1 em cada 6 jovens acha normal forçar relações sexuais

MyDearValentine / Flickr

-

Um estudo sobre violência no namoro revela que quase um terço dos rapazes (32,5%) acha legítimo exercer violência sexual e que 14,5% das raparigas não considera violência forçar um beijo ou sexo.

“Temos 14,5% das raparigas a não reconhecerem que forçar para beijar ou para ter relações sexuais constitui uma forma de violência, contraponto com mais do dobro dos rapazes (32,5%) que também não o reconhece como tal”, revelou a criminóloga Cátia Pontedeira, da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), com dados do estudo sobre violência no namoro realizado junto de 2.500 jovens.

O estudo sobre a prevalência e legitimação da violência no namoro, desenvolvido nos últimos quatro meses pela UMAR, inquiriu jovens do Grande Porto, Braga e Coimbra e conclui que os rapazes legitimam mais os comportamentos violentos do que as raparigas. Da totalidade dos 2.500 jovens, “16% considera normal forçar o/a companheiro/a a ter relações sexuais“.

No que diz respeito à legitimação da violência, ou seja à não-aceitação de determinado comportamento como violência no namoro, os dados revelam que quase um quarto dos jovens (22%) considera “normal” a violência no namoro.

“É ainda uma percentagem mesmo muito alta haver 22% a considerar normal algumas das formas de violência”, considerou a criminóloga, referindo que nesta violência geral está incluída a “violência física, sexual e ou psicológica“.

A criminóloga adiantou que o estudo, realizado no âmbito do projeto Artways – Políticas Educativas e de Formação contra a Violência e Delinquência Juvenil e que contou com adolescentes entre 12 e 18 anos, indica que “7% dos jovens já tinham sofrido algum tipo de violência nas suas relações de namoro” e que a maior parte da violência descrita é psicológica.

A violência física no namoro foi assumida por 5% do total de jovens inquiridos e a violência sexual foi reportada por 4,5% dos jovens.

“Estes dados de prevalência de violência são preocupantes”, considerou a criminóloga da UMAR, lembrando que se está a falar de um grupo de jovens com uma idade média de 14 anos.

A UMAR, que faz estudos sobre violência de namoro desde 2009, indica que com estes dados recentes se verifica que a “vitimização tem subido ligeiramente, o que não significa necessariamente que haja mais vítimas no namoro.

“Pode significar, por exemplo, que há um maior reconhecimento deste fenómeno e, portanto, uma maior denúncia, uma maior procura de ajuda e também maiores dados estatísticos em termos da sua prevalência.

No estudo, por violência física entende-se violência que deixa marcas visíveis físicas e atos que não deixem vestígios, como por “empurrar ou puxar”.

Na violência sexual está implícito a violação, mas também pressões verbais como dizer “se não fazes sexo, não gostas de mim ou estás a perder o interesse em mim”. Já na violência psicológica a maior incidência são as proibições de estar ou falar com amigos ou mexer no telemóvel.

Em fevereiro de 2013 o Código Penal passou a considerar crime de violência doméstica as agressões entre namorados e também entre ex-namorados.

Bom Dia

PARTILHAR

RESPONDER

A longo prazo, o distanciamento social pode até ser melhor para a economia

O isolamento social durante uma pandemia, como é o caso da covid-19, que já fez mais de 48.000 vítimas mortais por tudo o mundo, pode revelar-se melhor para a economia a longo prazo, revelou uma …

Elon Musk doou 1.000 ventiladores a hospitais (mas eram do tipo errado)

Nos últimos dias, Elon Musk, CEO da Tesla, recebeu muitos elogios por ter doado mil ventiladores a hospitais da Califórnia, que enfrentam um número esmagador de casos de coronavírus. Porém, os ventiladores não eram do …

Coronavírus pode replicar-se na boca e nariz durante uma semana antes de infetar pulmões

O coronavírus pode permanecer e replicar-se na boca e no nariz durante uma semana antes de infetar aos pulmões, à traqueia e aos brônquios, revela um estudo, que mostra igualmente que é expulso do organismo …

PSP vai utilizar câmaras portáteis em drones no estado de emergência

A PSP vai utilizar 20 câmaras portáteis de videovigilância, 18 das quais vão ser instaladas em ‘drones’, durante o estado de emergência devido à pandemia de covid-19, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna …

Em Nova Iorque, prisioneiros são usados para cavar valas comuns

Nova Iorque está a oferecer seis dólares por hora e material de proteção individual aos prisioneiros de Rikers Island que aceitem ajudar a cavar valas comuns. Projeções da Fundação Gates apontam que, em Nova Iorque, o …

EUA estará a pagar para desviar carregamentos de máscaras adquiridas por França

As autoridades francesas estão a acusar os Estados Unidos de terem pago para desviar um carregamento de máscaras faciais oriundo da China. Este episódio é apenas mais um na saga sobre a escassez de máscaras de …

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados

Cerca de 1200 reclusos podem vir a ser libertados antecipadamente para prevenir a propagação da pandemia de covid-19 no meio prisional, revelou esta quinta-feira a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, em declarações à RTP3. A …

OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o …

Covid-19. Mais de 95% das vítimas mortais na Europa tinham mais de 60 anos

O diretor regional para a Europa da Organização Mundial de Saúde (OMS), Hans Kluge, revelou esta quinta-fera que mais de 95% das vítimas mortais da covid-19 na Europa têm mais de 60 anos de idade. Em …

Curva portuguesa mostra abrandamento de novos casos (mas é preciso "cautela")

Portugal tem assistido desde o dia 25 de março a um abrandamento do aumento percentual diário de novos casos de covid-19, segundo dados divulgados pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP). Segundo Carla …