Durante 17 anos John Corcoran foi professor. Nunca soube ler

John Corcoran é um professor norte-americano que lecionou durante 17 anos, sem nunca saber ler. A história podia ter saído de um filme, mas é real.

John Corcoran teve uma infância comum no Novo México, EUA, nas décadas de 1940 e 50. Frequentou a escola e a universidade, até que depois se tornou professor. Tudo isso foi feito enquanto John carregava consigo um segredo improvável: não sabia ler uma única frase.

Em declarações à BBC, o professor relata o sofrimento de ter tido que recorrer a estratégias frequentes para esconder o seu analfabetismo, até decidir revelar a verdade ao mundo, aos 48 anos: “Quando era criança, ouvia os meus pais dizerem-me que eu era um vencedor. E, nos meus primeiros seis anos, eu acreditei nisso.”

A história de John expõe não só o sofrimento pessoal, mas também a forma como o isolamento e a automatização do sistema de ensino como um todo podem destruir a autoestima, a aprendizagem e até mesmo o futuro de uma criança.

Tendo crescido com dificuldades de leitura e escrita, o próprio estigma provocado por essa questão fez com que John dedicasse todo o seu esforço ao longo da vida escolar a esconder o facto de não saber ler.

Todas as mais incríveis táticas e estratégias foram utilizadas – desde trocas de provas até ao roubo de testes e de um móvel da sala de professores para descobrir as questões do exame.

Quando concluiu o ensino obrigatório, John decidiu ir para a faculdade com uma bolsa de atleta, à procura de um emprego e uma vida melhor. John estava, no entanto, cada vez mais enterrado no seu segredo, sem conseguir revelar ou enfrentar o problema.

Os esforços continuaram e John formou-se. Depois de finalmente conseguir sair do que considerava um cenário de guerra e prisão, Corcoran voltou à escola, mas desta vez como professor.

Enquanto professor, John ensinou um pouco de tudo: atletismo, estudos sociais e até digitação. Era capaz de assinar o nome e de reproduzir palavras, mas incapaz de saber o que estava a reproduzindo na sua caligrafia ou na máquina de escrever.

A autoridade que lhe era conferida enquanto professor protegia-o, e assim John continuou a lecionar desde 1961 até 1978.

Quando já tinha mais de 40 anos John decidiu contar à sua esposa a verdade sobre o sofrimento que carregou consigo durante uma vida inteira. A sua mulher não entendeu a profundidade do problema, e só quando o viu a tentar ler uma história para a filha é que percebeu a gravidade daquele cenário.

John, no entanto, só conseguiu enfrentar o problema aos 48 anos, quando soube através da então primeira-dama Barbara Bush, que faleceu esta quarta-feira aos 92 anos, sobre o problema do analfabetismo adulto e de um imenso programa para alfabetizar esses adultos que passaram a vida toda sem saber ler nem escrever.

Através desse programa, John conseguiu uma tutora, e após sete anos de estudos, conseguiu se libertar do estigma e da encenação que tinha sido toda a sua vida.

Inicialmente o professor tinha decidido esconder a história até ao fim mas, para inspirar outras pessoas que pudessem estar a passar pelo mesmo que ele, decidiu abrir o jogo e revelar publicamente a sua história que parece ter saído diretamente de um filme.

O relato de John visa principalmente denunciar o quanto o sistema de ensino é capaz de alienar crianças, sem que de facto aprendam coisas tão básicas como a leitura e a escrita, com o objetivo de romper o que chama de “ciclo de fracasso”.

Ao enterrar o seu “fantasma” aos 48 anos, John iluminou um fantasma muito maior, que precisa de ser enfrentado como um problema real.

ZAP // BBC / Hypeness

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Aos Senhores do site: fizeram alguma coisa para confirmar esta noticia? É que não há maneira nenhuma de me fazerem acreditar nisto. É simplesmente impossível. Da maneira como está descrito, é impossível. Não deveria haver algum cuidado da vossa parte antes de divulgar coisas destas?

  2. A wkipedia tem à vários anos um artigo com fontes (repito – COM FONTES, portanto não se aplica a critica o argumento “Isso, a wikiepdia qualquer um pode inventar uma história e pôr lá”) sobre o assunto).

    https://en.wikipedia.org/wiki/John_Corcoran_(author)

    http://www.bbc.com/news/stories-43700153

    Mas há uma diferença face a esta história (que pode ser relevante ou não) – ele pelos vistos lia como um aluno da 2ª classe, o que é diferente de não saber ler (e parece-me que ele seria mais um caso extremo de dislexia do que propriamente de analfabetismo; no artigo fala que que ” he resolved to finally learn how to read”, o que não é exatamente a mesma coisa quer “learn to read”; o “how” – “aprender COMO ler” – parece indicar que não seria uma questão de não saber o significado das letras, mas de ter dificuldade no ato mental de juntar as letras para formar palavras e frases).

