Aceitar o corpo está na moda — mas os corpetes voltaram em força

1

Canvas

Peças têm sido popularizadas por celebridades e influencers nas suas redes sociais, motivando questões sobre os passos que já foram dados na libertação das mulheres dos esterótipos corporais que durante anos vigoraram.

Ao longo da história, as mulheres têm enfrentado múltiplas vagas de pressões para terem certas formas corporais – o que as tem levado, muitas vezes, a utilizar métodos extremos para as alcançar.

Assim, diz a Fast Company, seria de pensar que, à luz dos avanços efetuados nos últimos anos no que respeita a esta matéria, os dias dos espartilhos e outras roupas restritivas tivessem ficado para trás.

No entanto, a indústria global de shapewear está em plena expansão – com projeções a indicarem que as vendas destes produtos podem atingir os 3,7 mil milhões de dólares até 2028.

Embora os espartilhos possam ser encontrados no século XVI, foi apenas no século XVIII que a forma da ampulheta se tornou moda. Por esta altura, a peça de vestuário passou também a representar um estatuto de elite e fragilidade física, ambos símbolos da feminidade.

No entretanto, diferentes ideais do que deveriam ser as formas corporais entraram e saíram da moda, em grande parte por influência de celebridades ou até mesmo por imagens e obras de arte famosas. Por exemplo, Afrodite, a deusa grega da beleza, foi frequentemente representada em pinturas e esculturas com um corpo curvilíneo.

Ao passo que as figuras de ampulheta foram populares durante toda a década de 1950 devido a símbolos sexuais como Marilyn Monroe e Jayne Mansfield, em meados e finais da década de 1960 assistiu-se a uma mudança para um físico mais fino, graças ao icónico modelo britânico Twiggy.

O aspeto magro continuou a estar na moda nos anos 90, graças à popularidade continuada de modelos como Kate Moss.

Os anos 2010 assistiram a uma mudança para uma silhueta “curvada”, onde uma cintura estreita e ancas mais cheias se tornaram novamente o ideal.

Tal como nas décadas anteriores, esta mudança foi impulsionada por celebridades, nomeadamente Rihanna, Beyoncé, e em particular Kim Kardashian.

Embora as redes sociais tenham ajudado a dar espaço para aceitação de um leque mais diversificado de formas corporais, ainda se assiste a uma pressão contínua para que as mulheres se convertam a um ideal que pode não ser inteiramente natural.

É por isso que o chamado shapewear continua a ser popular – embora a forma como estas peças de vestuário são vistas e usadas tenha mudado significativamente desde o século XVIII.

Antes da marca de roupa interior Spanx, sediada nos EUA, ter lançado a modelação de leggings e cuecas em 2000, o shapewear era normalmente algo reservado para ocasiões especiais – como cerimónias de casamentos, onde o uso de vestidos mais apertados pressupunha a inexistência de qualquer gordura a mais.

Mas graças aos apoios das celebridades e aos influenciadores Instagram, o shapewear (incluindo Spanx) tornou-se um artigo de vestuário para o quotidiano, utilizado para ajudar a melhorar a aparência e alcançar a figura ideal.

O clã Kardashian e Victoria Beckham lançaram ambas as suas próprias linhas de shapewear a preços acessíveis.

DR

Kim Kardashian na preparação para a MET Gala de 2019

Atualmente, as jovens usam mesmo estas peças como roupa exterior, em vez de a esconderem como roupa interior. As pesquisas no Google pelas melhores peças de vestuário em shapewear, mesmo que mais largo, procura a melhor forma de perder peso.

Os corpetes de treino, em particular, são um grande exemplo do poder das redes sociais e do apoio das celebridades na condução de vendas e na mudança de perceções. Por exemplo, um selfie de 2015 publicado por Kardashian num corpete de treino criou um aumento das vendas.

Outras celebridades como Nicki Minaj e Kylie Jenner também publicaram sobre o uso de corpetes de treino.

No passado, as mulheres aprendiam as últimas tendências da moda apenas através de costureiras ou revistas, que apresentavam ilustrações das silhuetas que estavam na moda.

Mas com as redes sociais, as utilizadoras são constantemente expostos a imagens – quer de pessoas comuns ou de modelos e celebridades extremamente fotografadas. Isto torna difícil escapar às formas corporais idealizadas – e aos artigos que podem ser comprados para as conseguir.

Tal como relembra a Fast Company, as redes sociais têm uma enorme influência sobre o consumo de produtos de moda. Com uma estimativa de 3,2 mil milhões de utilizadores em todo o mundo, estas são plataformas que criam um enorme potencial para as marcas exporem diariamente os consumidores a produtos de moda.

Da mesma forma que anteriormente as tendências costumavam ser impulsionadas pelas revistas de moda, estas passaram agora para as mãos dos influenciadores.

No entanto, apesar de alguns influenciadores falarem da moda como uma forma de celebrar a forma feminina, a sua relação com noções antigas de perfeição e a sua fixação por celebridades com cintura minúscula levanta questões sobre se a aceitação corporal é o que estes produtos estão realmente a tentar vender.

Ainda assim, é improvável que estas peças de vestuário desapareçam num futuro próximo – com celebridades tão diversas como Billie Eilish e Lizzo a continuarem a popularizá-las.

Há cada vez mais questões sobre os benefícios e os riscos potenciais da utilização deste tipo de vestuário. Apesar dos corpetes de treino reduzirem temporariamente a cintura, esta volta rapidamente ao seu tamanho normal após a paragem da utilização.

Há ainda investigações científicas que mostram que a utilização de espartilhos e de pode causar problemas – desde o âmbito digestivo até danos nos órgãos nos extremos.

Algumas mulheres que usam roupa de forma entre 8 e 10 horas por dia durante muitos meses também relataram formigueiros, refluxo ácido, compressão de órgãos e problemas respiratórios.

Como resposta a estas dúvidas, surgiram inovações técnicas de fabrico, as quais visam tornar estes produtos mais respiráveis e flexíveis, podendo eventualmente oferecer um ajuste mais natural e menos prejudicial.

PUBLICIDADE

  ZAP //

1 Comment

  1. Há quem venda porque há quem compre. Qual a dúvida?

    É tão errado as mulheres serem ‘obrigadas’ a usar como quererem, a reboque de uma suposta emancipação, proibir as mulheres de usar.

    Há quem compre? Faz-se e vende-se. Não há quem compre? O produto acaba.

    Dúvidas?

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.