“A ideia de transformar a ADSE numa espécie de SNS 2 não vai acontecer”, garante ministra

Manuel de Almeida / Lusa

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão

A ministra Alexandra Leitão afirmou que os alargamentos do subsistema de saúde serão sempre dentro do Estado, tal como o que foi feito agora aos contratos individuais de trabalho (CIT).

A nova tabela de preços da ADSE está em fase final de negociação com os hospitais privados e deverá ser aprovada no próximo mês, disse esta terça-feira a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão.

A governante falava no Parlamento em audição na Comissão de Administração Pública, Modernização Administrativa, Descentralização e Poder Local, a pedido do PSD, sobre o alargamento da ADSE aos contratos individuais das entidades públicas, que resultou já em 41 mil novas inscrições.

Em reposta à deputada do PCP Paula Santos, a ministra adiantou que as novas tabelas de preços da ADSE estão “numa última fase de negociação com os operadores privados”, apontando para que a sua aprovação “possa ocorrer no próximo mês”.

Segundo Alexandra Leitão, só após a aprovação das novas tabelas haverá condições para reabrir outros dossiers como é o caso das regularizações por excesso de faturação, um processo que em 2018 levou a que vários grupos de hospitais privados ameaçassem suspender as convenções com a ADSE.

“É importante que se feche a tabela e depois vamos agarrar no assunto das regularizações porque tem de ser agarrado”, frisou a ministra.

Já em reposta à deputada do PSD Carla Barros, que criticou o facto de o alargamento da ADSE não abranger todos os trabalhadores, como é o caso dos funcionários da maioria das empresas municipais, Alexandra Leitão sublinhou que o processo não pode “desvirtuar” a matriz do subsistema de saúde e por essa razão ficaram de fora as sociedades anónimas ou por quotas.

“A ideia de transformar a ADSE numa espécie de Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2 não vai acontecer com este Governo”, sublinhou a ministra.

Leitão foi também questionada pelos deputados sobre a possibilidade de o Governo permitir que as pessoas que saíram da ADSE possam agora voltar a aderir ao subsistema de saúde, mas a ministra afastou essa hipótese, apesar de ser “sensível” à questão.

“O meu primeiro impulso era que faz sentido [as pessoas poderem regressar à ADSE]. Mas há pessoas que ficaram dez anos sem descontar e no dia a seguir poderiam entrar e ter os mesmos benefícios do que aqueles que descontaram”, argumentou, lembrando que não há períodos de carência na ADSE como acontece com os seguros de saúde privados.

O decreto-lei que prevê o alargamento da ADSE aos trabalhadores com contrato individual das entidades públicas entrou em vigor no dia 9 de janeiro, tendo as inscrições arrancado em 18 de janeiro.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Rui Pinto gera discórdia no inquérito ao Novo Banco. PSD levanta dúvidas sobre presença do hacker

No centro da discórdia está Rui Pinto, já que os partidos não conseguem chegar a um consenso sobre a convocatória do hacker para a comissão de inquérito ao Novo Banco. A sua presença será discutida …

Pesca da sardinha reabre hoje após quase sete meses

A pesca da sardinha reabre hoje, após quase sete meses de interdição, com um limite de 10.000 toneladas que deverá ser revisto em junho. No entanto, num diploma publicado em Diário da República no dia 6 …

Cortes do Estado em contratos levaram ao encerramento de 20 colégios

Desde que o Estado começou a cortar nos contratos com os estabelecimentos de ensino particular e cooperativo já 20 colégios fecharam portas. Em 2016, o Estado começou a implementar cortes graduais nos contratos de associação com …

Portugal vai ser o país europeu com menor percentagem de população ativa

De acordo com as novas projeções, em 2050, Portugal terá 1,6 pessoas em idade ativa por cada idoso, sendo que atualmente conta com 2,9. As projeções do Eurostat, divulgadas pelo Jornal de Notícias, indicam que em …

"Sentimento anti-Modi." Pandemia deixa primeiro-ministro indiano debaixo de fogo

A segunda vaga de covid-19 na Índia tem alfinetado Narendra Modi. Restam saber quais serão as consequências políticas para o primeiro-ministro indiano. Narendra Modi chegou ao poder em 2014, cheio de promessas de crescimento e prosperidade …

"Um dia feliz". Britânicos voltam em força (e até o calor se antecipou)

Turistas de quase toda a Europa podem, a partir desta segunda-feira, entrar em Portugal, no regresso do turismo internacional. É "um dia feliz" para o turismo nacional, sobretudo devido ao regresso dos britânicos que trazem …

FC Porto avança por Beto e já há valores em cima da mesa

O negócio entre o FC Porto e o Portimonense pelo avançado Beto já estará numa fase bastante avançada. Apesar de os três grandes terem demonstrado grande interesse em Beto, segundo avança o jornal O Jogo, são …

Odemira não é um caso único. Em Santarém, há situações "em tudo semelhantes"

O SEF tem investigado em Santarém situações "em tudo semelhantes às investigadas em Odemira e no Alentejo" por auxílio à imigração ilegal e tráfico de pessoas. Odemira tem estado recentemente no centro de toda a atenção …

No último ato da Liga, há uma luta por uma vaga europeia e uma fuga à despromoção

Vitória de Guimarães, Santa Clara e Famalicão lutam pela derradeira vaga de acesso às competições europeias de futebol da próxima época, numa 34.ª e última jornada marcada também pela ‘fuga’ à despromoção da I Liga …

"O PSD nacional tem de mudar e já", apela Alberto João Jardim

O antigo presidente do Governo Regional da Madeira defendeu num artigo de opinião, publicado esta segunda-feira, que o PSD nacional tem de "acordar" e "mudar já" e "não esperar pelos resultados das eleições autárquicas". No artigo …