“Traição a Jerusalém”. Autoridade Palestiniana rejeita acordo Israel-Emirados

Addustour, Jordan Press & Publication Co. / Wikimedia

O presidente da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP), Mahmud Abbas

A Autoridade Palestiniana considerou, esta quinta-feira, uma “traição” à causa palestiniana o acordo de normalização de relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos.

“Os dirigentes palestinianos rejeitam o que os Emirados Árabes Unidos fizeram. Trata-se de uma traição a Jerusalém e à causa palestiniana”, indicou, num comunicado, a direção palestiniana, denunciando o acordo apoiado pelos Estados Unidos.

O presidente da AP, Mahmud Abbas, convocou uma “reunião de emergência” da direção palestiniana, ontem à noite, para discutir a normalização das relações entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, informou a agência oficial Wafa. Também já apelou a uma reunião da Liga Árabe para denunciar o acordo.

O Hamas também rejeitou o acordo, alegando que “não serve à causa palestiniana de forma alguma” e que é uma “punhalada traiçoeira nas costas do povo”. A organização disse que “isso encoraja a ocupação a continuar, negando os direitos do povo palestiniano e aumentando as agressões contra nós”, afirmou o porta-voz Hazem Qassem.

Hanan Ashrawi, do Comité Executivo da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), reagiu no Twitter, considerando que “Israel foi recompensado por não declarar abertamente o que tem feito à Palestina de forma ilegal e persistente desde o início da ocupação”, em 1967.

O projeto de normalização das relações entre Israel e as nações do Golfo, como o Bahrein, a Arábia Saudita e os Emirados, é um dos aspetos do plano da administração norte-americana de Donald Trump para o Médio Oriente saudado pelos israelitas, mas rejeitado pelos palestinianos.

O plano prevê também a anexação por Israel do vale do Jordão e de colonatos na Cisjordânia, considerados ilegais pela lei internacional.

O Governo de união de Benjamin Netanyahu e do seu ex-rival político, Benny Gantz, devia anunciar, a partir de 1 de julho, a estratégia israelita sobre a anexação de partes da Cisjordânia ocupada desde 1967.

O príncipe herdeiro dos Emirados Árabes Unidos (EAU), Mohammed bin Zayed, escreveu no Twitter que o “acordo foi alcançado para encerrar qualquer anexação adicional de territórios palestinianos”.

No entanto, o primeiro-ministro israelita indicou que o estabelecimento de relações diplomáticas plenas entre os dois países terá o efeito de “adiar” os planos israelitas de anexar partes da Cisjordânia ocupada, mas adiantou não ter “desistido” dessa opção.

“A aplicação da soberania (israelita) na Judeia e Samaria (nome bíblico da Cisjordânia) está em cima da mesa, (…) não está anulada“, declarou Netanyahu, num discurso transmitido na televisão.

A Liga Árabe tem sede no Cairo, capital do Egito, um dos dois países árabes que já têm relações diplomáticas com Israel, juntamente com a Jordânia, e cujo Presidente, Abdel Fattah al-Sissi, saudou o acordo entre Abu Dhabi e o Estado hebreu. O Bahrein foi outro dos países árabes a aplaudir o acordo.

“O reino saúda os esforços diplomáticos desenvolvidos pelos Emirados Árabes Unidos. Esta etapa histórica contribuirá para o reforço da estabilidade e da paz na região“, indicou a agência noticiosa oficial deste pequeno país do Golfo, a Bahrain News Agency (BNA).

Nos últimos anos, Israel tem desenvolvido uma cooperação oficiosa com economias regionais, como o Bahrein, os Emirados e a Arábia Saudita, apesar da posição tradicional dos países árabes ser a de fazer depender as relações com o Estado hebreu de um acordo com os palestinianos.

“A esquerda israelita e mundial sempre disse não se poder fazer um acordo de paz com os países árabes sem a paz com os palestinianos (…). Pela primeira vez na história, Benjamin Netanyahu quebrou esse paradigma”, reagiu o Likud, o partido do primeiro-ministro.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas medem temperatura a 4 mil borboletas (e revelam a influência do clima no seu habitat)

Um grupo de cientistas do Reino Unido recolheu 4 mil borboletas selvagens para medir a sua temperaturas, alertando que algumas das espécies mais reconhecidas do país estão em ameaça de colapso, e em risco de …

Teia da morte. Cientistas desenvolvem nova forma de matar células cancerígenas

Um novo estudo sugere que, através de uma interrupção direcionada e localizada da estrutura das células cancerígenas, o seu mecanismo de autodestruição pode ser ativado. As células cancerígenas multiplicam-se de forma incontrolável, levando a um crescimento …

Boavista 2-0 Porto | “Manita” em 45 minutos demolidores

Goleada do “dragão” no Bessa. No dérbi portuense entre Boavista e FC Porto, os campeões nacionais sentiram dificuldades na primeira parte, não conseguiram sequer enquadrar qualquer um dos seus remates, mas na segunda parte tudo …

Magawa, o rato que deteta minas, ganhou uma medalha de ouro

Magawa, um rato gigante africano, foi treinado para descobrir minas terrestres e tem estado ao serviço no Camboja. O animal foi agora proclamado herói e premiado por salvar vidas naquele país. A instituição de caridade britânica …

Cientistas descobrem nova espécie de crustáceo no lugar mais quente da Terra

Uma equipa de cientistas descobriu uma nova espécie de crustáceo de água doce durante uma expedição ao deserto de Lute, no Irão, também conhecido como o lugar mais quente do planeta. Hossein Rajaei, do Museu Estadual …

Furacão Sally fragmentou parte de uma ilha da Florida em três

A passagem do furacão Sally fragmentou parte de uma ilha na costa da Florida, no Estados Unidos, criando assim três pequenas porções de terra. Na prática, tal como explica o portal USA Today, o furação abriu …

Benfica 2-0 Moreirense | “Águia” vence e convence cónegos

Após ter perdido e empatado nas duas últimas recepções ao Moreirense, o Benfica voltou a vencer o emblema de Moreira de Cónegos na Luz. Este sábado, em duelo relativo à segunda jornada do campeonato, as “águias” …

"Surpreendente e fascinante". Descoberta pela primeira vez uma aurora sobre um cometa

A nave Rosetta da Agência Espacial Europeia (ESA) detetou uma aurora boreal sobre o cometa 67P / Churyumov-Gerasimenko (67P / C-G). Em comunicado, os cientistas envolvidos na deteção frisam que esta é a primeira vez quem …

Austrália não quer que turistas caminhem na famosa rocha sagrada Uluru (nem no Google Maps)

A Austrália pediu ao Google que remova do seu serviço Maps fotografias tiradas do topo de Uluru, o monólito aborígine sagrado que os visitantes estão proibidos de escalar desde o ano passado. De acordo com a …

NASA vai procurar aquíferos nos desertos com tecnologia já usada em Marte

Uma parceria entre a NASA e a Fundação Qatar tem como objetivo procurar as cada vez mais escassas águas que estão enterradas nos desertos do Saara e da Península Arábica. Este processo deverá ser desenvolvido …