Mais de 70% dos infantários das IPSS alvo de inspeção não têm licença para funcionar

SXC

Mais de 70% dos jardins de infância de Instituições de Solidariedade Social (IPSS), com ensino pré-escolar, encontram-se em situação irregular.

As conclusões surgem na sequência das inspeções a cabo da Inspeção-Geral da Educação e Ciência (IGEC) realizadas nos últimos anos. De acordo com o Público, estes infantários não só não têm autorização de funcionamento, como metade cobra aos pais por serviços que deveriam ser gratuitos.

Os relatórios dos anos letivos 2014/2015 e 2015/2016 evidenciam o problema relatado. Os inspetores visitaram um total de 114 jardins de infância de IPSS e concluíram que 85 deles (73%) não tinham autorização de funcionamento pré-escolar atribuída pelo Ministério da Educação (ME), autorização essa que permite a monitorização do cumprimento das normas de segurança.

Esta autorização depende de licenças de utilização tanto por parte dos municípios em que as IPSS estão inseridas e ainda um parecer da Autoridade Nacional da Proteção Civil.

Filomena Bordalo, conselheira nacional da Confederação Nacional das IPSS, diz que estas instituições foram “apanhadas de surpresa” e que a documentação em falta nunca antes foi exigida – grande parte dos contratos foram assinados em 1997.

O Público escreve ainda que, no caso das creches, cujo vínculo IPSS e Estado passa unicamente pelo Ministério do Trabalho, da Solidariedade e Segurança Social, a autorização em causa é “automaticamente considerada” nos acordos que são celebrados.

Além da falta de autorização, a maior parte das IPSS não tinha um diretor pedagógico reconhecido pela tutela (78%), sendo que em 43% dos estabelecimentos os pais estavam a pagar por serviços que deveriam ser gratuitos. A componente letiva do ensino pré-escolar é inteiramente gratuita. A componente de apoio à família (que inclui refeições, prolongamentos letivos e férias) é paga em função dos rendimentos das famílias e comparticipada pela Segurança Social.

O Ministério da Educação já criou um grupo do trabalho, do qual fazem parte membros do sector social e dos municípios, para tentar dar resposta ao problema.

A rede nacional da educação pré-escolar é constituída por estabelecimentos públicos e por estabelecimentos pertencentes às IPSS, que têm financiamento público ao abrigo de acordos de cooperação celebrados entre o ME, o MTSSS e cada uma das instituições. São cerca de 1.400 contratos em vigor, que correspondem a 84 mil vagas. Este ano letivo foram preenchidas 77 mil. O Estado gasta 188 milhões de euros anuais com estes contratos – a maior parte desta verba – 129 milhões – é assumida pela Educação.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Grande novidade… E claro, os lares de idosos também. Se o Estado fiscalizasse e avaliasse o que financia, este tipo de notícia certamente reduzir-se-ia.

RESPONDER

Olhos postos no Senegal. Violentos protestos contra a prisão do opositor do Governo

Os confrontos no Senegal, os piores dos últimos anos, foram desencadeados pela detenção do líder da oposição Ousmane Sonko. Os confrontos eclodiram em Dakar, na quinta-feira, depois de o principal líder da oposição, Ousmane Sonko, ter …

Grupo de cientistas questiona missão da OMS e pede investigação independente na China

Um grupo de cientistas está a pedir uma investigação independente sobre a origem do Sars-CoV-2, com acesso total aos registos da China. Um grupo de cientistas escreveu uma carta aberta, divulgada nos jornais Le Monde e …

Brasil a braços com uma tragédia anunciada. República Checa pede ajuda estrangeira

No Brasil, o número diário de mortes já ultrapassou o dos Estados Unidos. Alemanha, Suíça e Polónia estão a disponibilizar os seus hospitais para receber casos graves de covid-19 da República Checa. Em relação a número …

Iniciativa Liberal diz não a Moedas e avança com candidatura em Lisboa

Este sábado, a Iniciativa Liberal rejeitou integrar a megacolicação encabeçada por Carlos Moedas e anunciou um candidato próprio à Câmara de Lisboa.  Foi este sábado, na Praça do Município, que João Cotrim de Figueiredo, líder do …

Agente da PSP que chamou "aberração" a Ventura suspenso por 10 dias

A Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP) confirmou a suspensão de dez dias a Manuel Morais, o agente que chamou "aberração" a André Ventura. O agente da PSP Manuel Morais vai iniciar, este sábado, …

1.007 novos casos e 26 mortes nas últimas 24 horas

Portugal registou este sábado 26 mortes e 1.007 novos casos de infeção nas últimas 24 horas, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico deste sábado, divulgado pela Direção-Geral da Saúde, dá conta de 1.007 …

Publicada lista de entidades abrangidas por alargamento da ADSE

A ADSE já publicou a lista de entidades abrangidas pelo alargamento do subsistema de saúde da função pública aos trabalhadores com contrato individual de trabalho. As entidades reguladoras e a maioria das empresas municipais foram …

O "caminho ainda é longo", mas Portugal já administrou um milhão de vacinas

Esta sexta-feira, Portugal ultrapassou o marco do primeiro milhão de vacinas administradas, mas o "caminho ainda é longo". Portugal ultrapassou, esta sexta-feira, um milhão de vacinas contra a covid-19 administradas, uma marca que o secretário de …

Cavaco fala em "democracia amordaçada" (e na "vergonha" dos números da pandemia)

Este sábado, numa participação na Academia de Formação Política das Mulheres Sociais-Democratas, Cavaco Silva deixou duras críticas ao Executivo de António Costa, sublinhando que a pandemia mostrou um "SNS fragilizado por decisões erradas do governo". O …

Remédio contra piolhos está a ser usado contra covid-19. Infarmed e DGS investigam

"Centenas" de doentes de covid-19, em Portugal, têm sido tratados com o antiparasitário Ivermectina que é usado contra piolhos e lombrigas. Há médicos que o prescrevem e que também o tomam a título preventivo, embora …