Alunos separados em “bolhas” dentro da escola, mas “encavalitados” antes de entrar

Tiago Petinga / Lusa

Os mais de mil alunos da Escola Secundária Pedro Nunes têm de entrar todos os dias por uma porta única no primeiro dia de aulas em plena pandemia de Covid-19, em Lisboa.

Mil alunos amontoaram-se esta manhã à frente da Escola Secundária Pedro Nunes. A escola adotou método de “turmas bolha”, mas à entrada da escola não houve distanciamento e alguns alunos não usavam máscara. A diretora da escola admite as falhas e diz que as entradas para a escola vão ser solucionadas.

Mais de mil alunos tiveram de esperar juntos para entrar numa escola em Lisboa cujo acesso se fez por apenas uma porta estreita, juntando estudantes que lá dentro estão separados em “turmas bolha” para prevenir a Covid-19.

Cerca de uma dezena de pais, que hoje decidiu levar os filhos à escola para que não andassem de transportes públicos devido à pandemia de Covid-19, assistiram revoltados ao “caos instalado” em frente à Escola Secundária Pedro Nunes.

“Não vale a pena terem planos muito elaborados, com grupos bolha e circuitos de circulação, quando depois os miúdos estão todos aqui, uns em cima dos outros, à espera para entrar”, criticou um pai, que pediu o anonimato.

A Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, tem cerca de 1.200 alunos, alguns começaram as aulas às 8:15 enquanto outros às 8:30.

Às oito da manhã, já havia dezenas de estudantes junto à escola cumprindo as recomendações da Direção-Geral da Saúde (DGS): mantinham o distanciamento físico e traziam máscaras. Mas, pouco depois, o espaço tornou-se demasiado pequeno e começaram a surgir alguns sem máscara.

Todos entraram na escola por apenas uma porta com cerca de um metro de largura perante o olhar reprovador dos pais presentes, que falaram à Lusa mas pediram o anonimato.

“Eu não o deixei vir de transportes públicos por causa do risco de contaminação e depois estão aqui todos encavalitados. Isto é uma vergonha”, criticou outra mãe, salientando que o único acesso hoje utilizado tinha duas portas, mas só uma estava aberta.

Os pais lembraram que a escola tem outras entradas: a porta principal do edifício, que é a mais larga, um acesso semelhante ao que hoje estava a ser usado e ainda uma entrada que dá acesso ao parque de estacionamento.

“Podiam ter, pelo menos, três entradas abertas e deviam ter separado os alunos por anos de ensino, em vez de os termos aqui todos concentrados para entrar numa única porta”, acrescentou outra mãe.

À Lusa Rosário Andorinha, diretora da escola, garantiu que na sexta-feira haverá uma nova entrada e reconheceu que houve uma “falha” ao ter aberto apenas uma das duas portas do acesso hoje estabelecido.

Quanto ao portão lateral, que dá acesso ao parque de estacionamento da escola, a diretora explicou que aquele é um percurso utilizado por carros e por isso perigoso e lembrou ainda que o cumprimento das regras do lado de fora do estabelecimento escolar não é uma responsabilidade da escola e que os alunos têm de manter o distanciamento físico.

Lá dentro, as regras há muito que estão definidas. Os circuitos de circulação estão definidos, havendo setas coladas no chão, e nas paredes há cartazes a recordar as novas regras de higiene e segurança.

Há duas semanas, a escola foi visitada pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e pela ministra da Saúde, Marta Temido. Na altura, a diretora explicou que os cerca de 1.200 alunos estavam organizados em “turmas bolha” para evitar o contacto entre estudantes de turmas diferentes.

Além disso, as salas de aula estão organizadas para receber até 28 estudantes e as secretárias individuais permitem manter o distanciamento. No entanto, hoje, para entrar na escola, os alunos concentraram-se todos à porta. A grande maioria estava a cumprir a regra da etiqueta respiratória, mas havia quem não o fizesse.

Um pai sugeriu que a escola deveria ter dividido os alunos em dois turnos, passando a ser cerca de 600 de manhã e outros 600 à tarde. Houve também quem defendesse que os horários deveriam ser desfasados: “Se em vez de estarem todos aqui às 8:15, uns entrassem às 8:00, outros às 8:30 e outros às 9:00, não haveria este tipo de concentração”, sugeriu outra mãe.

O ano letivo começou para algumas escolas na segunda-feira, mas para a maioria só começa hoje, com a retoma das aulas presenciais que foram suspensas em 16 de março devido à pandemia da Covid-19.