    • Sr. Madeira; o meu comentário refere-se apenas ao primeiro parágrafo do seu comentário. Não seria melhor ter escrito: “A wikipedia tem há vários…”?

  3. Para quem está a duvidar da história, googlem por ‘I was a teacher for 17 years, but I couldn’t read or write’, quem em breve acharão uma noticia da BBC com a mesma conversa (e não se esqueçam que isto é algo que se passou há dezenas de anos atrás).

    [Tinha feito outro comentário sobre o assunto, mas como tinha links deve ter ficado filtrado]

  4. Valha-nos Stª Minerva!
    Ainda que seja uma verdade ocorrida há anos não deixa de ser o género de notícia que outra finalidade não tem que não seja afrontar a inteligência humana.
    Não haverão assuntos mais interessantes para fazer chegar aos leitores, seja do ZAP ou BBC?!.
    Se forem credíveis e interessantes vendem na mesma!!!

  5. Para compor uma notícia sensacionalista, “pintaram” a incapacidade do senhor de ler bem, a sua dislexia, ou falta de adequada alfabetização (que é diferente de ler e escrever) como um simples “professor que nunca soube ler”. Isto é jornalismo rasca, da BBC e dos que aproveitaram a notícia para a colocar aqui. A BBC não está isenta de fazer porcariazitas que “não valem nada” (ou por ser a BBC há aqui um “atestado” de qualidade indesmentível e inquestionável?). Depois agrava traduções mal feitas para português, tendenciosas e viciadas para tornar tudo muito fantástico e inacreditável. Mau trabalho, é só. Existem muitas pessoas com o problema do senhor, embora raramente cheguem a ser docentes, isso é que foi admirável. Ele saberá ler, mas lê mal com certeza, escreverá com muitos erros ortográficos, com problemas de construção gramatical, isso é muito comum. Veja-se no Facebook, na língua portuguesa, o que aparece escrito.

Google cria modelo de cérebro mais detalhado (e com maior resolução) de sempre

A recriação 3D do cérebro de uma mosca da fruta - que mostra 20 milhões de sinapses e 25 mil neurónios - é a que tem a maior resolução até ao momento. Uma equipa de …

Morreu Kobe Bryant, uma das maiores estrelas de sempre da NBA

Kobe Bryant, um dos maiores basquetebolistas de sempre, morreu na manhã deste domingo em Calabasas, Califórnia, num desastre de helicóptero. De acordo com a TMZ, Bryant viajava com, pelo menos, três outras pessoas num helicóptero privado, …

Há seis queixas de violência policial por semana

Em Portugal, são apresentadas em média seis queixas semanais por violência policial, escreve o semanário Expresso na sua edição deste fim-de-semana, citando os dados mais recentes da Procuradoria-Geral da República. De acordo com os números, relativos …

CRISPR tornou galinhas resistentes a um vírus comum

A técnica de edição genética CRISPR tem sido usada para tornar as galinhas resistentes a um vírus comum, uma abordagem que poderia aumentar a produção de ovos e de carne em todo o mundo. Mesmo quando …

A Cybertruck de Musk poderá ser "incrivelmente barata" de produzir

A Cybertruck de Elon Musk, CEO da Tesla e da Space X, pode ser "incrivelmente barata" de produzir graças à sua inovadora tecnologia de carroçaria, afirmou um especialista em entrevista à Autoline Network. O engenheiro Sandy …

Novo estudo associa o burnout a uma consequência fatal

Uma nova investigação associa o burnout a um aumento de até 20% no risco de desenvolver fibrilhação auricular, a arritmia crónica mais frequente. O burnout é uma perturbação psicológica causada pelo stress excessivo devido a uma …

Pinto da Costa diz ter total confiança em Sérgio Conceição

O presidente do FC Porto, Pinto da Costa, garantiu que tem "total confiança nos jogadores e no treinador", Sérgio Conceição, que no sábado colocou o lugar à disposição, de acordo com a newsletter oficial dos …

Isabel dos Santos utilizou três identidades para entrar e sair de Portugal

A empresária angola Isabel dos Santos utilizou três documentos de identificação distintos durante as últimas viagens que fez entre Portugal e o Reino Unido. "Izabel Dosovna Kukanova", "Isabel José dos Santos" e "Santos Isabel" foram as …

Voar nunca foi tão seguro, garante a Estatística

Voar em companhias áreas comerciais nunca foi tão seguro, garante um estudo levado a cabo por um professor do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que monitoriza o número de mortes de passageiros de todo o …

Coronavírus já provocou 56 mortes. China começa a desenvolver vacina

China começou a desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus, que já provocou a morte a 56 pessoas e infetou 1.975 pessoas no país, informa este domingo o jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). De …