“Não vamos pagar nada!”. A ameaça de Boris Johnson, ou um bom lubrificante

BackBoris2012 / Flickr

O ex-mayor de Londres e ex-ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johnson

O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros diz que caso seja o sucessor de Theresa May na chefia do Governo, não pagará a fatura de saída acordada com a UE até que sejam concedidas melhores condições ao Reino Unido.

O ex-MNE britânico Boris Johnson disse este domingo que se for escolhido para suceder a Theresa May na chefia do Governo, não pagará a fatura de saída acordada com a UE até que Bruxelas conceda melhores condições para o Reino Unido.

A ameaça de Boris Johnson, o favorito para suceder a Theresa May na liderança dos conservadores, vem expressa numa entrevista na edição deste domingo do jornal britânico The Sunday Times.

“Creio que os nossos amigos e parceiros devem entender que o dinheiro vai ficar retido até que haja maior clareza no caminho a seguir“, frisou Johnson na sua primeira entrevista desde que anunciou a candidatura para liderar o Partido Conservador.

Para conseguir um bom acordo, o dinheiro é um grande lubrificante“, acrescentou o político ‘tory’, advertindo ao mesmo tempo que o Reino Unido deve se preparar para a possibilidade de deixar a UE sem um pacto no dia 31 de outubro, data limite fixada por Bruxelas para ratificar os termos de saída acordados.

A “fatura do Brexit” é o valor que o Governo britânico se comprometeu a pagar quando deixar a UE em termos de responsabilidades adquiridas, incluindo as reformas de funcionários britânicos que trabalharam no bloco da UE. Londres e Bruxelas estimaram em dezembro que esse montante é de cerca de 40 mil milhões de euros.

Johnson começou com vantagem no processo das primárias conservadoras, que se iniciaram oficialmente na segunda-feira e cujo vencedor herdará o número 10 da Downing Street, residência oficial do primeiro-ministro britânico, no final de julho.

“Sinto uma responsabilidade pessoal real, porque eu ajudei a produzir aquele resultado do referendo e todos os dias penso no que devemos fazer para tirar o melhor proveito dessa oportunidade”, disse Johnson.

O ex-autarca de Londres é o candidato preferido por 43% dos conservadores, enquanto o seu rival mais próximo, o ministro do Meio Ambiente, Michael Gove, obteria 12% do apoio dos militantes, de acordo com uma pesquisa de intenção de voto publicada pelo influente blogue conservador ConservativeHome.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

20 COMENTÁRIOS

  1. Os Ingleses não sabem o que querem e a UE tem sido branda com esta saída. Pois que saiam uma vez que não sabem manter-se nesta união, mas provavelmente irão faltar argumentos para manter a sua assim que alguém quiser sair (Escócia, Irlanda do Norte, País de Gales). Fraca política made in england.

  2. Sem stresses. Não paguem. O que eles se esquecem é que 40/50 mil milhões de euros são trocos para a UE (só para termo de comparação, há 4 ou 5 anos, em Colónia foi cancelada, devido à pressão popular, a construção de uma nova estação ferroviária orçada em 30 mil milhões).

    No entanto, o acesso ao mercado comum é vital para eles. Num mundo cada vez mais aberto políticas proteccionistas e de fechamento como as dos EUA e RU, que serão apenas temporária e condicionadas aos ciclos eleitorais, são um suicídio ao qual já assistimos em Portugal. O proteccionismo leva à perda de competitividade e quando houver novo ciclo de abertura serão arrasados.

    No caso do Reino Unido, acresce ainda a desagregação, como alguém já referiu (com a Escócia e a Irlanda do Norte à cabeça – para já o País de Gales não dá sinais de querer sair do RU e vejam-se os resultados do referendo) e a perda da City bem como os milhões de milhões que por lá passam e por lá se lavam.

    Um bom exemplo disso mesmo é a quantidade de empresas que, à cautela, transferiram as respectivas sedes para fora da Catalunha. Agora é tudo uma questão de extrapolarmos para a realidade inglesa e facilmente concluíremos que a pobreza e o declínio serão o futuro por lá…

    Até porque, depois de saírem jamais re-entrarão. Primeiro porque a UE deixará de ter dentro de si o Cavalo de Tróia, que desde há décadas vem impedindo um avanço significativo na integração e avançará na direcção de uma integração plena, mesmo que lenta (a estratégia dos pequenos passos preconizada por Jean Monet), afastando-se cada vez mais da mera zona de comércio livre que corresponde à visão inglesa. Depois, porque se já lhes foi difícil entrar da primeira vez (a adesão foi vetada por duas vezes na década de 1960), saindo dificilmente conseguirão unanimidade para voltar a entrar.

    Portanto, é deixá-los não pagar, desde que cumpram com o prometido e saiam de uma vez… Auf wiedersehen, dirão os boches!!!

    • Vamos ver se não surgem mais Inglaterras. A ver vamos. O seu comentário apenas relata o óbvio e não compreende que o mundo não é um local imutável. Os tempos mudam e o mundo está em forte processo de transformação caso ainda não tenha dado por isso. Daqui a 50 anos não vai conhecer o mundo. As próprias sociedades estarão totalmente transformadas assim como a relação do homem com o trabalho. Veja os avanços da indústria 4.0, a este exemplo.

