13 Reasons Why: estudo comprova impacto positivo da série

 

(dr) Netflix

Hannah, 13 Reasons Why

A controvérsia em torno da abordagem e temáticas de 13 Reasons Why já não é novidade. Cerca de um ano depois da sua estreia (a 31 de março de 2017), a produção original da Netflix continua a ser alvo de apreciações críticas díspares.

Um estudo revelado pela Universidade de Northwestern (Illinois, Estados Unidos) veio indicar que o impacto da produção foi maioritariamente positivo.

O Departamento de Media e Desenvolvimento Humano da instituição de ensino superior realizou um estudo intitulado “Exploring how teens and parents responded to 13 Reasons Whyʺ, encomendado pela própria Netflix, a investigação quis entender de que forma é que pais e adolescentes responderam ao impacto social e emocional inerente à visualização da série norte-americana.

Baseada no livro de Jay Asher, a adaptação televisiva de Brian Yorkey relata a história fictícia de Hannah Baker (Katherine Langford), protagonista de um enredo em torno do seu suicídio. Uma caixa com cassetes gravadas por Hannah antes da sua morte revela os treze motivos por detrás da sua trágica (e misteriosa) decisão.

Ao averiguar de que forma a audiência de 13 Reasons Why se relaciona e se deixa influenciar pela trama norte-americana, os resultados positivos saltaram à vista.

As conclusões do estudo revelam que a visualização da série serviu como ferramenta pedagógica para jovens; incentivou a discussão de temáticas significativas entre pais e filhos; e sensibilizou o público adolescente, promovendo sentimentos de empatia face ao testemunho de Hannah (Katherine Langford).

Mais de três quartos dos jovens inquiridos revelaram sentir-se representados. “A nossa base de dados sugere que, a nível mundial, os adolescentes relatam que a série retrata as suas vidas com precisão”, afirma Wartella, especialista na área de Crianças e Media.

Claro está, as reações à série variam consoante a personalidade e estado de espírito de cada espectador, mas a investigação retrata uma tendência global de identificação face ao enredo.

Entre a audiência jovem, 80% admitiu que outros indivíduos da sua idade lidam com problemáticas semelhantes às que são retratadas na série e 72% acreditam ser benéfico que adolescentes assistam à mesma.

Mas os resultados não se resumem à teoria, e muito menos a meros números. 74% dos espectadores adolescentes e jovens demonstraram que 13 Reasons Why os tornou mais conscientes do impacto que as suas ações têm nos outros.

Cerca de metade dos entrevistados (51%) procuraram desculpar-se junto de quem tinham magoado, após conhecerem a teia de repercussões negativas na vida de Hannah, provocada pelas ações de quem a rodeava.

Para além disso, mais de dois terços dos entrevistados admitiram passar a estar mais motivados a prestar auxílio a quem esteja deprimido e seja vítima de bullying ou agressão sexual.

Alexis Lauricella, co-autora do estudo, reflete sobre a influência do original Netflix na audiência mais jovem: “Ficámos surpreendidos com estes resultados. […] Dado o elevado estádio de egocentrismo dos adolescentes, é poderoso vê-los pensar sobre como os demais se estarão a sentir”.

A investigação concluiu também que a produção da Netflix incentivou a discussão, uma vez que “(…) despoletou conversas entre pais e filhos sobre problemas que [estes] possam estar a enfrentar”, acrescenta Ellen Wartella.

Dos espectadores adolescentes, 58% ganharam mais confiança em abordar as problemáticas com os pais, melhorando a comunicação entre ambas as partes. Por sua vez, 56% dos pais participantes confessam que assistir a 13 Reasons Why facilitou o debate com os respetivos filhos, referente aos tópicos da série.

Aclamada pela abordagem “nua e crua” de assuntos prementes da adolescência, a série norte-americana apresenta-se como uma tentativa visível de quebrar os tabus relacionados com o bullying, saúde mental, isolamento social, violência sexual, depressão e suicídio.

Mas há sempre o outro lado da moeda: a produção de 13 Reasons Why é simultaneamente criticada por retratar de forma demasiado gráfica as cenas de suicídio e agressão sexual, considerado conteúdo inadequado para espectadores mais jovens.

Em dezembro, John Herndon, pai de uma jovem que se suicidou, acusou Selena Gomez pela morte da filha. Herndon não tem dúvidas de que o suicídio da filha, fã da atriz e produtora de 13 Reasons Why, só aconteceu por influência da série.

“A Selena Gomez e a Netflix têm que compreender que nem todos entendem o seu propósito. Para algumas pessoas que estão a lutar contra a depressão, a série pode atrapalhá-las na hora errada, criando o que é chamado de evento desencadeante”, explicou John Herndon.

PARTILHAR

RESPONDER

O melhor professor do mundo é queniano e doa 80% do seu salário

Peter Tabichi é queniano, tem 36 anos e doa 80% do salário para desenvolver a sua comunidade local, numa remota vila no Quénia. Este domingo foi eleito, no Dubai, o melhor professor do mundo. Em Pwani, …

Pentágono autoriza mil milhões de dólares para construção de muro de Trump

O secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou na segunda-feira o desbloqueio de mil milhões de dólares para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Shanahan “autorizou o …

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. A decisão de recorrer …

Se a corrida continuar a três, McLaren ameaça deixar a Fórmula 1

A McLaren, a segunda equipa mais antiga da Fórmula 1, ameaça desistir da modalidade caso os regulamentos elaborados para 2021 não a tornem numa competição justa. A visão da Fórmula 1, a modalidade de automobilismo mais …

México quer que rei da Espanha peça perdão pela conquista colonial

Obrador diz que esta é a única forma possível de obter a reconciliação plena entre os países. O pedido foi feito por carta. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou ter enviado uma carta ao …

"O Vieira pediu-me para dar uma coça a Francisco J. Marques"

Vítor Catão, diretor desportivo do S. Pedro da Cova, afirmou que o Benfica, através do seu presidente Luís Filipe Vieira, lhe deu 200 mil euros para colocar uma "lapa" no carro de Pinto da Costa, …

"Governo saudita deu a ordem" para matar Khashoggi

Em entrevista ao El Mundo, a namorada do jornalista saudita Jamal Khashoggi afirma que a ordem que determinou a sua morte foi dada pelo Governo da Arábia Saudita. Em entrevista ao diário espanhol El Mundo, a …

Já há água, eletricidade e estradas abertas na cidade da Beira

Começam a ver-se pequenos avanços na Beira, em Moçambique, que inicia o lento caminho da reconstrução, após a passagem do ciclone Idai, que matou pelo menos 446 pessoas e destruiu cerca de 90% dos edifícios …

"Um erro desculpável". Governante sem castigo após violar a Lei no caso dos mirtilos

O Tribunal Constitucional decidiu arquivar o caso das incompatibilidades envolvendo o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que, durante dois anos, acumulou o cargo com a função de gerente numa empresa …

Erros em perguntas de exame obrigam a mudar notas de médicos estrangeiros

O exame feito por médicos estrangeiros para ter equivalência ao curso de Medicina em Portugal teve neste ano mais de 700 candidatos, a esmagadora maioria brasileiros. É uma procura histórica, admitem médicos e serviços académicos, por …