Governo e ANA confirmam novo aeroporto no Montijo

A ANA, concessionária dos aeroportos comerciais portugueses, deverá assinar em fevereiro um memorando de entendimento com o Governo para desenvolver os projetos de transformação da Base Aérea do Montijo em aeroporto comercial.

“É irreversível que o aeroporto Humberto Delgado precisa de um acréscimo de capacidade. Isto está para nós evidente, não só com os recordes de passageiros que têm vindo a ser atingidos, como com os constrangimentos quer no chão quer na navegação aérea que já se sentem com o atual aeroporto”, afirmou em dezembro o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

A pista complementar no Montijo irá funcionar como complemento do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa e, segundo o Expresso, a assinatura imediata do memorando relaciona-se com a tentativa de ter o aeroporto “da margem sul” operacional para receber passageiros civis já no final de 2018.

Com o crescimento das operações das companhias aéreas em Lisboa, a saturação do aeroporto será mais rápida, impondo a utilização de infraestruturas complementares que permitam aumentar o tráfego aéreo sem restrições, em alternativa à construção de um grande aeroporto em Alcochete, que implicaria uma capacidade financeira inexistente, destaca o jornal.

A Base Aérea do Montijo é vista como a única opção viável, porque devido à orientação das pistas, as soluções dos aeródromos de Sintra e Alverca foram afastadas e desconsideradas por representarem dificuldades na gestão segura e eficiente da navegação aérea.

Ainda não há muita informação sobre os custos das ligações rodoviárias dedicadas e o valor das compensações a pagar à Força Aérea para disponibilizar a base do Montijo, mas o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, já referiu na Assembleia da República que o valor de€400 milhões frequentemente citado é muito elevado.

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Pois, e como se assegura a ligação a Lisboa? Não há metropolitano, nem comboios….Alverca era a solução ideal. Tem já todas as estruturas de transportes. Cheira-me outra vez a interesses ocultos….. Lembram-se da Ota?

    • Alverca não permite voos em simultâneo porque as pistas são no mesmo enfiamento. Se levantar um avião da pista de lisboa não poderia levantar outro de alverca, basta até ver no google earth que assim é e isso está também indicado nos estudos. Alverca, tem melhores acessos mas os aviões não podem aterrar nem levantar estando a portela em funcionamento. Depois, alverca, tem a lina de comboios a proibir as expansão da pista e do outro lado se expandir a pista corta-se o rio. Basta ler e ver que não é alternativa. P.S. Sou do Algarve, não tenho interesse em defender nenhuma das alternativa por questões de residência.

      Cumprimentos,

      Rui Rodrigo

  2. Só esperamos é que todos os estudos sejam bem feitos incluindo problemas com nevoeiro e possibilidade de expansão para que depois da decisão tomada e posta em prática não venham queixar-se de que afinal a escolha não foi acertada e uma vez mais dinheiro mal aplicado como acontece frequentemente neste país. Outra decisão a ter em conta será certamente não permitir a construção de imóveis a determinada distância do aeroporto pois os portugueses gostam muito de ter tudo logo ao pé da porta, veja-se o caso das praias por exemplo, para que um dia mais tarde não se venham a queixar de que o aeroporto está mal situado porque os incomoda e como todos sabemos é um perigo um aeroporto dentro de uma cidade como o caso do da Portela.

  3. Então como se asseguram transportes rápidas entre a capital e o Montijo? Vejam se os exemplos de outras capitais,como Heathrow, Paris, Berlim, Madrid etc.

    • Alverca está à mesma distância de Lisboa que o Montijo, corrija-me se estou errado (grosso modo 27 km). Montijo não tem comboio, mas tem a ponta que é igual a Alverca em autoestrada (por enquanto com menos transito que Alverca para Lisboa na hora de ponta). Os barcos do montijo a lisboa demoram 25 minutos para poupar combustivel) mas podem fazer perfeitamente fazer a travessia em 15 minutos, e se for para o parques das nações ainda um pouco menos. Tem o problema do mau tempo que pode levar a restrições na navegação mas é muito raro. Como alguém referiu, os transportes podem ser um pouco melhores em Alverca mas não podem aterrar aviões ao mesmo tempo que em lisboa então de que adianta. Os transportes só serviriam (mesmo assim a diferença não é assim tanta) se os aviões pudesse aterrar, mas não é o que acontece por isso é inútil dizer que Alverca é melhor, seria se pudessem aterrar aviões em simultaneo com Lisboa o que faria uma dela uma alternativa mas assim nem pensar e a pista de Alvera não pode ser aumentada.

    • Cada barco (catamarã) do Montijo para Lisboa leva 600 pessoas. Um avião airbus leva 200. Por isso, um barco consegue escoar 3 aviões de passageiros. Aumentando o terminal de barcos (que fica a 30 metros, sim 30 metros, de distancia da base aérea e portanto do futuro aeroporto) pode ser uma alternativa. Um barco do montijo para o parque das nações pode demorar pouco mais de 10 minutos a fazer a travessia. Neste momento, porque não sou do Montijo, penso que os barcos demoram 25 minutos mas podem demorar no máximo 18 minutos porque conseguem ir mais rápido. Passar a ponte de autocarro para o parque das nações leva 20 minutos, se partirem do novo aeroporto podem demorar no máximo 30 minutos. Os aeroportos low cost nas outras capitais estão a mais de 40 km do centro da capital e o Montijo está a 27 km do centro de lisboa e a 20 km do parque das nações, metade do que é normal acontecer com outro aeroporto low cost europeu.

