13 Reasons Why: estudo comprova impacto positivo da série

 

(dr) Netflix

Hannah, 13 Reasons Why

A controvérsia em torno da abordagem e temáticas de 13 Reasons Why já não é novidade. Cerca de um ano depois da sua estreia (a 31 de março de 2017), a produção original da Netflix continua a ser alvo de apreciações críticas díspares.

Um estudo revelado pela Universidade de Northwestern (Illinois, Estados Unidos) veio indicar que o impacto da produção foi maioritariamente positivo.

O Departamento de Media e Desenvolvimento Humano da instituição de ensino superior realizou um estudo intitulado “Exploring how teens and parents responded to 13 Reasons Whyʺ, encomendado pela própria Netflix, a investigação quis entender de que forma é que pais e adolescentes responderam ao impacto social e emocional inerente à visualização da série norte-americana.

Baseada no livro de Jay Asher, a adaptação televisiva de Brian Yorkey relata a história fictícia de Hannah Baker (Katherine Langford), protagonista de um enredo em torno do seu suicídio. Uma caixa com cassetes gravadas por Hannah antes da sua morte revela os treze motivos por detrás da sua trágica (e misteriosa) decisão.

Ao averiguar de que forma a audiência de 13 Reasons Why se relaciona e se deixa influenciar pela trama norte-americana, os resultados positivos saltaram à vista.

As conclusões do estudo revelam que a visualização da série serviu como ferramenta pedagógica para jovens; incentivou a discussão de temáticas significativas entre pais e filhos; e sensibilizou o público adolescente, promovendo sentimentos de empatia face ao testemunho de Hannah (Katherine Langford).

Mais de três quartos dos jovens inquiridos revelaram sentir-se representados. “A nossa base de dados sugere que, a nível mundial, os adolescentes relatam que a série retrata as suas vidas com precisão”, afirma Wartella, especialista na área de Crianças e Media.

Claro está, as reações à série variam consoante a personalidade e estado de espírito de cada espectador, mas a investigação retrata uma tendência global de identificação face ao enredo.

Entre a audiência jovem, 80% admitiu que outros indivíduos da sua idade lidam com problemáticas semelhantes às que são retratadas na série e 72% acreditam ser benéfico que adolescentes assistam à mesma.

Mas os resultados não se resumem à teoria, e muito menos a meros números. 74% dos espectadores adolescentes e jovens demonstraram que 13 Reasons Why os tornou mais conscientes do impacto que as suas ações têm nos outros.

Cerca de metade dos entrevistados (51%) procuraram desculpar-se junto de quem tinham magoado, após conhecerem a teia de repercussões negativas na vida de Hannah, provocada pelas ações de quem a rodeava.

Para além disso, mais de dois terços dos entrevistados admitiram passar a estar mais motivados a prestar auxílio a quem esteja deprimido e seja vítima de bullying ou agressão sexual.

Alexis Lauricella, co-autora do estudo, reflete sobre a influência do original Netflix na audiência mais jovem: “Ficámos surpreendidos com estes resultados. […] Dado o elevado estádio de egocentrismo dos adolescentes, é poderoso vê-los pensar sobre como os demais se estarão a sentir”.

A investigação concluiu também que a produção da Netflix incentivou a discussão, uma vez que “(…) despoletou conversas entre pais e filhos sobre problemas que [estes] possam estar a enfrentar”, acrescenta Ellen Wartella.

Dos espectadores adolescentes, 58% ganharam mais confiança em abordar as problemáticas com os pais, melhorando a comunicação entre ambas as partes. Por sua vez, 56% dos pais participantes confessam que assistir a 13 Reasons Why facilitou o debate com os respetivos filhos, referente aos tópicos da série.

Aclamada pela abordagem “nua e crua” de assuntos prementes da adolescência, a série norte-americana apresenta-se como uma tentativa visível de quebrar os tabus relacionados com o bullying, saúde mental, isolamento social, violência sexual, depressão e suicídio.

Mas há sempre o outro lado da moeda: a produção de 13 Reasons Why é simultaneamente criticada por retratar de forma demasiado gráfica as cenas de suicídio e agressão sexual, considerado conteúdo inadequado para espectadores mais jovens.

Em dezembro, John Herndon, pai de uma jovem que se suicidou, acusou Selena Gomez pela morte da filha. Herndon não tem dúvidas de que o suicídio da filha, fã da atriz e produtora de 13 Reasons Why, só aconteceu por influência da série.

“A Selena Gomez e a Netflix têm que compreender que nem todos entendem o seu propósito. Para algumas pessoas que estão a lutar contra a depressão, a série pode atrapalhá-las na hora errada, criando o que é chamado de evento desencadeante”, explicou John Herndon.

PARTILHAR

RESPONDER

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Hong Kong

A polícia de Hong Kong deteve, este domingo, onze pessoas e apreendeu várias armas, incluindo uma pistola, pouco antes do início de uma manifestação convocada para a cidade, para a qual se espera uma forte …

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …

Ford está a reciclar palha de café do McDonald's. Quer transformá-la em peças de carro

https://vimeo.com/377768195 A Ford está a fabricar peças de carro através de palha de café reciclada do McDonald's. A iniciativa contribui para a redução da pegada ecológica e do desperdício alimentar. O combate às alterações climáticas cabe um …