Minutos antes do ataque, atirador da Nova Zelândia enviou manifesto à primeira-ministra

Martin Hunter / EPA

A primeira-ministra da Nova Zelândia afirmou que o atirador que causou pelo menos 49 mortos ao atacar duas mesquitas de Christchurch tinha licença e adquiriu as armas que usou para cometer os crimes de forma legal.

Em declarações à imprensa, Jacinda Ardern defendeu alterações nas leis do país sobre as armas, apesar de não especificar quais as medidas a tomar.

A primeira-ministra acrescentou que o suspeito, australiano, de 28 anos, viajou pelo mundo e passou períodos esporádicos na Nova Zelândia, referindo que as autoridades estão a investigar se dois outros suspeitos, que foram detidos, estão diretamente envolvidos nos crimes.

O atirador, de nome Brenton Tarrant, foi já presente ao juiz Paul Kellar, do tribunal distrital, que lhe leu uma acusação de homicídio. Entrou no tribunal algemado e acompanhado por dois polícias e esteve perante o juiz cerca de um minuto.

De acordo com a SIC Notícias, Brenton Tarrant não demonstrou qualquer emoção quando o juiz leu a primeira acusação de homicídio, mas ao entrar no tribunal fez um gesto característico dos grupos supremacistas Brancos. O alegado homicida será novamente presente a tribunal a 5 de abril.

Já depois de o atirador ter abandonado a sala, o juiz referiu que, apesar de existir uma acusação de homicídio, é “razoável assumir que outras se vão seguir”.

O atirador, que abriu fogo nas duas mesquitas, tentou apresentar os seus motivos no manifesto de 74 páginas que divulgou: é um australiano nacionalista branco de 28 anos que odeia imigrantes. No mesmo documento, afirmou que estava zangado por causa dos atentados na Europa que foram perpetrados por muçulmanos e que queria vingar-se, queria causar medo.

Brenton Tarrant reivindicou a responsabilidade pelos disparos e transmitiu em direto na Internet o momento do ataque.

Tarrant enviou manifesto à primeira-ministra minutos antes

O gabinete da primeira-ministra da Nova Zelândia recebeu o manifesto de Brenton Tarrant atirador por email, menos de dez minutos antes de levar a cabo o ataque terrorista às duas mesquitas.

Segundo escreve o jornal New Zeland Herald, o email foi enviado para cerca de 70 destinatários, entre os quais se encontrava a primeira-ministra, meios de comunicação nacionais e internacionais, o líder do Partido Nacional, Simon Bridge, e o presidente da Câmara dos Representantes, Trevor Mallard.

“O email elencava as razões que o levavam a fazer [o ataque]. [Ele] não disse, no entanto, que estava prestes a fazê-lo. Não houve oportunidade de o parar“, disse fonte do gabinete da primeira-ministra neozelandesa ao mesmo jornal.

Pelo menos 49 pessoas morreram e 48 ficaram feridas nas duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia. Os ataques tiveram início às 13h40 (00h40 em Lisboa) nas mesquitas de Al Noor, em Hagley Park, e de Linwood Masjid.

  ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. A primeira-ministra da Nova Zelândia afirmou que o atirador que causou pelo menos 49 mortos ao atacar duas mesquitas de Christchurch tinha licença e adquiriu as armas que usou para cometer os crimes de forma legal.Ao menos isto…pelo menos o homem tinha tudo legal…!!!

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …