A primeira bateria doméstica de hidrogénio armazena três vezes mais energia do que uma da Tesla

Para usar energia solar doméstica, é preciso gerar energia quando o Sol brilha e armazená-la quando não aparece. Para isto, as pessoas usam normalmente sistemas de bateria de lítio. Porém, a empresa australiana Lavo construiu um quadro que pode ficar na lateral das casas e armazenar o excesso de energia como hidrogénio.

O Sistema de Armazenamento de Energia Lavo Green mede 1.680 por 1.240 por 400 milímetros e pesa 324 quilogramas, de acordo com o NewAtlas.

O sistema é ligado ao inversor solar – deve ser híbrido – e à água de rede através de uma unidade de purificação e usa o excesso de energia para eletrolisar a água, libertando oxigénio e armazenando o hidrogénio num hidreto metálico “esponja” a uma pressão de 435 psi.

O sistema armazena cerca de 40 quilowatts por hora de energia, três vezes mais do que o atual Powerwall 2 da Tesla e o suficiente para manter uma casa média durante dois dias.

Quando a energia é necessária, o sistema usa uma célula de combustível para fornecer energia à casa, adicionando uma pequena bateria tampão de lítio de 5 quilowatts por hora para resposta instantânea. Há ligação Wi-Fi e uma aplicação de smartphone para monitorização e controlo.

Além disso, as empresas com maior necessidade de energia podem executar vários sistemas em paralelo para formar uma “central de energia virtual inteligente”.

Segundo a empresa australiana, este sistema dura muito mais do que um sistema de bateria – até 30 anos em vez de 15 com uma configuração de bateria de lítio. Não há produtos químicos tóxicos que pudessem ser descartados e um sistema é mais compacto do que uma quantidade equivalente de armazenamento de bateria.

Segundo a Lavo, uma fuga aumentará e dispersar-se-á tão rapidamente que haverá baixas hipóteses de um incêndio ou explosão e o hidrogénio “não é inerentemente mais perigoso do que outros combustíveis convencionais, como gasolina ou gás natural”.

Por outro lado, as baterias armazenam e libertam energia com perdas mínimas. Para cada quilowatt por hora gerado pelo seu sistema de cobertura e colocado numa bateria, recebe-se de volta mais de 90% dele. Porém, o processo de hidrogénio por eletrólise usando uma membrana de troca de protões é apenas cerca de 80% eficiente.

Além disso, o sistema perde cerca de metade do que armazenou no processo de conversão do hidrogénio em energia através de uma célula de combustível.

Outro problema é a potência máxima contínua do sistema de 5 quilowatts por hora, presumivelmente limitada pelo rendimento da célula de combustível. Existem sistemas de ar condicionado de sistema único dividido – pouco extravagantes – que consomem mais de 7 quilowatts por hora.

Ainda assim, ainda é cedo e o hidrogénio é o assunto mais quente no setor de energia de momento. Não é inviável pensar que unidades de armazenamento doméstico podem começar a fazer sentido no futuro.

Este sistema custa 26.900 dólares e deverá estar disponível internacionalmente no último trimestre de 2022.

Maria Campos Maria //

PARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Bem feitas as contas não chega para uma casa média (84,5 kW x h) o que corresponde a uma potência continua de 3,52 kW.
    Relativamente à pericolosidade, “não é inerentemente mais perigoso do que outros combustíveis convencionais, como gasolina ou gás natural”, não é bem assim. De facto o hidrogénio é mais perigoso porque não tem cheiro, é dificil perceber uma fuga e arde mais violentamente em contacto com o oxigénio do ar.

RESPONDER

Família de Ihor pondera recorrer se inspetores não forem condenados por homicídio

A família de Ihor Homenyuk está a ponderar recorrer se os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) forem condenados por ofensas à integridade física agravada e não por homicídio qualificado. A notícia é …

"Sofagate". Michel pede desculpa a Von der Leyen por falta de reação a incidente em Ancara

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, pediu esta terça-feira solenemente desculpa à líder da Comissão Europeia (UE) pela falta de reação ao "desplante diplomático" protagonizado por Ancara na semana passada. Von der Leyen destacou …

Altice Portugal acredita que "SIRESP vai acabar a 30 de junho"

O presidente da Altice Portugal disse que a empresa não teve "qualquer tipo de contacto por parte do SIRESP" sobre a continuidade do contrato, pelo lhe parece que a rede de emergência "vai acabar no …

Polícia do Capitólio foi avisada do ataque mas ordenada a não agir agressivamente

A Polícia do Capitólio dos Estados Unidos foi avisada antecipadamente sobre a violência dos atacantes do dia 6 de janeiro, mas os seus comandantes ordenaram aos oficiais que não usassem as suas táticas "mais agressivas" …

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Neuralink divulga vídeo de macaco a jogar videojogo com a mente

A Neuralink, empresa de implantes cerebrais de Elon Musk, divulgou na quinta-feira um vídeo que mostra a tecnologia a funcionar em macacos. No vídeo, um cientista da Neuralink explica a forma como a empresa implantou um …

Coligação negativa trava "big brother fiscal" nas empresas

Foi aprovada no Parlamento uma proposta do PCP para mudar, de novo, a lei que regulamenta o envio de dados das empresas para o Fisco, com o voto contra do PS. É um travão ao …

Especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Os buracos negros gostam de comer, mas têm várias regras de etiqueta à mesa

Uma equipa de astrónomos britânicos e holandeses concluiu que todos os buracos negros supermassivos no centro das galáxias parecem ter períodos em que engolem matéria dos seus arredores.  Astrónomos têm estudado galáxias ativas desde 1950. Estas …

Fim dos apoios às empresas acelera vaga de despedimentos

A pressão para pagar subsídios de férias e o fim da proibição de reduzir pessoal nos setores que tiveram ajudas vai potenciar uma vaga de despedimentos. O Jornal de Notícias ouviu advogados e associações sindicais que …