Alemanha devolve Bronzes do Benim. Olhos voltam-se para o Museu Britânico (e EUA sacodem culpas)

archier / Flickr

Bronzes do Benim

A Alemanha vai devolver à Nigéria os artefactos de valor inestimável roubados durante a colonização de África, no século XIX.

A Alemanha tem a segunda maior coleção de Bronzes do Benim do mundo e vai começar a repatriar as peças a partir do próximo ano. Os artefactos vão ganhar uma nova casa: um museu na cidade de Benim, na Nigéria.

“Estamos a enfrentar a responsabilidade histórica e moral de trazer à luz o passado colonial da Alemanha e chegar a um acordo”, disse a ministra da Cultura alemã, Monika Grütters, em comunicado, citado pelo The World.

Os Bronzes do Benim são considerados um dos maiores tesouros artísticos de África. Trata-se de um grupo de mais de mil esculturas e placas do século XVI-XVIII do antigo Reino do Benim, na África Ocidental, na atual Nigéria.

Em 1897, as forças coloniais britânicas atacaram o Reino de Benim, incendiando vilas e cidades e massacrando os residentes. O exército colonial saqueou o palácio real, roubando marfim, esculturas de madeira, máscaras, placas e relevos.

Os britânicos decidiram vender tudo o que roubaram e, hoje, os objetos estão expostos em alguns dos museus mais famosos da Europa e dos Estados Unidos.

Os Bronzes do Benim são considerados por muitos como um símbolo do colonialismo e da exploração – e assim permanecerão até que sejam devolvidos.

No caso da Alemanha, a decisão de devolver os artefactos não cabe aos museus, mas sim ao Governo.

“Basicamente, todas as coleções são de propriedade pública de vários governos federais, estaduais ou municipais. Se os objetos de coleções públicas forem devolvidos, desencadeia-se um grande processo político”, explicou Barbara Plakensteiner, fundadora do Benin Dialogue Group, um consórcio de museus europeus e nigerianos que trabalha pela restituição das obras há já uma década.

Agora, há um “entendimento político” na Alemanha de que as considerações morais superam as logísticas. “Há dez anos, não era esse o caso”, afirmou.

Após o anúncio alemão, os olhos voltaram-se para o Museu Britânico, em Londres, que abriga a maior coleção do mundo de Bronzes do Benim.

O The World avança que, apesar de não se ter comprometido a devolver as peças, o Museu Britânico pode estar no caminho certo. Além de integrar o Benin Dialogue Group, tem arrecadado fundos para o novo museu de Benim.

“Eles estão dentro. Não vejo como vão desistir”, adiantou Chika Okeke-Agulu, professora da Universidade de Princeton, que participou no esforço de restituição dos artefactos.

À semelhança do museu do Reino Unido, também o Metropolitan Museum of Art, em Nova Iorque, e o Smithsonian Institution, em Washington, têm Bronzes do Benim nas suas coleções.

Ainda que os museus norte-americanos tentem distanciar-se moralmente, atirando as culpas para os europeus, é provável que acabem por ceder, pressionados pelos protestos contra a justiça racial, um pouco por todo o mundo.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Vídeo mostra salmões feridos devido ao sobreaquecimento das águas

O vídeo foi gravado por um grupo de conservação ambiental depois de uma onda de calor no Noroeste Pacífico que fez as temperaturas da água atingirem os 21 graus Celsius. De acordo com o jornal The …

Uma prenda de aniversário. Israelita doou um dos seus rins a um menino palestiniano

Uma israelita quis doar um rim a um estranho. Estranho esse que acabou por ser uma criança, de apenas três anos, que vive na Faixa de Gaza, na Palestina. De acordo com a agência Associated Press, …

Novo método permite eliminar a bioincrustação marinha eficazmente

Um projeto inovador demonstrou como os revestimentos de superfície eletricamente carregados podem eliminar a bioincrustação marinha ou o crescimento de organismos marinhos, melhorando a operação e manutenção de embarcações navais. A bioincrustação marinha é um fenómeno …

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …

Jogos da Taça da Liga de sábado adiados para domingo para poderem ter público

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou, esta quinta-feira, que os jogos da Taça da Liga agendados para sábado vão ser adiados para domingo, para que possam ter público nas bancadas. "A Liga, …

Dinamarca enfrenta acção legal por querer repatriar refugiados sírios

O governo dinamarquês quer repatriar sírios naturais de Damasco depois de um relatório mostrar que há zonas da Síria onde a segurança melhorou. A decisão está a ser criticada por activistas e o caso pode …

Pela primeira vez, foi observada luz por detrás de um buraco negro

Um estudo divulgado esta quarta-feira revelou a primeira observação direta da luz por detrás de um buraco negro, através da deteção de pequenos sinais luminosos de raios-X, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein. Segundo …