/

11 mil casos e 100 mortes diárias por covid-19 em dezembro, diz especialista

Angelo Carconi / EPA

Esta previsão, com números muito superiores aos que temos conhecido nos últimos dias, tem por base um cenário em que as novas medidas aplicadas pelo Governo para conter a propagação do vírus, em consequência do estado de emergência, se revelem ineficazes.

Numa semana em que Portugal tem registado novos máximos de mortes associadas à covid-19, há quem preveja um pico de 11 mil casos e uma pelos menos 100 óbitos diários já no próximo mês de dezembro.

As previsões são de Manuel Carmo Gomes, professor de epidemiologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, e baseiam-se num possível cenário em que as medidas do Governo para os próximos quinze (mas que podem ser prolongadas por mais tempo) não se revelem eficazes.

À Renascença, o especialista adianta que “eu não sei se os portugueses vão ou não aderir às medidas e não consigo avaliar que impacto terá no Rt”, mas se este indicador se mantiver estável “Portugal chegará, na segunda semana de dezembro, aos 11 mil casos diários”, garante. Segundo a mesma previsão, na terceira semana do mês, o número de mortes poderá chegar a um máximo de 100 em apenas 24 horas.

De uma forma geral, a taxa de letalidade global da covid-19 em Portugal baixou face à primeira vaga. Contudo, estes últimos dias têm sido críticos, uma vez que o número de vítimas mortais por dia tem vindo a aumentar para valores nunca antes vistos.

O especialista de saúde pública explica a sua lógica: “a probabilidade de o doente infetado morrer baixou, mas como o número de internamentos tem continuado a subir muito, em termos absolutos, o número de mortes também sobe muito”.

Ainda assim, se as medidas adotadas pelo Governo se revelarem eficazes, o número de infeções, internamentos e mortes pode realmente desacelerar, assegura Carmo Gomes.

Ontem, Portugal registou mais de 62 mortos e 3817 infetados. Com estes números, Portugal ultrapassou as três mil vítimas mortais desde o início da pandemia.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.