Alemanha proíbe smartwatches que espiam crianças e exige aos pais que os destruam

O órgão regulador das telecomunicações alemãs anunciou, este fim de semana, a proibição da utilização de smartwatches a todas as crianças. Aos pais, o Bundesnetzagentur pediu que destruíssem estes equipamentos.

A decisão foi tomada pelo órgão regulador das telecomunicações, o Bundesnetzagentur, que afirma que os relógios inteligentes violam as leis de vigilância da Constituição. A agência descreve-os como autênticos “equipamentos de escuta”, sendo a geolocalização e a captura de som os aspetos que mais preocupam o governo alemão.

No passado mês de outubro, a Organização Europeia do Consumidor (OEC) expressou-se acerca deste tema. Na opinião da OEC, estes relógios inteligentes, criados para serem utilizados por crianças, ameaçam a privacidade dos seus utilizadores e do ambiente que os rodeia.

Mas a principal preocupação da OEC é o perigo de estes dispositivos poderem ser pirateados. Os hackers teriam acesso à localização das crianças e poderiam até manipular remotamente a localização das crianças que os utilizam.

“De acordo com nossas investigações, os pais usavam os relógios para ouvir os professores durante a aula”, referiu o presidente da Bundesnetzagentur, Jochen Homann, em comunicado. Na Alemanha, é ilegal registar conversas privadas sem permissão e os smartwatches capazes de fazer chamadas telefónicas eram já proibidos no país.

Segundo o Mashable, o órgão regulador não só apela à destruição dos dispositivos como também pede aos cidadãos que documentem essa destruição com provas online. Assim que os smartwatches são destruídos, a Bundesnetzagentur fornece um “certificado de destruição” que confirma a ação.

A Noruega tinha já detetado o perigo do envio de algumas informações privadas por estes dispositivos eletrónicos. No relatório do Conselho Norueguês para o Consumidor, apenas uma marca de smartwatches – a Tinitell – conseguiu passar nos testes. As restantes revelaram falhas perigosas de segurança.

Esta não é a primeira vez que as autoridades alemãs pedem aos cidadãos que destruam um dispositivo que adquiriram. Em Fevereiro, a boneca “My Friend Cayla” foi proibida na Alemanha.

O dispositivo de ligação bluetooth da boneca podia ser pirateado, permitindo que qualquer hacker intercetasse as conversas das crianças, tal como poderia acontecer com o relógio inteligente.

A Organização Europeia do Consumidor congratula-se com a decisão de proibir a venda do brinquedo, mas lamenta que os consumidores não sejam compensados – e anunciou na altura que iria lutar para que recebem a indemnização devida.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Os meus parabéns ao Governo alemão pela salvaguarda da privacidade e da liberdade, valores MAIS IMPORTANTES do que a própria “segurança” (que é a actual desculpa para devassa da privacidade e da liberdade).

    Vejam lá é se indeminizam as pessoas, porque a porcaria dos relógios não foram de graça e não eram ilegais quando foram comprados.

  2. A sociedade está cada vez mais refém da tecnologia até chegar ao ponto que esta ultrapassará todos os limites razoáveis e passará a inverter a situação.

RESPONDER

Panama Papers. Alemanha com ordens de detenção para Mossack e Fonseca

Um tribunal de Colónia emitiu ordens de detenção contra Jürgen Mossack e Ramón Fonseca por fraude fiscal e associação criminal no caso dos Papéis do Panamá, uma investigação internacional por branqueamento de dinheiro, anunciaram esta …

Depressão Bárbara. Registadas 654 ocorrências, mau tempo volta a agrava-se hoje

A Proteção Civil registou até ao final da manhã desta terça-feira 654 ocorrências devido ao mau tempo, sobretudo nas zonas urbanas a norte do rio Tejo, e colocou em alerta especial laranja mais três distritos …

Bolsonaro diz que vacina será gratuita mas não obrigatória

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esta segunda-feira que a vacina contra a Covid-19 será gratuita mas não será obrigatória para a população do país, o segundo com mais mortes no mundo devido à …

Estudantes indicaram professor que foi decapitado a jihadista (em troca de dinheiro)

Investigadores acreditam que vários estudantes indicaram por dinheiro quem era o professor Samuel Paty ao jihadista que o decapitou na sexta-feira ao lado da escola onde trabalhava na região de Paris. O ministro da Educação, Jean-Michel …

Portugal regista mais 15 óbitos, 1.876 novos casos e 1.932 recuperados

Portugal contabiliza esta terça-feira mais 15 mortos relacionados com a covid-19 e 1.876 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim, …

Há ratos e répteis no Centro Hospitalar de Viseu. Ala psiquiátrica está em "péssimas condições"

O alerta partiu do bastonário da Ordem dos Médicos que denunciou a "péssima condição" a que os utentes estão sujeitos. Miguel Guimarães desafiou esta segunda-feira a ministra da Saúde a visitar o departamento de Psiquiatria do …

Portugal é pouco poupador, tem condições de trabalho precárias e pouca escolaridade

Portugal é um país envelhecido, com idosos a viverem sozinhos, pouco poupador e onde o trabalho é precário, os patrões e empregados têm baixa escolaridade e há poucas mulheres na polícia, revela uma publicação da …

País em duodécimos seria uma "irresponsabilidade". Bloco acusa Governo de chantagem “inaceitável”

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, falou, em entrevista à Rádio Observador, sobre as negociações com o Governo para a aprovação do Orçamento de Estado para 2021. Em entrevista à Rádio Observador, a coordenadora …

Não se sabe como foram infetadas 41% das pessoas em Portugal. Novo confinamento é "para evitar"

De acordo com a Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, neste momento não se sabe como foram infetados 41% dos doentes, sendo apenas possível "identificar um contacto com alguém que tivesse sintomas de covid-19 ou que …

Chega acusa PSD de covardia por recusar proposta de revisão constitucional

O PSD vai chumbar a proposta de revisão constitucional do Chega. Em reação, André Ventura acusou os sociais-democratas de ter uma "atitude covarde". Em declarações ao jornal Público, o líder da bancada social-democrata, Adão Silva, disse …