      • Veremos de facto.
        O mundo não é imutável, como bem refere. Mas, a tendência das sociedades abertas é a agregação e aglutinação em grandes blocos e não a desagregação. Nesse aspecto, vai desculpar-me, mas é você que está um pouco confuso e revela algum desconhecimento das coisas, limitando-se a repetir os mesmos sound bites que ouviu balguma conferência de pseudo profetas da tecnologia…

        • Uma vez mais anda enganado e apenas aparenta perceber os problemas pela rama. Os problemas não são tão simples como os pretende demonstrar. São bem mais complexos e os tabuleiros mudam depressa. Não se esqueça que os maiores inimigos na segunda guerra mundial são agora os maiores aliados. Também isto parece não o amigo não compreender. Espere para ver e verá que daqui a 10 anos a Inglaterra não estará sozinha. E também lhe digo que nunca viveu seguramente noutros países europeus. Se o tivesse feito conheceria por dentro as suas culturas e compreenderia o que lhe tento explicar.

          • Meu caro, já vi que não vale a pena perder tempo consigo. É óbvio que os problemas da UE não se resumem ao Brexit, à pressão migratória do norte de África, ou sequer ao falhanço do alargamento a Leste.
            Os problemas que refere não são exclusivos da Escandinávia. São igualmente notórios nos Países Baixos, França, Alemanha, Bélgica e Reino Unido. Aliás uma das questões do Brexit é justamente a da soberania e controlo de fronteiras.
            Apenas o óbvio é o que refere da recessão que está já aí. Não é por acaso que o BCE mantém os juros ao nível que estão. O problema é que a Europa (leia-se países da Zona Euro) estão hoje muito mais endividados do que em 2008…
            Em todo o caso, o sr. arrogantemente pensa que é o único que conhece História, política, relações internacionais. E pensa também que é o único que já viu mundo, que já conheceu outros países e culturas…
            Enfim, presunção, vistas curtas e ignorância. Muita!

      • Mais Inglaterra’s?!
        Isso nem lá é assim tão certo, quanto mais…
        Como já se percebeu, a maioria dos britânicos é contra o Brexit e, mesmo muitos dos que votaram a favor, foram enganados/manipulados por “artistas” como este Boris!…
        Daí este impasse…

        • Os tempos mudam e o mau tempo está a chegar. Só não vê quem não quer.
          Vamos entrar num novo período de recessão. E que deverá ser longo. Os sinais começam a abundar por todo o lado (diminuição de encomendas no oriente, crescimento económico global mais lento, grandes economias europeia atoladas,…)
          Com o surgimento deste novo período de crise os movimentos nacionalistas vão ganhar força. Muitas das comunidades imigrantes que chegaram à Europa vão para o desemprego. E o discurso posterior é fácil (vêm para os subsídios, é só crime,…). Esperem para ver o que vai suceder nos países nórdicos e daqui a 4 ou 5 anos voltem aqui a comentar. Para sentir isto basta viver (e eu vivi na Suécia durante 4 anos e mais 2 na Dinamarca) nestas comunidades. Pode não ser daqui a 4 ou 5 anos mas mais tarde ou mais cedo muitos dos países nórdicos acompanharão a inglaterra.

          • Sim, só não percebo o que isso tem a ver com o Brexit, ou em que medida as economias mordicas estarão melhor fora da UE do que dentro quando isso acontecer!…

  3. “não pagará a fatura de saída acordada com a UE até que sejam concedidas melhores condições ao Reino Unido.” – Se realmente esta frase pertence ao ex- ministro dos negócios estrangeiros do Reino Unido, é uma quebra de acordo, alem disso demonstra ser pessoal de má índole….cuidado com gente assim…

  4. “Estou a marimbar-me que nos chamem irresponsáveis. Temos uma bomba atómica que podemos usar na cara dos alemães e franceses. Essa bomba atómica é simplesmente não pagarmos. Ou os senhores se põem finos ou nós não pagamos. Se não pagarmos a dívida e se lhes dissermos, as pernas dos banqueiros alemães até tremem.” frases de Pedro Nuno Santos, apontado como candidato a Primeiro-Ministro.
    Resultado: Pagou tudo, de fininho. O Engenheiro dos amigos que emprestam 32 milhões em envelopes e mansão em Paris continua a passear e a filosofar

  5. A Suécia unir-se a Inglaterra? Só se quiserem comer fastfood o resto da vida. Este Boris dava a madeira a sra. May, mas a May queimou-se e fez doidoi e chorou, muita pressão acomulada, tristes personagens da política acharem que a paneleirice inglesa triunfa sobre uma casa grande, mas tão enganados, o Boris que use esse arame que diz não pagar, para investir no que lhes falta, que neste caso é alimento, e antes de vir a fome vem a escasso orgulho um palito para tirar a trampa dos dentes. O mundo irá continuar a girar isso é certíssimo.

RESPONDER

Computador quântico ajuda a criar um computador quântico melhor

Um computador quântico foi usado para projetar um qubit aprimorado que poderá alimentar a próxima geração de computadores quânticos mais pequenos, de alto desempenho e mais confiáveis. Da mesma forma que um bit binário é a …

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …