Afinal, o plástico que “reciclamos” é terrível para o ambiente

Quando pomos resíduos de plástico no lixo, é bem provável que deem a volta ao mundo, onde pode representar um risco para a saúde e segurança dos países em desenvolvimento.

O planeta está a ser enterrado sob plástico: as praias estão cheias de lixo, a vida marinha está a sufocar e estamos até a beber uma quantidade de plástico do tamanho de um cartão de crédito todas as semanas a partir da nossa água potável.

Reciclagem é uma boa ideia – até ser feito de forma errada. Aquela garrafa de plástico que se coloca no lixo da rua nem sempre é dividida e transformada num novo produto. Às vezes, de acordo com um novo relatório, acaba no outro lado do mundo, no quintal de alguém, tomando o seu lugar entre dezenas de sacolas de supermercado e de lanches.

Segundo a investigação de seis meses Toxic America do jornal britânico The Guardian, os EUA enviam cerca de um milhão de toneladas de resíduos plásticos para o exterior por ano. Grande parte desse plástico foi parar à China, onde foi reciclado – até que o país parou abruptamente a maioria das importações de resíduos plásticos em 2017.

Agora, uma boa parte dos resíduos plásticos dos EUA é enviada para os países mais pobres do mundo, incluindo Bangladesh, Laos, Etiópia e Senegal.

No ano passado, cerca de 68 mil contentores de reciclagem de resíduos plásticos dos EUA foram enviados para países em desenvolvimento, que administram mal mais de 70% dos seus próprios resíduos de plástico. Por exemplo, a Malásia despeja ou descarta inadequadamente 55% dos seus próprios resíduos plásticos, mas recebe mais resíduos dos EUA do que qualquer outro país.

Estima-se que 20% a 70% dos resíduos plásticos que vão para instalações de reciclagem em todo o mundo são inutilizáveis e descartados como lixo, de acordo com o relatório.

Além de ter que viver entre o lixo que lota as praias e ruas, o crescente número de instalações de processamento de plástico que estão a surgir nesses países representa riscos para a saúde dos cidadãos que vivem entre os suprimentos de água contaminada e o cheiro do fumo.

ZAP //

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Que exagerados, os plásticos que vão para o ambiente são maioritariamente de países como a Índia, em Portugal e restante Europa não se vê a imagem de pessoas a catarem o lixo, isto são desculpas para se aumentarem imposto com a aprovação do povo ludibriado.
    Já têm a taxa do saco plástico, não tarda vem a da garrafa, das caixas utilizadas na indústria e comércio, dos pneus não, esses já têm taxa própria.
    O saque continua, e o povo gosta.

    • Boa tarde, José Raul.
      Em que não acredita?
      Que a “reciclagem” em alguns países é atirarem para o quintal de outros?
      Que os polímeros estão a entrar na nossa cadeia alimentar?
      Olhe, acredite. Quer queira quer não, é um facto.
      Cumprimentos

      • Caro Carlos:
        Eu não falei em acreditar ou não.
        O que eu quis dizer é que é na Ásia, na África e na América do Sul que fazem a “reciclagem de quintal” mas é o povo Europeu, mais concretamente Portugal, que é o que mais me interessa, que está a pagar por essas más práticas de alguns, e que os governantes se aproveitam dessas realidades para impingirem taxas e taxinhas a quem mais faz para conservar o planeta fazendo-nos sentir culpados pelas atrocidades cometidas por outros, e com sentimento de culpa o povo vai pagando o que não lhe é devido e enchendo os bolsos de quem também não devia.
        Que os polímeros estão a entrar na nossa cadeia alimentar também é uma ideia propagandista para justificar o tanto que nos obrigam a pagar voluntariamente, não sei se me entende. Os polímeros já estão na cadeia alimentar há décadas e são aí colocados pela indústria alimentar, e não só, não têm muito a ver com reciclagem correcta ou de “quintal”, antes de chegar à utilização final já passou pelo acondicionamento e transporte dos produtos que se contaminam.
        Apesar de ser a favor da reciclagem, sou contra a propaganda dos governantes que “com impostos, taxas e taxinhas” fazem o povo pensar que se redime do mal que os polímeros (plásticos) possam fazer e assim ficam libertos para continuar a poluir, agora com a “consciência tranquila”.
        Veja-se o caso dos sacos plásticos, foram taxados mas não foram proibidos, continuam a ser utilizados, porquê? É simples, se venderem sacos plásticos mais grossos a indústria que os fabrica ganha mais, mas estes vão demorar mais tempo a se degradarem até pela espessura do material, e mesmo assim não invalidam a utilização dos plásticos mais finos e, supostamente, “mais poluentes”.
        Quando quer proteger um alimento entre utilizações o que se usa, película aderente, que não é plástico nem solta os perigosíssimos polímeros. (ironia)
        É tudo uma questão de alimentar o capitalismo que é sôfrego por DINHEIRO.
        É a minha opinião e vale o que vale, eu não sou o detentor da verdade, mas não gosto de ser enganado.

        • Caro José Raul, para quê tanto palavreado? Para se referir ao que a notícia não aborda?
          Espero que seja suficientemente novo. Talvez venha ainda a ter de enfrentar a realidade que nos espera. E aí não haverá taxas em taxinhas que mitiguem os problemas.

          • Caro sr. Sérgio O. Sá:
            Este “palavreado” foi para dar resposta ao comentário que o sr. Carlos fez em relação ao meu primeiro comentário, esse sim referente à notícia.
            Confirmo que sou suficiente novo, em especial para a reforma.
            Não entendeu o que eu escrevi, ou eu escrevi de forma errada, eu sou a favor de uma reciclagem eficiente, não de aterros sanitários que permitem que as pessoas possam “catar” o lixo, o que não acontece em Portugal, a maioria do lixo passa por incineradoras e as águas, até as pluviais, são tratadas em estações que retiram todos os detritos sólidos, por isso não somos os poluidores dos mares.
            Mas sou mais apologista da reutilização e ainda mais da redução do consumo.
            Quanto aos polímeros, o que escrevi, ou tentei, foi que já há muitos anos, ou muitas décadas, que o plástico entrou na nossa alimentação, não tem nada a ver com estas notícias modernas.
            Espero ter-me explicado agora.

            • Caro José Raul, entendi perfeitamente o que diz e estou inteiramente de acordo consigo.
              O meu reparo anterior resultou do facto de o José Raul se ter referido a taxas e taxinhas impingidas pelos governantes «a quem mais faz para conservar planeta».
              Como esse ponto não era focado na notícia, foi por isso que retruquei.
              Cumprimentos.

  2. “(…)tomando o seu lugar entre dezenas de sacolas de supermercado e de lanches.”
    os brasileiros referem-se a “lanches” quando falam de happymeal ou outros fastfood. possivelmente quereriam referir-se às embalagens associadas a esses fastfood.

  3. A solução não está, nem nunca esteve, na reciclagem mas sim no fim da produção de plástico. Não atirem areia para os olhos do povo

  4. Antes dos plásticos, as mesas, moveis, cadeiras e outros apetrechos eram feitos com madeira. Não dá para saber se haveria tanta madeira para tantas necessidades. Afinal, a população mundial é de aproximadamente 7,6 bilhões de indivíduos.

RESPONDER

Em Itália, preparar o regresso às escolas inclui serras afiadas

Itália, o primeiro epicentro de covid-19 fora da China, usou um regime agressivo de testes e uso de máscaras para conter uma segunda vaga no país. Agora, as escolas estão a preparar-se para receber, no …

Marcelo promulga Estatuto do Antigo Combatente e veta alterações ao direito de petição

O Presidente da República promulgou o novo Estatuto do Antigo Combatente, aprovado por larga maioria no parlamento em 23 de julho, desejando tratar-se de “o início de um caminho” e não “o seu termo”. Em nota …

O céu de Wuhan iluminou-se com 400 drones para homenagear a população

O céu de Wuhan, cidade chinesa onde se pensa ter surgido o novo coronavírus, em dezembro de 2019, foi iluminado, este domingo, com 400 drones para homenagear os habitantes. De acordo com o vídeo da CGTN, …

Vila do Conde revela que tem 173 casos ativos no concelho

A Câmara de Vila do Conde, do distrito do Porto, revelou esta quarta-feira que existem 173 casos ativos de covid-19 no concelho e que já está em marcha um plano de apoio à população, assim …

Descarrilamento de comboio na Escócia faz pelo menos três mortos

Três pessoas morreram e seis ficaram feridas em consequência do descarrilamento de um comboio de passageiros na Escócia, anunciou a polícia escocesa, citada pela agência Lusa. O acidente ocorreu 160 quilómetros a nordeste de Edimburgo. Numa primeira …

Temido garante que "não haverá exceções" para o Avante (e pede cautela com vacina russa)

A ministra da Saúde defendeu esta quarta-feira que a lotação da Festa do Avante!, organizada pelo PCP, terá este ano que ser inferior à capacidade máxima de 100 mil pessoas do recinto no Seixal, por …

Trump pondera impedir entrada de residentes suspeitos de exposição à covid-19

A Administração norte-americana está a ponderar barrar a reentrada no país a cidadãos norte-americanos ou residentes legais suspeitos de terem sido expostos ao novo coronavírus. De acordo com o Jornal Económico, que cita o jornal New …

Pelo menos 42 feridos em Beirute em confrontos entre polícia e manifestantes

Pelo menos 42 pessoas ficaram feridas, esta terça-feira, em confrontos entre manifestantes e a polícia, pelo quarto dia consecutivo, nas proximidades do Parlamento em Beirute. De acordo com a Cruz Vermelha libanesa, dos pelo menos 42 …

ONU envia ajudas para estabilizar falta de alimentos no Líbano

A Organização das Nações Unidas já começou a ajudar o Líbano, através do envio de farinha de trigo. O objetivo é começar a colmatar a falta de alimentos destruído pelas explosões. Segundo o The Washington Post, …

Mais três mortes e 278 novos casos. Infeções aumentam no Norte

Portugal tem atualmente 12.519 casos ativos de covid-19 e 161 surtos, circunstâncias em que os casos ativos estão ligados a um fenómeno comum, anunciou esta quarta-feira a ministra da Saúde em conferência de imprensa. Esses surtos, …