  4. Um catamarã coloca os passageiros em 10 minutos no parque das nações ou em 15 no cais do sodré. Os autocarros fazem montijo parque das nações em 20 minutos. O terminal de barcos (o atual que serve a cidade do montijo) está ao lado (mesmo ao lado) da base aérea, mais perto seria dentro da base. Google earth e ve-se que “cola” com a base aérea. Até poderia ser feito um novo terminal de barcos dentro da base em exclusivo para o aeroporto, embora não haja necessidade e neste caso ainda encortaria o tempo uns bons 2 minutos na travessia. O comboio de Alverca para entrecampos demora sensivelmente 30 minutos, salvo erro, pelo que não é mais rápido que os barcos. Montijo não é do outro lado do universo. Penso, como já foi dito, que 20 km para o parque das nações de carro ou 12 minutos de barco para lisboa é muito bom para um aeroporto low cost. Posto isto, devo referir que até sou da zona do montijo, mas sou dos que prefere não ter o aeroporto, prefiro o descanso em vez de mais barulho de aviões e até não vai valorizar assim tanto as casas, porque é um aeroporto low cost não vai ficar com o trafego todo.

  5. Convém ainda referir, ainda não referido por outros, que a distancia de barco do Montijo (dos cais atual) a Lisboa é de 7Km. Além disso, tirando o mau tempo, que é o único entrave a velocidade mais altas dos barcos, os barcos barcos andam quase em linha reta, não há semáforos, não há portagens e não há filas de transito, pelo que fazer 7Km é relativamente rápido e como alguém disse um catamarã leva 600 passageiros 3x um airbus. Por outro lado, é uma viagem diferente, nem sempre se sai do aeroporto e se vai de catamarã e a preços lowcost e com vista boa. 7Km é pouquinho para chegar a Lisboa e para distancia de aeroporto lowcost para uma capital é muito pouco….

RESPONDER

Em Itália, preparar o regresso às escolas inclui serras afiadas

Itália, o primeiro epicentro de covid-19 fora da China, usou um regime agressivo de testes e uso de máscaras para conter uma segunda vaga no país. Agora, as escolas estão a preparar-se para receber, no …

Marcelo promulga Estatuto do Antigo Combatente e veta alterações ao direito de petição

O Presidente da República promulgou o novo Estatuto do Antigo Combatente, aprovado por larga maioria no parlamento em 23 de julho, desejando tratar-se de “o início de um caminho” e não “o seu termo”. Em nota …

O céu de Wuhan iluminou-se com 400 drones para homenagear a população

O céu de Wuhan, cidade chinesa onde se pensa ter surgido o novo coronavírus, em dezembro de 2019, foi iluminado, este domingo, com 400 drones para homenagear os habitantes. De acordo com o vídeo da CGTN, …

Vila do Conde revela que tem 173 casos ativos no concelho

A Câmara de Vila do Conde, do distrito do Porto, revelou esta quarta-feira que existem 173 casos ativos de covid-19 no concelho e que já está em marcha um plano de apoio à população, assim …

Descarrilamento de comboio na Escócia faz pelo menos três mortos

Três pessoas morreram e seis ficaram feridas em consequência do descarrilamento de um comboio de passageiros na Escócia, anunciou a polícia escocesa, citada pela agência Lusa. O acidente ocorreu 160 quilómetros a nordeste de Edimburgo. Numa primeira …

Temido garante que "não haverá exceções" para o Avante (e pede cautela com vacina russa)

A ministra da Saúde defendeu esta quarta-feira que a lotação da Festa do Avante!, organizada pelo PCP, terá este ano que ser inferior à capacidade máxima de 100 mil pessoas do recinto no Seixal, por …

Trump pondera impedir entrada de residentes suspeitos de exposição à covid-19

A Administração norte-americana está a ponderar barrar a reentrada no país a cidadãos norte-americanos ou residentes legais suspeitos de terem sido expostos ao novo coronavírus. De acordo com o Jornal Económico, que cita o jornal New …

Pelo menos 42 feridos em Beirute em confrontos entre polícia e manifestantes

Pelo menos 42 pessoas ficaram feridas, esta terça-feira, em confrontos entre manifestantes e a polícia, pelo quarto dia consecutivo, nas proximidades do Parlamento em Beirute. De acordo com a Cruz Vermelha libanesa, dos pelo menos 42 …

ONU envia ajudas para estabilizar falta de alimentos no Líbano

A Organização das Nações Unidas já começou a ajudar o Líbano, através do envio de farinha de trigo. O objetivo é começar a colmatar a falta de alimentos destruído pelas explosões. Segundo o The Washington Post, …

Mais três mortes e 278 novos casos. Infeções aumentam no Norte

Portugal tem atualmente 12.519 casos ativos de covid-19 e 161 surtos, circunstâncias em que os casos ativos estão ligados a um fenómeno comum, anunciou esta quarta-feira a ministra da Saúde em conferência de imprensa. Esses surtos, …