Durante a peste, o Papa Alexandre VII foi o pioneiro do confinamento (e salvou milhares de vidas)

Wikimedia

Papa Alexandre VII

Embora a ciência só tenha descoberto a causa da peste em 1894, no século XVII o Papa Alexandre VII decretou medidas sanitárias que, para muitos especialistas, contribuíram para que a letalidade da doença fosse muito menor na população romana.

De acordo com levantamento realizado pelo historiador italiano Luca Topi, professor da Universidade de Roma La Sapienza, entre 1656 e 1657 a peste matou 55% da população da Sardenha, metade da população de Nápoles e 60% dos que habitavam Génova.

No entanto, em Roma, foram 9,5 mil mortos num universo de 120 mil pessoas – menos de 8%. Calcula-se que a peste tenha dizimado cerca de metade da população europeia, em diversas ondas.

Alexandre VII tinha sido eleito Papa há um ano quando começaram a chegar relatos de mortes pela doença no reino de Nápoles.

Assim que surgiram as primeiras notícias de que a peste teria chegado a Roma, Alexandre VII colocou em alerta a Congregação da Saúde, que havia sido criada devido a um surto anterior.

A 20 de maio, foi promulgado um decreto que suspendia toda a atividade comercial com o reino de Nápoles – já fortemente afetado. Na semana seguinte, as restrições estenderam-se e ficou também proibido o acesso a Roma de qualquer viajante vindo da cidade.

No dia 29, a cidade de Civitavecchia, dentro dos domínios dos Estados Pontifícios, registou a chegada da peste e foi imediatamente colocada em quarentena.

As medidas de contenção tomadas por Alexandre VII

A partir de então, qualquer entrada tinha de ser justificada e registada.

A 15 de junho, Roma teve o primeiro caso: um soldado napolitano que morreu num hospital. Depois do sucedido, as medidas começaram a endurecer cada vez mais, sendo que poucos dias depois, uma lei passou a obrigar a todos infetados a informarem as autoridades do seu estado de saúde.

Assim, um documento papal passou a obrigar todos os padres, e os seus ajudantes, a visitar, a cada três dias, todas as casas das suas paróquias para identificar e registar os doentes.

Na época, esta foi a única forma encontrada de registar os infetados.

Com as notícias de mais mortes a chegar, a primeira ideia foi tentar isolar a região. Na noite do dia 22 para o dia 23 de junho, sob as ordens de três cardeais, vários trabalhadores ergueram um muro de contenção após nove horas de trabalho.

Depois disso, o endurecimento das regras foi gradual até que foi exigido um confinamento completo.

“Foram banidas várias atividades económicas e sociais. Festas, cerimónias públicas, civis e religiosas também foram canceladas”, refere o seminarista Gustavo Catania, filósofo do Mosteiro de São Bento de São Paulo.

Por outro lado, os “mercados foram suspensos e algumas pessoas que moravam na rua foram retiradas, porque podiam ser focos de contágio. A travessia noturna do Rio Tibre também foi proibida”, acrescenta o estudioso.

O Papa também determinou que naquele período ninguém deveria fazer jejum, numa tentativa de que as pessoas não se privassem de alimentos e, assim, se mantivessem mais saudáveis para o caso de serem infetadas.

Todas as pessoas que tinham pelo menos um caso na família estavam proibidas de sair de casa.

Para garantir a assistência, Alexandre VII separou os padres e os médicos em dois grupos: aqueles que teriam contacto com os doentes e os que não teriam, encarregando-se de zelar pelo restante da população.

Perante a nova medida “os médicos foram proibidos de fugir de Roma”, recorda Catania, lembrando que muitos tinham receio de ficar infetados com a peste.

Nos meses de outubro e novembro, quando a incidência da doença foi maior, chegou-se a prever pena de morte para quem não cumprisse as regras.

Vozes críticas

Apesar da gravidade da situação, nem todos acreditavam nas suas consequências.

“O Papa chegou a ser acusado de ter inventado a doença em benefício próprio, para ganhar popularidade”, conta a Mirticeli Medeiros, investigadora de história do catolicismo na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma.

“Muitas pessoas não queriam que o pontífice adotasse as medidas para não alarmar a população”, complementa. “Até os seus colaboradores mais próximos o aconselharam a não fazê-lo. Temiam que, a partir do momento em que levasse a público a gravidade da situação, a economia passasse a sentir os efeitos”.

A BBC escreve que há relatos de que um médico teria divulgado notícias falsas acerca das reais motivações do confinamento. “Espalhou que essas decisões do Papa escondiam interesses políticos”, diz o historiador Victor Missiato, professor do Colégio Presbiteriano Mackenzie Brasília.

Outro caso foi o do religioso Gregorio Barbarigo. Quando foi eleito, o Papa Alexandre VII nomeou-o prelado da Casa Pontifícia, conselheiro e, em seguida, referendário do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica.

Contudo, o conselheiro acabou por ser uma voz crítica das medidas tomadas. “Questionava as medidas, dizia que estas provocavam mais mortes do que a peste, porque causavam mortes pela fome e pelo medo. Mesmo próximo ao Papa, tinha um olhar crítico”, frisa Araujo.

Quando o surto terminou em agosto de 1657, a celebração foi à altura.

Alexandre VII demonstrou o renascimento da Igreja com monumentos que marcam o Vaticano até hoje, como o conjunto de colunas da Praça de São Pedro, obra do escultor e arquiteto Gian Lorenzo Bernini.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …