ACT lança campanha para promover locais de trabalho saudáveis

wili_hybrid / Flickr

-

Uma campanha europeia de consciencialização para a importância da segurança e saúde no trabalho arrancou hoje em Portugal, com o objetivo de mostrar a “melhor forma” de lidar com o stresse e os riscos psicossociais nas empresas.

Promovida pela Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) e pela Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho (EU-OSHA), a campanha “Locais de trabalho saudáveis contribuem para a gestão do stress” tem como base um estudo segundo o qual 51% dos trabalhadores europeus considera habitual o stress no local de trabalho.

Através da campanha, que decorre até 2015, a ACT procurará “apoiar e orientar os empregadores, gestores, trabalhadores e seus representantes para a prevenção de situações geradoras de stresse e promoção de ambientes de trabalho saudáveis”, explicou Emília Telo, da Ponto Focal Nacional da EU-OSHA, numa resposta escrita enviada à Lusa.

Emília Telo adiantou que a prevalência de stress relacionado com o trabalho na Europa é elevada e com “custos significativos para organizações e economias”.

Segundo o estudo da EU-OSHA, quatro em cada 10 profissionais afirmam que o stress não é corretamente abordado na sua empresa.

Atualmente, o stress é o segundo problema profissional mais frequente entre os trabalhadores europeus (logo a seguir às doenças músculo-esqueléticas), sendo responsável por 50 a 60% das faltas ao trabalho.

A maioria dos inquiridos (72%) apontou como causas mais comuns de stress a reorganização do trabalho ou a insegurança laboral, enquanto 66% referiram os horários alargados e o volume de trabalho excessivo e 59% apontaram a intimidação ou o assédio moral no trabalho.

Os trabalhadores mais expostos a estas situações ficam mais suscetíveis a doenças psicológicas e profissionais, fatores que levam a uma baixa produtividade e a um aumento de absentismo.

Realidade europeia

Na Europa, estima-se que os custos totais com perturbações da saúde mental (relacionadas ou não com o trabalho) ascendam a 240 mil milhões de euros por ano.

Menos de metade desse montante resulta de custos diretos, como tratamentos médicos, sendo 136 mil milhões de euros imputáveis à perda de produtividade, incluindo o absentismo por baixa médica.

“É, pois, importante invertermos esta situação para benefício de todos e tal pode ser alcançado, pois podemos prevenir e gerir os riscos psicossociais nos locais de trabalho”, defendeu Emília Telo.

As empresas e organizações têm “todos os motivos” para se envolverem na prevenção e gestão deste problema, através da “construção de ambientes de trabalho mais saudáveis, em que todos beneficiam: trabalhadores, empresas e economia”, sustentou.

Para isso, os empregadores devem estimular os trabalhadores: “Um bom gestor inspira e motiva os seus colaboradores, conhece os seus pontos fortes e fracos, incentiva-os a trabalhar para a concretização de objetivos comuns e eleva o seu moral”.

Por seu turno, os trabalhadores ajudam a identificar problemas e encontrar soluções ao partilharem o seu conhecimento do local de trabalho com os empregadores, explicou.

Emília Telo observou que há algumas empresas portuguesas “com boas práticas neste domínio”.

“Estamos numa economia global, altamente competitiva, e tudo o que se possa fazer para benefício das empresas e da própria economia é bem recebido”, sendo a informação “um dos pilares de qualquer estratégia de prevenção de riscos profissionais”, acrescentou.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Mais uma falsidade, estes senhores que façam o que lhes compete e não precisam de fazer mais nada para atingir o fim a que se propõem. não é andarem a dizer aos patrões quando vão fazer a inspecção e a dizerem aos trabalhadores que se queixam, que se forem para o desemprego é bem pior que aguentarem as prepotências e ilegalidades dos patrões, ACT é uma farsa.

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …