40 mortos em manifestações contra Governo na Colômbia. Presidente anuncia investigação a abusos policiais

Mauricio Duenas Castaneda / EPA

Mais de 40 pessoas morreram nas manifestações contra o governo da Colômbia que começaram há duas semanas, segundo a organização não-governamental (ONG) Temblores.

Em relatório divulgado na terça-feira, a ONG colombiana contabiliza pelo menos 40 mortes na sequência de confrontos entre manifestantes e a polícia, e dá conta de que pelo menos um polícia foi esfaqueado até à morte enquanto tentava impedir um motim.

Segundo o Ministério da Defesa colombiano, 849 agentes ficaram feridos nos protestos, incluindo 12 por armas de fogo, além de 716 civis, sem precisar neste caso o número de feridos por balas.

De acordo com as autoridades colombianas, 168 pessoas desapareceram durante as manifestações, que deverão continuar nos próximos dias.

A 5 de maio, a entidade que reporta os dados relativos a direitos humanos na Colômbia disse que 24 pessoas tinham morrido e 89 estavam desaparecidas.

A polícia colombiana está a ser amplamente acusada de usar força excessiva para reprimir os protestos que começaram em 28 de abril para protestar.

O Presidente da Colômbia anunciou o início de 65 ações disciplinares, incluindo oito por homicídio, para investigar a violência policial durante os protestos que se realizam diariamente há 14 dias no país.

Iván Duque, que visitou na terça-feira a localidade de Cali, centro dos protestos contra o Governo, disse terem sido iniciadas “65 ações disciplinares, 27 por abuso de autoridade, 11 por agressão física, oito por homicídio e 19 por outros comportamentos”.

A Procuradoria tem ainda em curso dez investigações e o Ministério Público 20, enquanto a Justiça Penal Militar é responsável por seis. Além disso, “667 pessoas foram detidas por atos de vandalismo, 20 por ordem judicial e 647 quando encontradas em flagrante delito”, disse.

Estas são as manifestações mais sangrentas contra o Governo do Presidente de direita desde os protestos maciços em 2019 e 2020 contra a violência policial.

Inicialmente, os protestos foram motivados por um aumento de impostos, mas continuaram mesmo depois de o governo recuar na sua intenção, e dirigem-se agora à crise que o país atravessa por causa da pandemia.

Duque, anunciou que os estudantes de universidades públicas e instituições técnicas e tecnológicas não terão de pagar propinas durante o segundo semestre deste ano, uma das reivindicações dos manifestantes.

O governante colombiano indicou que a medida vai permitir que 97% dos estudantes em universidades públicas, instituições técnicas e tecnológicas tenham “as propinas pagas”.

“Sabemos que a pandemia trouxe muitos efeitos negativos para o rendimento das famílias e, por isso, muitas famílias expressaram a necessidade de poder ter um mecanismo que ajude a cobrir os custos de educação”, acrescentou Duque, precisando que a medida só vai ser aplicada, para já, no segundo semestre deste ano.

No entanto, disse que pode vir a converter-se em política do Estado a partir de 2022.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …