “há países que não pararam e continuam a vacinar, países com sistemas muito fortes” ao nível da regulação e investigação em saúde.

“Tenho a expectativa que seja uma pausa curta, uma pausa cautelar e que logo que estejam reunidas as condições para o nosso regulador e a nossa DGS se sentirem confortáveis com as investigações que, entretanto, vão ser discutidas na EMA se reinicie o processo normalmente, porque a vacina é uma vacina segura, tudo indica que é uma vacina segura. E os dados são dados que de forma muito difícil têm uma relação de causa efeito com a vacina”, frisou.

Contudo, o coordenador admitiu consequências negativas para o processo de vacinação em curso se a pausa se prolongar por muito tempo, ao reconhecer que, além do assumido atraso na vacinação dos docentes e auxiliares do pré-escolar e primeiro ciclo prevista para este fim-de-semana, “afetará necessariamente o mês de abril”, levando a primeira fase, que terminaria “em meados de abril”, a acabar “uma semana depois”.

Pausa terá “efeito negativo na confiança” das pessoas

Em declarações ao jornal ECO, o infeciologista António Silva Graça considerou que a pausa na administração desta vacina vai ter “um impacto grande” na vacinação, assim como um “efeito muito negativo na confiança” das pessoas em todo o processo. Porém, reconheceu que foi a “atitude mais prudente”.

De forma a ser retomada a confiança nesta vacina, “as pessoas têm de perceber que foi a atitude mais prudente”, defendeu, explicando que “só a avaliação é que permitirá novamente dar credibilidade a vacinação com esta vacina”.

A aprovação de novas vacinas neste momento, referiu o profissional, “ganha outra importância porque aumenta a necessidade”.

Recorde-se que, além da AstraZeneca, Portugal está a administrar atualmente outras duas vacinas das farmacêuticas Moderna e Pfizer, devendo receber, no próximo mês, as primeiras doses da vacina de toma única da Janssen, do grupo Johnson & Johnson.

Já esta segunda-feira, a ministra da Saúde disse que o país conta receber no segundo trimestre cerca de quatro milhões de vacinas da Pfizer/BioNTech, com quem Bruxelas acordou a antecipação do fornecimento de 10 milhões de doses.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nave espacial chinesa com três astronautas acopla na nova estação espacial

A nave espacial chinesa que partiu ao início do dia de hoje com uma tripulação de três pessoas já acoplou na nova estação espacial da China, para uma missão de três meses, noticia a imprensa …

Vagas só vão aumentar nos cursos com notas mais altas

Para já, apenas os cursos procurados pelos alunos com médias mais elevadas vão poder aumentar o número de vagas disponíveis no concurso nacional de acesso deste ano. De acordo com o jornal Público, o Governo afastou, …

Novo Banco. "O que a Caixa deseja é que este processo acabe"

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos (CGD) disse, esta quarta-feira, no Parlamento, que o desejo do banco público é que o processo relativo ao financiamento ao Novo Banco acabe. "O que, pessoalmente, a Caixa …

Boris Johnson diz que ministro da Saúde “não tem salvação possível” em mensagens reveladas por ex-assessor

Boris Johnson terá enviado mensagens escritas a um dos seus principais assessores, Dominic Cummings, onde descrevia o ministro da saúde como “sem porra de salvação possível”. Esta quarta-feira, as fotografias das mensagens trocadas entre Johnson e …

Portugal tem o dobro dos casos de covid-19 que existiam há um ano

O número de casos de covid-19 ativos em Portugal neste momento é mais do dobro do que há um ano atrás. A média diária de novos casos é quase o triplo. Apesar de 42% da população …

Sporting prestes a garantir contratação de Daniel Wass, antigo lateral do Benfica

O Sporting está muito perto de garantir a contratação de Daniel Wass ao Valência. O dinamarquês já passou pelo Benfica e pode custar agora 2 milhões de euros. Depois de as negociações com o Sporting de …

Portugal com testes negativos à covid-19 antes do jogo com a Alemanha

Os jogadores, equipa técnica e restantes membros da seleção tiveram resultados negativos nos testes à covid-19, realizados três dias antes do jogo com a Alemanha, revelou, esta quinta-feira, fonte oficial da Federação Portuguesa de Futebol …

Quatro anos depois do incêndio de Pedrógão, ainda há casas por reconstruir

Esta quinta-feira, assinalam-se quatro anos do grande incêndio de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, que provocou a morte a 66 pessoas. Quatro anos depois do incêndio de Pedrógão Grande, que deflagrou ao início da tarde …

Chegou em maio, saiu em junho: a passagem de Gattuso pela Fiorentina

Gennaro Gattuso chegou ao clube italiano no final de maio mas, a meio de junho, já deixou a Fiorentina. Sérgio Oliveira já não deve seguir para Florença. Gennaro Gattuso foi apresentado como treinador da Fiorentina há …

Venda de barragens. Governo terá permitido à EDP vender direito não previsto nos contratos

O Governo permitiu à EDP vender um direito das barragens no Douro à Engie que não era permitido no seu contrato de concessão. A conclusão é do Bloco de Esquerda após analisar a documentação sobre o …