O ministério da educação tem defendido que quer manter ao máximo o ensino presencial, tendo por isso definido em parceria com a DGS várias regras e orientações para que as escolas consigam manter-se abertas. O regresso ao ensino à distância será sempre a última opção.

No entanto, o grupo de pais que hoje foi levar os filhos à Pedro Nunes não acredita que a escola se mantenha aberta durante muito tempo, se as regras não forem alteradas: “Isto é uma vergonha. Daqui a 15 dias está tudo encerrado”, alertou um pai.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pois mas p cumprir devidamente as normas é necessário mais funcionários. Onde estão eles? Os (des)governantes falam muito certo, mas na pratica sabem mt bem que Não corresponde á realidade, já q eles próprios ou quem os cerca não colocaram as pessoas necessárias p/ o efeito.
    Mais grande parte das escolas não tem condições p/ as normas a ser aplicadas!
    Terem voçês mesmos as v/ conclusões e vejam c olhos de ver que andam a ser Enganados.

  2. Isto não me espanta nada. Quando nos hipermercados se aguarda cá fora com distanciamento, mas logo de seguida estando dentro dos mesmos ninguém respeita nada, as pessoas parecem que têm a impressão de que as regras só se devem respeitar em apenas alguns locais.

RESPONDER

Plano de desconfinamento tem várias velocidades, mas não tem datas

O primeiro esboço do plano de desconfinamento já chegou a São Bento e será apresentado na reunião do Infarmed, marcada para a próxima segunda-feira. A equipa de peritos - liderada por Óscar Felgueiras, da ARS/Norte, e …

Marcelo cria nova equipa em Belém para controlar "bazuca" europeia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, criou uma equipa para manter uma vigilância apertada sobre a gestão do dinheiro que chega da "bazuca" europeia. Marcelo Rebelo de Sousa criou uma nova equipa para a …

Espanha vai proibir viagens durante a Páscoa. França, Hungria e Brasil com novas restrições

Espanha prepara-se para aprovar um plano de desconfinamento para as próximas semanas, particularmente para a Páscoa, que prevê a proibição de viajar entre as suas comunidades autónomas e um recolher obrigatório entre as 22h00 e …

FBI detém funcionário de Donald Trump pela invasão ao Capitólio

O Departamento Federal de Investigação (FBI) deteve na quinta-feira um funcionário do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump pela invasão ao Capitólio a 6 de janeiro, noticiaram os media norte-americanos. Trata-se de Federico Klein, um homem …

Bebidas, fatos e centro "fantasma". Presidência portuguesa da UE debaixo de fogo após gastos "incomuns"

A presidência portuguesa do Conselho Europeu está no olho do furacão depois de uma reportagem que evidencia as "despesas incomuns" com bebidas, fatos e um centro de imprensa "fantasma", em contratos que custaram "centenas de …

Padres, provedores e autarcas. MP investiga casos de vacinação indevida

A investigação do Ministério Público (MP) e da Polícia Judiciária (PJ) conta já com 33 casos suspeitos de vacinação indevida, estendendo-se a padres, provedores de misericórdias, administradores hospitalares e autarcas. Desde o início da campanha da …

Atrasos na vacina da Pfizer condicionam vacinação de doentes de risco entre os 65 e os 79

A vacinação de doentes de risco entre 65 e os 79 anos está condicionada pela chegada de mais vacinas da Pfizer. Na união Europeia, Portugal é o quinto país com a percentagem mais elevada de doses …

Há uma geringonça (sem Bloco) a discutir quinzenalmente a execução orçamental

No ano passado, a abstenção do PCP de um empurrão na aprovação do Orçamento do Estado. O partido de Jerónimo de Sousa não desiste de exercer influência e de se consolidar como parceiro do Governo, …

Um jogo tem hora e meia, mas em Portugal só se jogam, em média, 49 minutos

Esta época, em média, o tempo útil de jogo na primeira divisão portuguesa é de apenas 49,26 minutos. Os árbitros são bodes expiatórios deste registo. Dizem as regras do futebol que um jogo tem 90 minutos, …

Governo não tem "qualquer intenção de nacionalizar a Groundforce"

O ministro das Infraestruturas garantiu, esta quinta-feira, que "o Governo não tem qualquer intenção de nacionalizar a Groundforce", dizendo acreditar que "o acionista privado vai compreender" que tem de dar garantias à TAP para receber …