Arábia Saudita pede na ONU “pressão máxima” contra o Irão

Tribes of the World / Flickr

O rei da Arábia Saudita, Abdullah bin Abdulaziz Al Saud, e o o príncipe herdeiro, Salman

A Arábia Saudita pediu na quinta-feira na Assembleia Geral das Nações Unidas “pressão máxima” contra o Irão, país que Riade responsabiliza pelos ataques às suas instalações de petróleo.

Riade, através do seu Ministro de Relações Exteriores, Ibrahim al Asaf, concentrou praticamente todo o seu discurso no país persa, na intervenção proferida no debate geral da 74.ª Assembleia-geral da ONU, que começou na terça-feira e decorre até 30 de setembro, com a presença de cerca de 150 chefes de Estado e de governo, incluindo o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Ibrahim al Asaf insistiu que é o Irão quem está por de trás dos ataques às suas instalações de petróleo e lembrou ao mundo que essas ações representam uma “ameaça significativa ao fornecimento de petróleo”.

O ministro saudita defendeu que os ataques “expuseram o regime iraniano ao mundo inteiro” como um Estado terrorista e apelou a comunidade internacional a agir. “Esta organização (ONU), como todas as outras, tem diante de si a responsabilidade moral e histórica de assumir uma posição firme e unida”, sublinhou.

Al Asaf defendeu que “meias ações” ou “acordos parciais”, com o Irão, já não resultam, sendo sim necessário “procurar uma mudança no caráter e no comportamento desse regime”. Nesse sentido, insistiu que o acordo nuclear de 2015 é um fracasso, pois deu a receita ao Irão para “financiar as suas agressões e atividades terroristas”.

O regime iraniano tem duas opções: tornar-se um Estado normal que respeite as leis e normas internacionais ou enfrentar uma posição internacional de unidade que use todos os instrumentos de pressão e dissuasão”, apontou o ministro.

A Arábia Saudita convidou investigadores das Nações Unidas para avaliarem de onde os ataques foram lançados e que armas iranianas foram usadas. Os EUA, França, Alemanha e Grã-Bretanha também disseram acreditar que o Irão está por detrás dos ataques, uma ação que foi prontamente reivindicada pelos rebeldes Houthis do Iémen (apoiados pelo Irão).

Horas antes deste discurso, os EUA anunciaram que vão enviar 200 militares e mísseis Patriot para a Arábia Saudita “à luz dos ataques recentes”, atribuídos por Washington a Teerão.

“Esse envio irá fortalecer a defesa aérea e antimíssil do reino para infraestruturas militares e civis cruciais”, afirmou um porta-voz do Pentágono, Jonathan Hoffman, citado pela Agência France-Presse, apelando a “outros países” para que “contribuam para um esforço internacional visando o fortalecimento da defesa da Arábia Saudita”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Durão Barroso defende coronabonds (mas a prioridade é outra)

Em entrevista à SIC Notícias, Durão Barroso concordou com a criação dos ​​​​​​​coronabonds, mas defendeu que a prioridade é resolver "a crise humanitária". Durão Barroso considerou, em entrevista à SIC Notícias, que as instituições europeias têm …

Do empréstimo milionário à nacionalização. As soluções da TAP para resistir à crise

A TAP está a enfrentar uma das suas piores crises, face à pandemia de covid-19, e há várias soluções em cima da mesa, desde um empréstimo com aval do Estado à nacionalização da empresa. Para fazer …

"Matem-nos". Presidente das Filipinas autoriza disparos contra quem violar quarentena

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ordenou aos agentes da polícia e aos militares que disparem sobre qualquer pessoa que esteja a causar "problemas" durante o isolamento obrigatório, decretado devido à da pandemia de Covid-19. De …

Há mais de nove mil casos de covid-19 em Portugal. Número de recuperados sobe para 68

Um mês desde o primeiro teste positivo confirmado do novo coronavírus no país, Portugal tem um total de 9.034 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica …

Ramalho Eanes: "Nós, os velhos, se for necessário oferecemos o nosso ventilador"

O antigo Presidente da República apelou aos mais "velhos", como ele, para darem o exemplo neste combate ao coronavírus, caso Portugal passe por uma situação semelhante à de Itália ou Espanha. Em entrevista à RTP, o …

"Profundamente preocupados". 13 países enviam recado a Viktor Orbán

Portugal e mais 12 países, entre os quais França, Bélgica e Espanha, garantiram, numa declarações conjunta, que apoiam a iniciativa da Comissão Europeia para verificar se as medidas de emergência implementadas respeitam os valores europeus. Os …

Da gripezinha ao "problema mundial". Bolsonaro fala com Trump e anuncia mais medidas

Jair Bolsonaro mudou de tom. Esta quarta-feira, o Presidente brasileiro anunciou um novo pacote financeiro de apoio a medidas para "manutenção de empregos", uma das suas maiores preocupações diante da pandemia de covid-19. O Presidente brasileiro, …

Bale não abdica de salário milionário e quer ficar em Madrid

Bale vai rejeitar todas as propostas que receber para sair do Real Madrid no final da temporada. O jogador não aceita uma redução do seu salário de 19 milhões de euros anuais. Gareth Bale não tem …

"Abuso da força é recorrente". Imprensa ucraniana levanta suspeitas sobre o SEF no aeroporto de Lisboa

A imprensa ucraniana tem estado a dar grande destaque à morte de Igor Homenyuk nas instalações do aeroporto de Lisboa. Em causa está a morte de um cidadão ucraniano que desembarcou no aeroporto de Lisboa, com …

Benfica pagou 34,2 milhões em comissões a intermediários. Sporting gastou metade

Entre os clubes portugueses, o Benfica foi quem mais gastou em comissões a intermediários. O FC Porto gastou 23,7 milhões de euros e o Sporting CP desembolsou 15,9 milhões. O SL Benfica foi o clube português …