Alimentos ricos em gorduras adicionadas e hidratos de carbono refinados são como cigarros

Alimentos como bolachas, bolos, batatas fritas e pizza são como o tabaco: altamente viciantes e prejudiciais à saúde.

Todos os anos, milhões de americanos tentam reduzir o consumo de alimentos ultraprocessados — tipicamente ricos em gordura adicionada, hidratos de carbono refinados ou ambos. Pense em bolachas, bolos, batatas fritas e pizza.

Para muitos, o desejo de mudar o que comem é desencadeado por preocupações sobre problemas de saúde potencialmente fatais, como diabetes e doenças cardíacas. O impacto da dieta na saúde não é um problema pequeno. Na realidade, uma recente comissão multidisciplinar de 37 cientistas identificou dietas não saudáveis como um risco maior para a saúde humana do que sexo desprotegido e os usos de álcool, drogas e tabaco combinados.

Muitas pessoas sabem que a maioria dos alimentos ultraprocessados não é saudável. Mas o objetivo de reduzi-los pode ser tão desafiante que a maioria dessas tentativas falha. Porquê?

Uma equipa de cientistas está a investigar um fator amplamente esquecido: esses alimentos ultraprocessados podem causar dependência, tendo mais semelhanças com os produtos do tabaco do que com maçãs ou feijões.

Os cientistas criaram a Escala de Dependência Alimentar de Yale. É uma medida que aplica os critérios da American Psychiatric Association usados para diagnosticar outros transtornos aditivos para identificar pessoas que podem ser viciadas em alimentos ultraprocessados.

Com base nas estimativas atuais, 15% dos americanos atingem o limite para o vício em comida, que está associado a doenças relacionadas à dieta, obesidade e pior qualidade de vida. Esta prevalência é notavelmente compatível com a dependência de outras substâncias legais e acessíveis. Por exemplo, 14% das pessoas nos EUA atendem aos critérios para serem diagnosticados com transtornos por consumo de álcool.

Tornou-se claro que as pessoas não sentem essa atração viciante por todos os alimentos. Alimentos ultraprocessados que têm níveis artificialmente elevados de gordura e hidratos de carbono refinados como açúcar e farinha branca são aqueles que as pessoas comem de forma viciante.

Por exemplo, chocolate, gelado, batatas fritas, pizza e bolachas são alguns dos alimentos que as pessoas consideram mais viciantes. Não surpreendentemente, as pessoas relatam que é muito improvável que percam o controlo do consumo de brócolos, feijão ou pepino.

Mas esses alimentos ultraprocessados podem realmente ser considerados viciantes? Ou as pessoas estão apenas a exagerar em algo que gostam?

Para ajudar a responder a estas perguntas, os autores voltaram-se para um dos últimos grandes debates na ciência da dependência — se o tabaco causa dependência. A ideia de que o tabaco vicia foi acaloradamente contestada durante décadas. No entanto, em 1988, os produtos de tabaco foram oficialmente identificados como viciantes.

Alimentos ultraprocessados atendem aos mesmos critérios que foram usados para designar o tabaco como viciante.

O tabaco e os alimentos ultraprocessados alteram o humor de maneira semelhante, aumentando as sensações de prazer e reduzindo as negativas. Os altos níveis de hidratos de carbono refinados e gorduras em alimentos ultraprocessados ativam poderosamente os sistemas de recompensa no cérebro.

Por exemplo, professores e pais usam alimentos ultraprocessados para recompensar o bom comportamento das crianças e aumentar a probabilidade de elas continuarem a comportar-se bem. Em ratos, os investigadores descobriram repetidamente que os sabores doces são mais reforçadores do que até mesmo drogas altamente viciantes, como a cocaína.

As altas taxas de fracasso das dietas deixam dolorosamente claro que os alimentos ultraprocessados podem desencadear um desejo forte, muitas vezes irresistível, de consumi-lo, apesar do desejo de parar. Em contraste, alimentos nutritivos e minimamente processados como frutas, vegetais e legumes não atendem a esses critérios de dependência.

A natureza viciante destes alimentos ultraprocessados prejudica o livre arbítrio e a saúde dos consumidores a serviço dos lucros. No entanto, existe uma diferença importante entre o tabaco e os alimentos ultraprocessados. Todos temos que comer. Ninguém pode desistir de comer, como no caso do tabaco.

Assim como no caso dos produtos de tabaco, provavelmente será necessária uma regulamentação da indústria para reduzir a popularidade dos alimentos ultraprocessados e os problemas de saúde que os acompanham.

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.